Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Mylanta Plus

Mylanta Plus - Bula do remédio

Mylanta Plus com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Mylanta Plus têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Mylanta Plus devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Johnson & Johnson

Apresentação de Mylanta Plus

Suspensão oral nos sabores menta e morango, em frasco com 240 mL, contendo 80 mg/mL de hidróxido de alumínio gel seco, 80 mg/mL de hidróxido de magnésio e 6 mg/mL de simeticona.

USO ORAL
USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 12 ANOS.

COMPOSIÇÃO
Cada mL de MYLANTA® PLUS contém 80 mg de hidróxido de alumínio gel seco (equivalente a 61,2 mg de hidróxido de alumínio), 80 mg de hidróxido de magnésio e 6 mg de simeticona.

Excipientes (sabor menta): ácido cítrico, água purificada, aroma natural de hortelã, essência de limão, metilparabeno, propilparabeno, sacarina sódica di-hidratada e sorbitol .

Excipientes (sabor morango): ácido cítrico, água purificada, aroma artificial de morango, corante vermelho (Ponceau 4R), metilparabeno, propilparabeno, sacarina sódica di-hidratada e sorbitol.

Mylanta Plus - Indicações

Este medicamento é indicado para o alívio sintomático da acidez estomacal, azia e má digestão associadas ao diagnóstico de úlcera péptica, gastrite, esofagite péptica e hérnia de hiato e também para o alívio dos sintomas provocados por gases.

Contra-indicações de Mylanta Plus

MYLANTA® PLUS é contraindicado a pacientes que apresentam hipersensibilidade a qualquer componente de sua fórmula.

Advertências

O hidróxido de alumínio deve ser utilizado com precaução por pacientes que sofreram hemorragia grave do trato gastrintestinal superior.
Pode haver casos em que não haja melhora dos sintomas ou surgir algum sintoma sugestivo de sangramento como fezes escuras ou vômito com aspecto de “borra de café”.
O medicamento deve ser revisto para pacientes tenham doença renal ou siga uma dieta restrita de magnésio.
MYLANTA® PLUS pertence a Categoria C de Risco de fármacos destinados às mulheres grávidas, uma vez que não foram realizados estudos em animais e nem em mulheres grávidas.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Interações medicamentosas de Mylanta Plus

Absorção de captopril, dasatinibe, itraconazol, a rosuvastatina, algumas tetraciclinas, incluindo a doxiciclina, algumas quinolonas como a ciprofloxacina, levofloxacina, norfloxacina e ofloxacina, podem ser prejudicada na presença de hidróxido de alumínio.
Produtos de hidróxido de magnésio podem impedir a absorção de tetraciclinas administrada oralmente. O mecanismo de ação pode ser a quelação de íons de magnésio pela tetraciclina, resultando na formação de um menor composto solúvel que não é facilmente capaz de penetrar na mucosa intestinal.
A classe de fluoroquinolonas, forma quelatos com cátions multivalentes, tais como o magnésio podendo diminuir a biodisponibilidade do medicamento.
As interações podem ser minimizadas dando um intervalo da administração do MYLANTA® PLUS entre 2 a 3 horas antes ou depois do uso destes medicamentos.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Mylanta Plus

Esse medicamento pode causar erupção cutânea, urticária, constipação, diarreia, náusea, vômito, digeusia, queimação na boca e garganta, angioedema e alergia.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - NOTIVISA, disponível em http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Mylanta Plus - Posologia

Uso oral. Agitar bem antes de usar.
Tomar 2 a 4 colheres de chá (10 a 20 mL), de preferência entre as refeições e ao deitar ou conforme orientação médica. Não exceder 12 colheres-medida durante um período de 24 horas e não utilizar a dose máxima por mais de 2 semanas.

Superdosagem

A toxicidade de alumínio ocorre quase que exclusivamente em pacientes que são incapazes de excretar o alumínio, devido ao comprometimento da função renal. Sinais e sintomas incluem hipercalcemia, anemia microcítica reversível que não responde à terapia de reposição de ferro, osteodistrofia renal, encefalopatia progressiva e síndrome do esgotamento fósforo, caracterizada por anorexia, mal-estar e fraqueza muscular.
A ingestão oral de magnésio raramente resulta em toxicidade em pacientes com função renal normal. Sinais de hipermagnesemia normalmente começam a desenvolver com os níveis plasmáticos de cerca de 4 mEq / L (4,8 mg / dL). Os sintomas geralmente se correlacionam com os níveis sanguíneos de magnésio, no entanto, há variabilidade entre os relatos na literatura em pacientes com níveis sanguíneos semelhantes. Os sintomas associados com os níveis sanguíneos entre 4 e 10 mEq / L (4,8 a 12 mg / dL) incluem náuseas, vómitos, rubor facial, sonolência e hipotensão. Os sintomas que aparecem em ou acima dos níveis plasmáticos de 10 mEq /L (12 mg / dL) incluem alterações no ECG, perda de reflexo do tendão, paralisia dos músculos voluntários e depressão respiratória. Cerca de 15 mEq / L (18 mg / dL), parada cardíaca e ataque cardíaco pode ocorrer.
Não há relatos de superdosagem de simeticona.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Características farmacológicas

MYLANTA® PLUS é um medicamento com atividade antiácida, contendo ainda simeticona, um fármaco de ação antiflatulenta. A combinação de hidróxido de alumínio e hidróxido de magnésio permite a neutralização da acidez gástrica para o alívio da dispepsia, refluxo gastroesofágico e doença péptica ulcerosa. Além das suas propriedades antiácidas, o íon alumínio tem ação constipante intestinal, atribuída à sua propriedade adstringente. Essa ação é contrabalançada pelo efeito laxativo osmótico do íon magnésio e a associação a simeticona é importante no tratamento da flatulência e alívio dos sintomas causados pelo refluxo.
O produto contém uma quantidade reduzida de sódio por dose diária.
Duas medidas do produto têm a capacidade de neutralização de 50,8 mEq de ácido.
MYLANTA® PLUS possui rápido início de ação por neutralizar o ácido gástrico logo após ser ingerido. Desta maneira, espera-se alívio rápido.

Propriedades Farmacodinâmicas
O hidróxido de alumínio é lentamente solubilizado no estômago e reage com o ácido clorídrico para formar cloreto de alumínio e a água. O hidróxido de alumínio aumenta o pH do conteúdo do estômago e proporciona alívio da hiperacidez. O hidróxido de alumínio também tem mostrado melhorar a atividade da ciclo-oxigenase da prostaglandina da mucosa que podem mediar um efeito protector.
O hidróxido de magnésio reage com o ácido clorídrico gástrico para formar o cloreto de magnésio e água. Esta reação neutraliza parcialmente o ácido do estômago aumentando o pH do conteúdo do estômago e proporcionando alívio da hiperacidez.
A simeticona atua no estômago e intestino alterando a tensão superficial dos gases e bolhas no muco permitindo que coalesçam. A coalescência das bolhas de gás acelera a passagem de gás através do intestino levando à eructação e flatulência.

Propriedades Farmacocinéticas
A absorção de alumínio é fortemente determinada pelas doses administradas de alumínio, bem como do ambiente físico-químico no trato gastrointestinal e a presença de elementos dietéticos. Depois da reação entre o hidróxido de alumínio e de ácido gástrico, cerca de 17-30% de cloreto de alumínio formado no estômago é absorvida.
Aproximadamente um terço do magnésio administrado oralmente é lentamente absorvido a partir do intestino delgado, no entanto, mas em caso de uma baixa ingestão a absorção de magnésio aumenta. A ingestão dietética normal de magnésio varia geralmente de140-360 mg / dia, com uma absorção intestinal de cerca de 100 mg /d.
A simeticona é uma substância quimicamente inerte, fisiologicamente inativa e não é absorvida pelo trato gastrointestinal.
A maioria (80-90%) de alumínio absorvido torna-se ligado às proteínas séricas (principalmente transferrina). A parte restante está ligada a compostos de baixa massa molecular, especialmente citrato. O alumínio pode acumular nos ossos, pulmão, baço, cérebro e tecido nervoso.
Os níveis de magnésio totais do corpo são cerca de 25 g (1,000 mmol), sendo que metade desse montante está localizado no osso. O restante de magnésio é quase inteiramente intracelular, com apenas 1% localizado no fluido extracelular. Os níveis de magnésio no soro normal está entre o intervalo 1,5-2,5 mEq / l (0,7-1 mmol /l). Cerca de 30% do magnésio no sangue está ligado a proteína, 15% de complexos com fosfato e outros anións, e os restantes estão na forma livre, como magnésio ionizado.
A maior parte do alumínio é excretada por via renal, sendo a excreção biliar a provedora de 2% da eliminação total de alumínio.
A excreção urinária e, assim, a concentração sérica de magnésio, é controlada pela reabsorção renal de filtração, e a excreção líquida é geralmente igual à absorção de líquido. A maior (60%) reabsorção de magnésio é feita por via paracelular no ramo cortical ascendente grosso da alça de Henle e é aumento pelo hormônio da paratireoide e diminuiu a hipercalcemia e hipermagnesemia. Menores quantidades do total filtrado de magnésio são reabsorvidos no túbulo proximal (20%) e túbulo distal (5 - 10%).

Resultados de eficácia

Sherbaniuk et al1 monitorou, em um estudo duplo-cego, a cicatrização e alívio dos sintomas em 38 pacientes com úlcera gástrica tratados por 6 semanas com cimetidina e antiácido (hidróxido de alumínio / hidróxido de magnésio / simeticona). No grupo de antiácido 5 pacientes foram retirados do estudo por motivo de dor, desvio de protocolo e efeitos colaterais. Todos os pacientes do grupo de cimetidina completaram o estudo. Antiácido na dose de 10 mL administrado 4 vezes ao dia é comparável com cimetidina 300 mg administrado 4 vezes ao dia no alívio dos sintomas de úlcera gástrica benigna.
Priebe et al2 avaliou a capacidade de proteção gástrica em um grupo de 75 pacientes doentes com risco de hemorragia aguda no trato gastrintestinal superior randomizados em 2 grupos, o primeiro grupo, com 38 pacientes que receberam cimetidina e o segundo com 37 pacientes que receberam antiácido (hidróxido de alumínio / hidróxido de magnésio / simeticona). Em 7/38 pacientes do grupo de cimetidina ocorreu hemorragia gastrintestinal superior, não ocorrendo em nenhum paciente do grupo de antiácido (p < 0,01).
Concluiu-se que o antiácido é a melhor escolha para evitar este tipo de hemorragia.
Poleski e Spanier3 avaliaram em um estudo randomizado a eficácia de cimetidina versus antiácido (hidróxido de alumínio / hidróxido de magnésio / simeticona) na prevenção de erosão causada por stress em 44 pacientes. Todos os pacientes foram examinados por endoscopia 72 horas após o tratamento. Grau 3 ou 4 de erosão ocorreram em 5/21 pacientes tratados com cimetidina e 8/16 pacientes tratados com antiácido (p > 0,05). O pH gástrico >4 foi mantido em 79,5% do tempo pela cimetidina e 97,9% do tempo pelo antiácido (p < 0,001). Cimetidina e antiácido são equivalentes na prevenção de erosão por stress, enquanto que antiácido é superior em número de horas no controle de pH.
Decktor et al4 em um estudo cruzado, duplo-cego comparou os efeitos de doses únicas orais de 2 antiácidos (hidróxido de alumínio associado com hidróxido de magnésio e outro contendo carbonato de cálcio) e placebo sobre o pH esofágico e gástrico em 83 indivíduos com azia. Os pacientes receberam os medicamentos 1 hora após a refeição. O início da ação do hidróxido de alumínio/magnésio foi mais rápido em 41, mais lento em 13 e idêntico em 29 pacientes em relação ao carbonato de cálcio. Ambas as formulações antiácida aumentaram significativamente o pH esofágico em comparação ao placebo. A duração de ação de hidróxido de alumínio/magnésio no esôfago foi de 82 min e 60 min para carbonato de cálcio (p < 0,05). No estômago, apenas hidróxido de alumínio / hidróxido de magnésio aumenta o pH gástrico em comparação ao placebo, com duração de ação de 26 min. Estes resultados demonstraram a eficácia e relativa superioridade de hidróxido de alumínio / hidróxido de magnésio em comparação com o carbonato de cálcio no aumento do pH esofágico e gástrico. No entanto, a magnitude e duração de ação de ambos os antiácidos no pH esofágico, em contraste com efeitos mínimos no pH gástrico, sugeriram fortemente que o esôfago é o principal local de atividade antiácida no alívio da azia.

Referências bibliográficas
1.Sherbaniuk, R.W., Wensel, R.H., Bailey, R.J., Kirdeikis, P., Fisher, D., Thomson, A.B. Comparative study of cimetidine and MYLANTA II in the 6-week treatment of gastric ulcer. Journal of clinical gastroenterology; Jun(7);3;211-5, 1985.

2.Priebe, H.J., Skillman, J.J., Bushnell, L.S., Long, P.C., Silen, W. Antacid versus cimetidine in preventing acute gastrointestinal bleeding. A randomized trial in 75 critically ill patients. The New England journal of medicine; Feb(302);8;426-30, 1980.

3.Poleski, M.H., Spanier, A.H. Cimetidine versus antacids in the prevention of stress erosions in critically ill patients. The American journal of gastroenterology; Feb(81);2;107-11, 1986.

4.Decktor, D.L., Robinson, M., Maton, P.N., Lanza, F.L., Gottlieb, S. Effects of Aluminum/Magnesium Hydroxide and Calcium Carbonate on Esophageal and Gastric pH in Subjects with Heartburn. Am J Ther. Aug;2(8):546-552, 1995.

Armazenagem

MYLANTA® PLUS deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30°C) e protegido da luz. Este medicamento é válido por 24 meses a partir da data de fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Sabor menta: suspensão branca, sem grumos, com odor e sabor de menta-limão. Sabor morango: suspensão rosa, sem grumos, com odor e sabor de morango.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Dizeres legais

MS – 1.5721.0007
Farmacêutica Responsável: Patricia Meneguello da Silva Carvalho – CRF - SP nº 30.538

Fabricado e Embalado por:
Takeda Pharma Ltda.
Jaguariúna - SP
Indústria Brasileira

Registrado por:
Johnson & Johnson INDUSTRIAL Ltda.
Rod. Presidente Dutra, km 154 - São José dos Campos - SP
CNPJ: 59.748.988/0001-14

Serviços ao Consumidor 0800 728 6767
www.jnjbrasil.com.br

Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas procure orientação médica

Mylanta Plus - Bula para o Paciente

1. PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?
Este medicamento é indicado para o alívio sintomático da acidez estomacal, azia e má digestão associadas ao diagnóstico de úlcera péptica, gastrite, esofagite péptica e hérnia de hiato e também para o alívio dos sintomas provocados por gases.

2. COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
A associação de hidróxido de magnésio e hidróxido de alumínio neutraliza a acidez do estômago de forma rápida e prolongada.
A simeticona age sobre as bolhas de ar diminuindo a quantidade destas reduzindo assim o refluxo gastroesofágico.
MYLANTA® PLUS possui rápido início de ação por neutralizar o ácido gástrico logo após ser ingerido. Desta maneira, espera-se alívio rápido.

3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Você não deve usar MYLANTA® PLUS se tiver alergia a qualquer componente de sua fórmula.

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
O hidróxido de alumínio deve ser utilizado com precaução por pacientes que sofreram hemorragia grave do trato gastrintestinal superior.
Você deve informar a um médico caso não haja melhora dos sintomas ou se surgir algum sintoma sugestivo de sangramento como fezes escuras ou vômito com aspecto de “borra de café”.
Se você estiver amamentando consulte um médico antes de utilizar MYLANTA® PLUS.
Antes de usar o medicamento consulte seu médico caso tenha doença renal ou siga uma dieta restrita de magnésio.
Não tome o medicamento se os sintomas persistirem, exceto sob orientação médica.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Informe seu médico ou farmacêutico se estiver tomando outro medicamento, pois MYLANTA®PLUS pode interagir com certos medicamentos tais como: tetraciclina, captopril, desatinibe, itraconazol, rosuvastatina, doxiciclina, antibióticos de quinolona, ciprofluxacino, levofloxacino, norfloxacino e ofloxacino. Por esse motivo, deve ser administrado 2 a 3 horas antes ou depois do uso destes medicamentos.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
MYLANTA® PLUS deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C) e protegido da luz.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Sabor menta: suspensão branca, sem grumos, com cheiro e sabor de menta-limão. Sabor morango: suspensão rosa, sem grumos, com cheiro e sabor de morango.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo. Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6.COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Uso oral. Agite bem antes de usar.
Tomar 2 a 4 colheres de chá (10 a 20 mL), de preferência entre as refeições e ao deitar ou conforme orientação médica. Não exceda 12 colheres-medida durante um período de 24 horas e não utilize a dose máxima por mais de 2 semanas, exceto sob orientação e supervisão médica.
Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

7.O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
Se você se esquecer de usar uma dose do medicamento e ainda houver necessidade, faça-o assim que se lembrar e então ajuste o horário. Não tome a dose dobrada para compensar a dose esquecida.
Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

8.QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?
Esse medicamento pode causar erupção cutânea, urticária, constipação, diarreia, náusea, vômito, digeusia, queimação na boca e garganta., angioedema e alergia.
Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

9. O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?
A toxicidade por alumínio ocorre quase que exclusivamente toxicidade em pacientes que são incapazes de excretar o alumínio devido ao comprometimento da função renal. Sinais e sintomas incluem hipercalcemia, anemia microcítica reversível que não responde à terapia de reposição de ferro, osteodistrofia renal, encefalopatia progressiva e síndrome do esgotamento fósforo, caracterizada por anorexia, mal-estar e fraqueza muscular.
A ingestão oral de magnésio raramente resulta em toxicidade em pacientes com função renal normal. Os sintomas geralmente se correlacionam com os níveis sanguíneos de magnésio, podendo ocorrer náuseas, vômitos, rubor facial, sonolência e hipotensão, alterações no ECG, perda de reflexo do tendão, paralisia dos músculos voluntários e depressão respiratória. Em casos extremos, parada cardíaca e ataque cardíaco pode ocorrer.
Não há relatos de sintomas relacionados a superdosagem de simeticona.
Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Data da bula

29/09/2014

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal