Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Fluoro-uracil

Fluoro-uracil - Bula do remédio

Fluoro-uracil com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Fluoro-uracil têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Fluoro-uracil devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Icn

Referência

Fluoruracila

Apresentação de Fluoro-uracil

sol. inj.: cx. c/ 10 amp. de 250 mg/10 ml de fluorouracil.

Contra-indicações de Fluoro-uracil

Hipersensibilidade conhecida ao medicamento.

Advertências

O tratamento deve ser interrompido imediatamente se os seguintes sintomas ocorrerem: estomatite, mucosite, diarréia severa ou vômitos, ulceração gastrintestinal ou sangramento; contagem leucocitária < 3000/mm³; contagem plaquetária inferior a 80.000/mm³; toxicidade do sistema nervoso central e periférico incluindo ataxia e tremor; toxicidade cardíaca. O tratamento não deve ser reiniciado antes do desaparecimento dos sintomas. Nos casos de toxicidade severa gastrintestinal, cardíaca ou neurológica a reintrodução do Fluor-Uracil ICN, em geral, não é recomendada. Hemogramas freqüentes (a cada dois ou três dias) são essenciais durante o tratamento inicial. Durante manutenção, um hemograma deve ser realizado antes de cada dose. Os valores limites para leucócitos e plaquetas são citados no item Dosagem e Administração. As doses para o tratamento inicial devem ser reduzidas em 1/3 ou à metade nos pacientes com situação nutricional precária, naqueles submetidos à cirurgia de grande porte nos últimos 30 dias e naqueles com depressão da medula óssea (leucócitos < 4000/mm³ e plaquetas < 100.000/mm³) ou com severo prejuízo das funções hepática e renal. Uma associação entre a deficiência de dihidropirimidina dihidrogenase (DPD) e o aumento dos efeitos tóxicos do fluorouracil não pode ser excluída. Gravidez e lactantes Efeitos adversos no desenvolvimento fetal foram observados nos estudos em animais. Embora não exista evidência de prejuízo ao feto de humanos, Fluoro-uracil ICN é estritamente contra-indicado durante a gravidez. Desconhece-se se o 5-fluoruracil atravessa a placenta ou se é excretado no leite materno. Contudo, mulheres em uso de Fluoro-uracil ICN não devem amamentar.

Uso na gravidez de Fluoro-uracil

Efeitos adversos no desenvolvimento fetal foram observados nos estudos em animais. Embora não exista evidência de prejuízo ao feto de humanos, Fluoro-uracil ICN é estritamente contra-indicado durante a gravidez. Desconhece-se se o 5-fluoruracil atravessa a placenta ou se é excretado no leite materno. Contudo, mulheres em uso de Fluoro-uracil ICN não devem amamentar.

Interações medicamentosas de Fluoro-uracil

Interações medicamentosas resultando em potencialização da toxicidade foram relatadas em associação com a administração concomitante de 5-fluorouracil e outros agentes anticâncer (por exemplo, interferon alfa 2a, ciclofosfamida, vincristina, metotrexato, cisplatina, adriamicina, levomisol ou leucovorin). Uma síndrome hemolítica-urêmica tem sido relatada após uso prolongado do Fluoro-uracil ICN em combinação com mitomicina.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Fluoro-uracil

Trato gastrintestinal: Comuns: anorexia, náusea, vômitos, estomatite, mucosite, diarréia. Raros: sangramento, prejuízo hepatocelular. Em raríssimos casos observou-se necrose hepática fatal. Pele: Comum: alopecia. Raros: exantema, dermatite, eritema palmoplantar, hiperpigmentação, fotossensibilidade, urticária. Casos isolados de alterações ungueais, incluindo perda das unhas, foram relatados. Sistema cardiovascular: Muito raro: precordialgia, arritmias cardíacas, infarto do miocárdio, isquemia e insuficiência cardíaca, resultando em óbito em raros episódios. Sistema nervoso central: Raros: ataxia, disartria, nistagmo, desorientação, confusão, euforia e neurite óptica. Casos de disfunção cerebelar, extrapiramidal e cortical, os quais são sempre reversíveis, foram relatados. Sistema hematopoético: Mais comum: leucopenia c/ neutropenia, anemia, trombocitopenia. Raros: anemia hemolítica, agranulocitose, pancitopenia. Olhos: Raro: lacrimejamento é o primeiro sinal de estenose do ducto lacrimal. Outras: Raros: Broncoespasmo, choque anafilático. Se ocorrer choque anafilático, deve-se empregar as medidas usuais para seu controle. Diarréia em geral responde a agentes antidiarréicos. Náusea e vômitos descontrolados podem ser tratados c/ agentes antieméticos. Se o tratamento c/ Fluoro-uracil ICN for interrompido, resolução gradual do eritema palmoplantar ocorre em cinco a sete dias. Alternativamente, síndrome palmoplantar pode ser tratada c/ administração oral concomitante de piridoxina nas doses de 100 a 150 mg/dia.

Fluoro-uracil - Posologia

Fluoro-uracil ICN pode ser administrado em infusão ou injeção intravenosa. Na administração parenteral a dose diária total não deve exceder 1 g. Dose padrão: 1. Tratamento inicial: a. Infusão: 15 mg/kg ou 600 mg/m2 (máximo 1 g por dose) administrado diariamente por infusão intravenosa por 4 horas; 750 mg de 5-FU podem ser diluídos em 250 ml de uma das seguintes soluções: 0,9% cloreto de sódio, 5% dextrose, 10% dextrose, 2,5% dextrose + 0,45% cloreto de sódio, solução de Ringer, solução de Hartmann ou Macrodex a 6% em dextrose. Uma vez preparada, a solução deve ser utilizada em 8 horas. As infusões são repetidas diariamente até que os primeiros efeitos adversos apareçam (estomatite, diarréia, leucopenia e/ou trombocitopenia); o tratamento é então descontinuado. Uma vez que os efeitos gastrintestinais tenham desaparecido, a contagem leucocitária tenha novamente aumentado para 3.000-4.000/mm3 e a contagem plaquetária aumentado para 80.000-100.000/mm3, o tratamento de manutenção deve ser iniciado (ver item 2). b. Injeção: 12 mg/kg ou 480 mg/m2 administrados por injeção intravenosa lenta diária, em três dias consecutivos. Se sinais de toxicidade não ocorrerem (estomatite, diarréia, leucopenia e/ou trombocitopenia), o paciente receberá então 6 mg/kg ou 240 mg/m2 IV nos dias 5, 7 e 9, desde que sinais de toxicidade não apareçam durante o tratamento. Se o tratamento for bem tolerado, deve-se iniciar a fase de manutenção. De outra maneira, a manutenção deverá ser adiada até que os efeitos colaterais tenham desaparecido. Injeções em bolo devem ser evitadas. c. Esquema alternativo: 15 mg/kg ou 600 mg/m2, uma vez por semana na forma de injeção intravenosa. Efeitos colaterais são em geral discretos. Após a ocorrência da remissão, o tratamento de manutenção deve ser iniciado. 2. Tratamento de manutenção: Injeção: 5-10 mg/kg ou 200-400 mg/m2 IV, uma vez por semana. 3. Instruções especiais: O primeiro ciclo de tratamento deve ser administrado em regime hospitalar ou sob a supervisão de um especialista. Se a função da medula óssea estiver reduzida (contagem leucocitária inferior a 4.000/mm3, plaquetas < 100.000/mm3), se houver prejuízo severo das funções hepática e renal, ou perda de peso importante, a dose deve ser reduzida em 1/3 ou à metade. Em pacientes obesos, ou c/ edema, ascite ou outras formas de retenção hídrica que resultem em ganho de peso, a dose deve ser baseada no peso normal do paciente ou em sua superfície corpórea normal. A administração de Fluoro-uracil ICN deve ser imediatamente interrompida na ocorrência de quaisquer dos sintomas/sinais a seguir: toxicidade gastrintestinal, como estomatite, mucosite, diarréia severa ou vômito, ulceração gastrintestinal ou sangramento. Toxicidade hematológica: contagem leucocitária inferior a 3.000/mm3, contagem plaquetária inferior a 80.000/mm3. Toxicidade central ou do sistema nervoso periférico, incluindo ataxia e tremor. Toxicidade cardíaca. O tratamento não deve ser reintroduzido até que os efeitos colaterais tenham desaparecido. Em geral, a decisão de reintroduzir o tratamento depende do grau de recuperação da toxicidade e da condição do paciente. Nos casos de toxicidade severa gastrintestinal, cardíaca ou neurológica, a reintrodução de Fluoro-uracil ICN não é recomendada. Tratamento combinado: Quando Fluoro-uracil ICN é combinado a outros agentes citostáticos c/ perfil semelhante de efeitos adversos ou c/ radioterapia, a dose recomendada deve ser sempre reduzida de acordo. Fluoro-uracil ICN pode ser também administrado em infusão contínua de 24 horas (5-7,5 mg/kg ou 200-300 mg/m2 diários), apesar de se ter que levar em conta o limite de oito horas de estabilidade da solução. Duração do tratamento: A duração do tratamento deve ser determinada por um especialista, dependendo do tipo e da evolução da doença.

Superdosagem

Os principais sintomas são náuseas, vômitos, diarréia, estomatite, hemorragia, leucopenia e/ou trombocetopenia. Medidas adequadas de controle: interrupção do tratamento ou redução da dose e dependendo dos sintomas, transfusões sagüíneas, transfusões de leucócitos ou plaquetas e tratamento anti-infeccioso. Observações especiais Influência nos testes diagnósticos: dosagens de bilirrubina (índices ictéricos) e de ácido 5-hidroxiindol acético na urina podem se mostrar aumentadas ou falso-positivas. O Fluoro-uracil ICN é um irritante: contato com pele e membranas mucosas devem ser evitados. Diretrizes de manuseio do Fluoro-uracil ICN As ampolas de Fluoro-uracil ICN devem ser manuseadas apenas por pessoal treinado. Assim como todos os agentes citotóxicos, precauções devem ser tomadas para se evitar a exposição ao agente, de funcionárias grávidas. A solução ou infusão deve ser preparada em uma área propriamente designada e sobre uma bandeja lavável ou sobre um papel plástico absorvente descartável. Deve-se utilizar proteção para os olhos, luvas descartáveis, máscara e avental descartável. Seringas e material para infusão devem ser cuidadosamente manuseados e montados para evitar vazamentos. Todas as superfícies expostas devem ser limpas, lavando-se em seguida as mãos e o rosto. Todas as agulhas utilizadas devem ser colocadas em recipiente apropriado e todos os outros itens descartáveis colocados em um saco plástico que deve ser incinerado juntamente com o restante do lixo clínico. O excesso de solução não utilizado e ainda dentro das ampolas deve ser absorvido com algodão e duplamente empacotados em sacos de polietileno e incinerados. Primeiros socorros Contato com os olhos: lave imediatamente com água e entre em contato com um médico. Cuidado com a pele: lave com água e sabão e remova toda a roupa contaminada. Inalação, ingestão: procure um médico imediatamente. Estabilidade Não utilizar após a data de vencimento. Armazenamento As ampolas de Fluoro-uracil ICN devem ser armazenadas à temperatura de 15 a 25 0 C. Se um precipitado se formar devido ao armazenamento à baixas temperaturas, convém aquecer cuidadosamente as ampolas até 60 0 C, agitando-as em seguida.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal