Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Digedrat

Digedrat - Bula do remédio

Digedrat com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Digedrat têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Digedrat devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Medley

Apresentação de Digedrat

Cápsula gelatinosa mole para uso oral de 200 mg, embalagens contendo 20, 30 e 60 cápsulas.
USO ADULTO – USO ORAL
COMPOSIÇÃO:
Cada cápsula contém:
maleato de trimebutina.......................................................................................................... 200 mg
(equivalente a 154 mg de trimebutina base)
Excipientes q.s.p. ............................................................................................................... 1 cápsula
(água deionizada, dióxido de titânio, gelatina, glicerol, lecitina, metilparabeno, óleo de soja
hidrogenado, propilparabeno, simeticona, óleo de soja)

Digedrat - Indicações

Como modulador da musculatura gastrintestinal, Digedrat atua como normalizador, porém não como depressor do peristaltismo fisiológico. Este modo de ação também confere a Digedrat características de antiespasmódico. Digedrat não apresenta relação estrutural com os antiespasmódicos do tipo anticolinérgico e com os procinéticos que estimulam a liberação de acetilcolina, não possuindo os efeitos sistêmicos inerentes a essas drogas, como alterações na freqüência cardíaca, pressão intra-ocular, etc., embora a trimebutina tenha um efeito seletivo sobre o tubo digestivo semelhante à acetilcolina.
A atuação sobre a função sensorial específica do tudo digestivo confere ainda a Digedrat os benefícios no controle sintomático dos processos dolorosos decorrentes das afecções motoras relacionadas a seguir: odinofagia secundária a refluxo gastroesofágico, dispepsia funcional nãoulcerosa, dores e cólicas decorrentes de espasmos gastrintestinais, síndrome do cólon irritável. Os portadores de refluxo gastroesofágico podem se beneficiar do efeito de esvaziamento gástrico de Digedrat, além do seu efeito modulador sensorial, aliviando a sintomatologia dolorosa decorrente desta situação. Digedrat também está indicado no preparo para procedimentos diagnósticos radiológicos e endoscópicos, favorecendo o esvaziamento gástrico e, com isso, evitando náuseas e vômitos (no trânsito baritado superior); e na colonoscopia, para diminuição da contratilidade colônica, que costuma prejudicar a visualização neste tipo de exame.

Contra-indicações de Digedrat

Digedrat é contra-indicado para pacientes com hipersensibilidade conhecida à trimebutina ou a qualquer componente da fórmula.

Advertências

A enorme experiência clínica com trimebutina mostra que este fármaco pode ser prescrito sem restrições, exceto durante os três primeiros meses de gravidez (vide ADVERTÊNCIAS – Uso na Gravidez).
Uso na Gravidez:
Em estudos realizados com animais, Digedrat demonstrou que a transferência transplacentária é pequena, o que confere bastante segurança para o seu uso durante a gestação. A passagem através do leite materno também é mínima, o que garante proteção para o lactente, caso haja necessidade de uso pela mãe. Digedrat só deve ser usado na gravidez sob prescrição e supervisão médica. Como ainda não está amplamente estabelecido o efeito teratogênico de Digedrat, recomenda-se evitar o seu uso durante os três primeiros meses de gestação. Nenhum ajuste de dose é necessário para pacientes idosos. Digedrat enquadra-se na categoria B de risco de fármacos destinados a mulheres grávidas. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirugião-dentista.

Interações medicamentosas de Digedrat

- Com alimentos: Não existem relatos a respeito de interações medicamentosas de trimebutina na forma oral com alimentos. Entretanto, é recomendável que o paciente siga as orientações médicas quanto à dieta alimentar.
- Em exames laboratoriais: Em estudos clínicos de eficácia e segurança comparativos entre trimebutina e outros fármacos, nenhuma interferência significativa foi observada quanto aos parâmetros bioquímicos, exceto diminuição da contagem de eritrócitos. Relato de leucopenia também pode ocorrer.
- Com outros medicamentos: Não existem relatos a respeito de interações medicamentosas com Digedrat. - Com álcool: Pacientes que estiverem fazendo tratamento com Digedrat devem evitar o uso simultâneo de bebidas alcoólicas.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Digedrat

A grande experiência clínica no uso da trimebutina confirma a segurança desta substância. Os efeitos adversos relatados são raros, e incluem vermelhidão cutânea (em menos de 2% dos pacientes), sonolência (em 0,08%), e, muito raramente, alguns casos de dor de cabeça, boca seca, constipação, diarréia, vômitos, fraqueza e tonturas (menos de 0,01% de incidência para cada efeito colateral).

Digedrat - Posologia

Digedrat deve ser administrado por via oral.
Adultos: 1 cápsula, duas a três vezes ao dia (400 a 600 mg ao dia), preferencialmente antes das refeições. A duração do tratamento deve ser determinada pelo médico. Devido a sua grande tolerância clínica, hematológica e renal, Digedrat pode ser administrado por períodos prolongados, de acordo com as necessidades de cada paciente. A dose oral máxima diária recomendada é de 600 mg.
Crianças: Digedrat cápsulas só deve ser administrado a crianças com mais de 12 anos de idade.

Superdosagem

Digedrat demonstra ter sido bem tolerado. No caso de superdose aconselha-se proceder esvaziamento gástrico, tratamento sintomático e medidas de suporte.

Características farmacológicas

Digedrat possui como princípio ativo o maleato de trimebutina, que equivale a 77 mg de trimebutina base para cada 100 mg de maleato, e é uma substância cuja estrutura química difere das de outras da mesma categoria. A trimebutina é utilizada na síndrome de várias desordens do trato digestivo incluindo dispepsia, síndrome do intestino irritável e íleo pós-operatório. Farmacodinâmica:
Digedrat apresenta uma atividade moduladora da função contrátil gastrintestinal, complementada por uma ação moduladora sensorial local, diminuindo assim, a sensação de malestar causado pelos processos dolorosos e espásticos do tubo digestivo. A trimebutina (Digedrat) interage com os receptores μ, κ e δ encefalinérgicos dos plexos intramurais de Auerbach (mioentérico) e Meissner (submucoso), atuando como moduladora da função motora, desde o esôfago até o sigmóide. Ao interagir com receptores encefalinérgicos, a trimebutina (Digedrat) simula o efeito fisiológico da acetilcolina, normalizando as disfunções motoras sem, no entanto, interferir na produção e secreção deste neurotransmissor.
Como modulador da função muscular digestiva, Digedrat atua restabelecendo a motricidade fisiológica, diminuindo ou estimulando a contratilidade de acordo com a necessidade. Esse mecanismo de ação confere a Digedrat características de antiespasmódico e procinético. A dualidade de ação de Digedrat sobre a função motora permite que este seja utilizado em todas as disfunções motoras digestivas, desde o estômago até o cólon sigmóide. A atuação sobre a função sensorial se estende ao esôfago.
Como se sabe, a acetilcolina é um neurotransmissor que atua na regulamentação da função motora do tubo digestivo. Diferente de outros procinéticos, Digedrat atua simulando o efeito local da acetilcolina, sem interferir na liberação sistêmica deste neurotransmissor, o que explica a sua ampla margem de segurança até mesmo em pacientes com distúrbios que possam sofrer interferência da acentuação na produção da acetilcolina, tais como: alterações nos ritmos cardíacos, hipertensão pulmonar, alterações na pressão arterial sistêmica ou alterações na freqüência miccional. Por não ter qualquer relação com a secreção de dopamina ou seus efeitos, Digedrat não produz qualquer efeito adverso semelhante aos dos agonistas dopaminérgicos, tais como síndrome extrapiramidal e hiperprolactinemia. Assim, as ações moduladoras sensoriais locais e do trânsito gastrintestinal fazem de Digedrat um produto com vasto campo de aplicação nas mais diversas especialidades médicas. Os estudos farmacológicos e toxicológicos realizados com a trimebutina evidenciaram uma excelente tolerância a esta substância, bem como a ausência de toxicidade, e efeitos secundários e teratogênicos.
Farmacocinética:
Após administração oral de Digedrat, a absorção intestinal de trimebutina é quase completa (94%). O pico de concentração plasmática é alcançado em 1 hora após a sua ingestão. A taxa de ligação protéica é de aproximadamente 5%, o que favorece a disponibilidade contínua do produto. Digedrat é metabolizado no fígado em vários metabólitos, sendo o principal a monodesmetil trimebutina ou nortrimebutina, que apresenta concentrações plasmáticas mais altas que a própria trimebutina e exerce as propriedades farmacológicas desta principalmente no cólon. A meia-vida plasmática é de cerca de 10 a 12 horas, no homem. A meia-vida de eliminação plasmática é cerca de 1 hora. Sua excreção urinária é de 65% em 24 horas e 80% após 48 horas. Sua eliminação fecal em 48 horas é de 5 a 10%. A transferência placentária é pequena, o que confere bastante segurança para o seu uso durante a gestação. A passagem através do leite materno também é pequena, o que garante segurança para o lactente, caso haja necessidade de uso pela mãe (ver ADVERTÊNCIA – Uso na Gravidez).

Resultados de eficácia

Schaffstein et al (1990) realizaram um estudo comparando a segurança e a eficácia da trimebutina versus mebeverina em pacientes com Síndrome de Intestino Irritável. Pacientes de ambos os sexos foram divididos em dois grupos: um recebeu mebeverina e placebo, e o outro, trimebutina e placebo. Dos 196 pacientes que concluíram o estudo, 99 eram do grupo da mebeverina (35 homens e 64 mulheres) e 97 do grupo da trimebutina (34 homens e 63 mulheres). Durante o período de tratamento foi relatado que a freqüência diária de episódios de dor abdominal diminuiu significativamente no grupo de trimebutina quando comparado ao grupo da mebeverina. Os pacientes da trimebutina relataram também significante redução na duração da dor abdominal por episódio e por dia. A diminuição total das dores (dor abdominal inferior e dor difusa) foi significantemente maior nos pacientes tratados com trimebutina do que com a mebeverina.
No que diz respeito aos critérios secundários, muitos sintomas da Síndrome de Intestino Irritável também melhoraram significantemente nos pacientes do grupo da trimebutina quando comparado ao grupo da mebeverina, incluindo dor antes e após as refeições, palpabilidade do cólon sigmóide e alteração na consistência das fezes. Maior também foi o alívio significante de pirose (azia), eructação, náuseas, anorexia, flatulência, dor de cabeça, depressão, desordem do sono, borborigmo e meteorismo observado no grupo tratado com trimebutina.

Modo de usar

É recomendado que este medicamento seja administrado oralmente antes das refeições, já que sua utilização pretende melhorar o esvaziamento gástrico.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Uso em idosos: a posologia é a mesma que a de adultos jovens;
Uso em crianças: Digedrat cápsulas só deve ser administrado a crianças com mais de 12 anos de idade;
Outros Grupos de Riscos: até o presente momento não foi relatada a necessidade de algum cuidado especial em pacientes fazendo uso de Digedrat, exceto os já descritos.

Armazenagem

Depois de aberto, Digedrat deve ser mantido dentro de sua embalagem original, em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC) e protegido da umidade.

Dizeres legais

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Data de fabricação, prazo de validade e n° do lote: Vide cartucho.
Farm. Resp.: Dra. Clarice Mitie Sano Yui
CRF-SP n° 5.115
MS: 1.0181.0477
Produzido por:
Catalent Pharma Solutions
Av. Jerome Case, 1277
Sorocaba – SP
Embalado e distribuído por:
MEDLEY S.A. Indústria Farmacêutica
Rua Macedo Costa, nº 55, Campinas - SP
C.N.P.J. 50.929.710/0001-79
Indústria Brasileira
SIM – Serviço de Informações MEDLEY – 0800-7298000
http://www.medley.com.br

Digedrat - Bula para o Paciente

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
Digedrat é uma substância que atua no intestino regularizando as disfunções motoras, ou seja, diminuindo a motilidade (movimentação do intestino) nos casos onde há aumento da mesma, ou aumentando, quando a motilidade estiver diminuída. Desta maneira, espera-se um resultado de normalização do trânsito intestinal. Além disso, possui ação analgésica, aliviando a dor proveniente do intestino. Espera-se que o efeito analgésico de Digedrat inicie dentro da primeira hora de ingestão, assim como a ação reguladora do intestino.
POR QUE ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?
Este medicamento foi indicado para tratar alterações do funcionamento da coordenação da contração do aparelho digestivo. Estas alterações podem estar relacionadas ao movimento contrário do ácido do estômago para o esôfago (refluxo gastro-esofágico, que causa azia), dificuldade de esvaziamento do estômago (empachamento), aumento da motilidade intestinal (diarréia), diminuição da motilidade intestinal (constipação, prisão de ventre) e dor proveniente de contrações não coordenadas no intestino (cólicas intestinais). Tais situações são comuns a várias doenças como dispepsia, síndrome do intestino irritável e constipação, entre outras, e seu médico pode esclarecer o seu diagnóstico mais claramente.
QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Você não deve usar este medicamento se tiver algum tipo de alergia à trimebutina ou a qualquer um dos componentes da fórmula. Para o uso correto e seguro de Digedrat, você deve seguir as orientações médicas bem como as informações contidas nesta bula. Não existem relatos a respeito de interações medicamentosas de trimebutina na forma oral com alimentos. Entretanto, é recomendável que você siga todas as orientações médicas quanto à dieta alimentar. Pequenas alterações podem ocorrer nos exames de sangue. Caso isso ocorra, relate ao seu médico que você faz uso de Digedrat. Digedrat deve ser engolido, sem mastigar, com um pouco de líquido. Qualquer outra forma de administração do medicamento não é recomendada. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. “Este medicamento é contra-indicado na faixa etária entre 0 e 12 anos.” “Informe ao médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis”. “Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento”. “Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde”.
COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Digedrat é uma cápsula de gelatina mole levemente amarelada. As cápsulas devem ser engolidas com líquido (água ou suco) e sem serem mastigadas. A dose habitual de tratamento é uma cápsula, preferencialmente antes das refeições, em um total de 2 a 3 cápsulas ao dia. A duração do tratamento é variável, e dependerá do que seu médico determinar. “Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento”. “Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico”. “Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento”. “Este medicamento não pode ser partido ou mastigado”. O prazo de validade dele é de 24 meses a partir da data de fabricação, que pode ser verificada na embalagem externa do produto.
QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?
A utilização do Digedrat pode acarretar o aparecimento de efeitos colaterais, entre os quais fezes líquidas, aumento da freqüência de urinar, prisão de ventre e sensação de barriga estufada; dor de estômago, tonteiras, boca seca, dor de cabeça e sonolência.
O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA GRANDE QUANTIDADE DESTE MEDICAMENTO DE UMA SÓ VEZ?
Se alguém ingerir uma grande quantidade deste medicamento, deve-se procurar socorro médico para as devidas providências, não sendo necessário qualquer procedimento anterior.
ONDE E COMO DEVO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Este medicamento deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC) e protegido da umidade.
"Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças".

Data da bula

08/12/2011

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal