Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Poliginax

Poliginax - Bula do remédio

Poliginax com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Poliginax têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Poliginax devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Solvay

Apresentação de Poliginax

cx. c/ 12 cáps. vaginais. Creme: cx. c/ 1 bisn. de 60 gramas e 12 aplicadores.

Poliginax - Indicações

No tratamento dos processos infecciosos ginecológicos em geral, acompanhados ou não de leucorréia, tais como: vaginites, vulvovaginites, cervicites e uretrites.

Contra-indicações de Poliginax

Hipersensibilidade aos componentes da fórmula. Indivíduos sensíveis à neomicina podem desenvolver reação cruzada quando expostos à outros aminoglicosídeos.

Advertências

Os componentes de Poliginax não são habitualmente absorvidos pela mucosa vaginal íntegra. Entretanto, recomenda-se cuidado na sua administração às pacientes com doença hepática ou renal e com comprometimento auditivo. O tratamento com Poliginax deverá ser interrompido se for observada irritação ou sensibilização. A candidíase intratável pode ser sintoma de diabetes mellitus não identificada. Portanto, deverão ser realizados exames de urina e glicose sangüínea nas pacientes que não responderem ao tratamento.

Uso na gravidez de Poliginax

Durante os três primeiros meses de gravidez, só deve ser usado quando o médico julgar o tratamento essencial ao bem estar da paciente. Durante a gravidez, o uso do aplicador pode estar contra-indicado, sendo necessária a introdução manual das cápsulas. Neste caso, o médico deverá ser consultado.

Interações medicamentosas de Poliginax

Como os componentes da fórmula não apresentam absorção sistêmica, não há risco de interações com medicamentos de uso sistêmico.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Poliginax

Poliginax é um medicamento de ação local, cujos componentes ativos não apresentam absorção sistêmica através da mucosa vaginal íntegra. As reações adversas decorrentes da sua ação tópica são geralmente raras e incluem irritação e sensibilização vulvovaginais, que podem ser contornadas com duchas vaginais diárias. Considerando a possibilidade de absorção dos componentes ativos, raramente podem ocorrer reações adversas relacionadas aos seus efeitos sistêmicos. A ototoxicidade é a principal limitação para o uso dos aminoglicosídeos. Outras reações adversas comuns a este grupo incluem nefrotoxicidade e bloqueio neuromuscular. A administração de polimixina B pode ocasionar neurotoxicidade e nefrotoxicidade. As reações adversas após a administração oral de nistatina e tinidazol são respectivamente, náuseas, vômitos, câimbras abdominais e rubefação.

Poliginax - Posologia

Poliginax Cápsula vaginal: uma cápsula ao dia, durante 12 dias, de preferência ao deitar-se. Poliginax Creme vaginal: uma medida do aplicador ao dia, durante 12 dias, preferencialmente ao deitar-se. A critério médico, o tratamento pode ser repetido com ou sem intervalo e a dose aumentada para duas aplicações conforme a necessidade e a resposta à terapia.

Superdosagem

Como os componentes da fórmula não apresentam absorção sistêmica, não há risco de superdosagem.

Modo de usar

Os óvulos de Poliginax® não devem ser pressionados quando forem retirados da embalagem. Para tanto, é suficiente puxar suavemente a lâmina de alumínio até que um único óvulo esteja descoberto, conforme ilustração. • Coloque-o na cavidade do aplicador e comprima-o levemente até que se fixe perfeitamente no orifício. • Em seguida, em posição ginecológica, introduza o aplicador na vagina, delicadamente e profundamente e empurre o êmbolo. Após cada aplicação, o aplicador deve ser lavado cuidadosamente em água morna corrente, não devendo ser usada água fervendo. O óvulo de Poliginax® não pode ser partido. Poliginax® Creme Vaginal • Retire a tampa e com o seu verso rompa o lacre da bisnaga, girando a tampa. • Encaixe o aplicador no bico da bisnaga, mantendo o êmbolo na posição original. • Aperte suavemente a bisnaga, do fundo para o bico (de acordo com o desenho), para forçar a saída do creme para o aplicador, até que o mesmo fique travado (já calibrado para 4 gramas). • A seguir, em posição ginecológica, introduza profundamente o aplicador com o creme na vagina, de maneira delicada. • Para liberar a medicação, aperte o êmbolo até a sua posição original.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Uso em pacientes idosas: até o momento não há evidência que sugira que a resposta deste grupo etário seja diferente daquela apresentada por pacientes mais jovens. Uso em crianças: É CONTRA-INDICADO O USO DE Poliginax® EM CRIANÇAS.

Armazenagem

Poliginax® Óvulos deve ser mantido em temperatura ambiente (15°C a 30°C), em local seco e protegido da luz. Poliginax® Creme Vaginal deve ser mantido em temperatura ambiente (15°C a 30°C) e protegido da luz.

Poliginax - Informações

Poliginax é um antiinfeccioso de atividade múltipla, não absorvível nas condições habituais, para uso ginecológico, com ação local, apresentado em forma de creme e de gel, em cápsula vaginal gelatinosa, macia, de superfície lisa, flexível e de fácil introdução. Em função destas características, a forma em cápsula vaginal pode ser usada no pós-cautério, após cirurgias ginecológicas, assim como em mulheres grávidas. Dos componentes da associação, a neomicina e a polimixina B são bactericidas de ação local, de amplo espectro, que agem sobre germes gram+ e gram- como: Escherichia coli, Proteus spp., Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, Streptococcus faecalis, Klebsiella spp. e Enterobacter spp.. A nistatina é um fungistático e fungicida de ação local, atuando eficazmente sobre a Candida albicans. O tinidazol é um tricomonicida que tem demonstrado ser muito eficaz no tratamento das infecções provocadas por Trichomonas vaginalis. Na formulação foi introduzida ainda a dimeticona, silicone de baixa tensão superficial, que confere grande poder de penetração e difusão dos princípios ativos pelas reentrâncias da cavidade vaginal, incluindo as glândulas de Skene e Bartholin, bem como de proteção da mucosa inflamada, eliminando o prurido e a sensação de queimação.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal