Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Serenata

Serenata - Bula do remédio

Serenata com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Serenata têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Serenata devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Torrent

Referência

Sertralina

Apresentação de Serenata

Apres. em caixas c/ 2 blísters c/ 10 compr. de 50mg.

Contra-indicações de Serenata

O uso concomitante em pacientes utilizando inibidores da monoaminoxidase (IMAO) é contraindicado (vide Advertências e Precauções-). Serenata 50 mg é contra-indicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade à Sertralina ou aos componentes de sua fórmula.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Serenata

Em estudos com doses múltiplas de Serenata 50 mg as reações adversas que ocorreram com freqüência significativamente maior em relação ao placebo foram: boca seca, náusea, diarréia, fezes amolecidas, disfunção sexual masculina (principalmente retardo na ejaculação), tremor, tontura, insônia, sonolência, sudorese e dispepsia. Relatos voluntários de efeitos adversos associados temporariamente com Serenata 50 mg que têm sido constatados desde a introdução do medicamento no mercado e que podem não estar relacionados com a droga incluem: distúrbios motores (como sintomas extrapiramidais e distúrbios da marcha), convulsões, irregularidades menstruais, hiperprolactinemia, galactorréia, erupção cutânea (incluindo raros casos de eritema multiforme) e, raramente, pancreatite e eventos hepáticos sérios (incluindo hepatite, icterícia e insuficiência hepática). Raros casos de síndrome de abstinência foram relatados. Assim como ocorre com outros antidepressivos, os seguintes efeitos adversos têm sido raramente relatados e não podem ser distinguidos da história natural da doença de base: parestesia, hipoestesia, sintomas depressivos, alucinações, reações agressivas, agitação, ansiedade e psicose. Elevações assintomáticas nas transaminases séricas (AST e ALT) foram raramente relatadas (aproximadamente 0,8) em associação com a administração de Serenata 50 mg. As anormalidades geralmente ocorreram dentro das primeiras nove (9) semanas de tratamento e diminuíram rapidamente após a descontinuação da droga. Raros casos de hiponatremia foram relatados e pareceram reversíveis quando Serenata 50 mg foi descontinuado. Alguns casos foram provavelmente devidos à síndrome de secreção inapropriada do hormônio antidiurético. A maioria dos casos ocorreu em pacientes mais idosos e pacientes que faziam uso de diuréticos ou outras medicações concomitantes. Casos raros de alteração na função das plaquetas e/ou resultados clínicos laboratoriais anormais em pacientes utilizando Sertralina foram relatados. Apesar de ter havido relatos de sangramentos anormais ou púrpura em vários pacientes utilizando Sertralina, é imprecisa a relação causal da Sertralina. O perfil de efeitos adversos normalmente observado em estudos duplo-cego, placebo-controlado em pacientes com transtorno obsessivo compulsivo (TOC) e transtorno do pânico foi semelhante ao observado em experiências clínicas em pacientes com depressão.

Serenata - Posologia

Serenata 50 mg deve ser administrado em dose única diária, pela manhã ou à noite. Serenata 50 mg pode ser administrado com ou sem alimentos. Tratamento Inicial Depressão e TOC: O tratamento com Serenata 50 mg deve ser feito com uma dose de 50 mg/dia. Transtorno do Pânico e Transtorno do Stress Pós Traumático (TSPT): O tratamento deve iniciar a 25 mg/dia, aumentando para 50 mg/dia após uma semana. Este regime de dosagem tem demonstrado reduzir a frequência de efeitos colaterais emergentes no início do tratamento, característicos do transtorno do pânico. Síndrome da Tensão Pré-Menstrual (STPM) e Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM): O tratamento deve ser iniciado com 50 mg/dia, podendo-se adotar o tratamento contínuo (durante todo o ciclo menstrual) ou apenas durante a fase lútea do ciclo, de acordo com orientação médica. Titulação Depressão, TOC, Transtorno do Pânico, Transtorno do Stress Pós Traumático: Os pacientes que não responderem à dose de 50 mg, podem ser beneficiados com um aumento da dose. As alterações nas doses devem ser realizadas com um intervalo mínimo de 1 semana, até a dose máxima recomendada de Sertralina que é de 200 mg/dia. O início dos efeitos terapêuticos pode ocorrer dentro de 7 dias. Entretanto, períodos maiores são usualmente necessários, especialmente em TOC. Síndrome da Tensão Pré-Menstrual (STPM) e Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM): uma vez que a relação entre dose e efeito ainda não foi estabelecida para o tratamento dos sintomas da Síndrome da Tensão Pré-Menstrual e/ou Transtorno Disfórico Pré-Menstrual, as pacientes que participaram dos estudos clínicos foram tratadas com doses variando entre 50-150 mg/dia, com aumentos de dose a cada novo ciclo menstrual. As pacientes que não estiverem obtendo resultados com a dose de 50 mg/dia, podem ser beneficiadas com aumentos de dose (incrementos de 50 mg a cada ciclo menstrual), até um máximo de 150 mg/dia quando administrado diariamente durante todo o ciclo menstrual, ou até um máximo de 100 mg/dia quando administrado somente durante a fase lútea do ciclo. Se a dose de 100 mg/dia for estabelecida para a fase lútea, titulações equivalentes a 50 mg/dia, por três dias, devem ser utilizadas no início do tratamento de cada fase lútea do ciclo. Manutenção A dose de Serenata 50 mg durante a terapia de manutenção prolongada deverá ser mantida com a menor dose eficaz, com subseqüentes ajustes dependendo da resposta terapêutica. Uso em Crianças A segurança e a eficácia do uso da Sertralina foi estabelecida para pacientes pediátricos (com idades variando entre 6 a 17 anos) apenas para o tratamento do TOC. A administração de Sertralina em pacientes pediátricos com idades variando entre 13 a 17 anos, deve começar com 50 mg/dia. O tratamento de pacientes pediátricos com idades variando entre 6 e 12 anos, deve começar com 25 mg/dia e aumentar para 50 mg/dia após uma semana. No caso de ausência de resposta clínica, a dose pode ser subseqüentemente aumentada em incrementos de 50 mg/dia, até 200 mg/dia, se necessário. Em um estudo clínico com pacientes com idades variando entre 6 a 17 anos, com depressão ou TOC, a Sertralina mostrou um perfil farmacocinético similar àquele observado em adultos. Entretanto, o menor peso corpóreo de uma criança, quando comparado ao de um adulto, deve ser considerado quando se pensar em aumentar a dose de 50 mg, a fim de se evitar uma dosagem excessiva. Titulação em Crianças e Adolescentes: Uma vez que a meia-vida de eliminação da Sertralina é de aproximadamente 24 horas, as mudanças de dosagem não devem ocorrer em intervalos menores que uma semana. Uso em Idosos A mesma dosagem indicada para pacientes mais jovens pode ser utilizada em pacientes idosos. Mais de 700 pacientes idosos (idade superior a 65 anos) participaram de estudos clínicos que demonstraram a eficácia da Sertralina nesta população de pacientes. O padrão e incidências de reações adversas nos idosos foram similares aos observados em pacientes mais jovens. Uso na Insuficiência Hepática O uso da Sertralina em pacientes com doença hepática deve ser feito com cuidado. Uma dose menor ou menos freqüente deve ser considerada para pacientes com insuficiência hepática (vide Advertências e Precauções-). Uso na Insuficiência Renal A Sertralina é extensamente metabolizada. A excreção da droga inalterada na urina é uma via de eliminação pouco significativa. De acordo com a baixa excreção renal da Sertralina, as doses de Sertralina não precisam ser ajustadas com base no grau de insuficiência renal (vide Advertências e Precauções-).

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal