FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Vitergan Pre-natal

Vitergan Pre-natal - Bula do remédio

Vitergan Pre-natal com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Vitergan Pre-natal têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Vitergan Pre-natal devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Marjan

Apresentação de Vitergan Pre-natal

Comprimidos revestidos em embalagem com 10 e 30 comprimidos.

Vitergan Pre-natal - Indicações

Este medicamento é destinado à suplementação vitamínico-mineral na gravidez e na lactação, principalmente quando existe quadro de anemia. Também é empregado em pacientes em regimes dietéticos com carência de ferro devido a sucessivas gestações. Poderá ser utilizado em situações em que há aumento na utilização de vitaminas, doenças febris prolongadas e hipertireoidismo.

Contra-indicações de Vitergan Pre-natal

Vitergan Pré-Natal é contraindicado para pacientes que apresentam hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula; para pacientes que apresentam insuficiência hepática ou renal, úlcera péptica, hipotensão acentuada e durante o tratamento com retinoides.

Este medicamento é contraindicado para menores de 14 anos.
De acordo com a categoria de risco de fármacos destinados às mulheres grávidas, este medicamento apresenta a categoria de risco D.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Advertências

Em caso de hipersensibilidade ao produto, recomenda-se descontinuar o uso. Não ingerir doses maiores que as recomendadas.
Vitergan Pré-Natal não é recomendado para o tratamento de anemia perniciosa, uma vez que o ácido fólico pode mascarar seus sintomas. Recomenda-se que nenhum medicamento seja ingerido sem o prévio aconselhamento médico. Vitergan Pré-Natal não é recomendado para pacientes em tratamento de câncer, pois o ácido fólico e a vitamina C presentes no medicamento interferem na ação do metotrexato, podendo prejudicar o tratamento. Entretanto, quando usado em baixas doses, como, por exemplo, para o tratamento de artrite reumatoide, o ácido fólico pode minimizar os efeitos colaterais de metotrexato, sem reduzir sua eficácia.
A vitamina A em doses superiores a 10.000UI/dia durante a gestação pode causar teratogenicidade e embriotoxidade. O uso de magnésio em pacientes que apresentam insuficiência renal pode aumentar o risco de hipermagnesemia.
A vitamina B3 pode causar toxicidade hepática e o manganês deve ser consumido com cautela em pacientes com insuficiência hepática, pois este pode se acumular e se tornar tóxico.
Pacientes com hipercalcemia devem evitar o uso concomitante deste medicamento com digoxina, pois pode haver um risco maior de arritmias fatais.
Não há restrições específicas para o uso de Vitergan Pré-Natal em idosos, desde que observadas as contraindicações e advertências comuns ao medicamento.

Este medicamento é contraindicado para menores de 14 anos.
De acordo com a categoria de risco de fármacos destinados às mulheres grávidas, este medicamento apresenta a categoria de risco D.



Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Interações medicamentosas de Vitergan Pre-natal

Interações Vitergan Pré-Natal – medicamentos
Interações vitamina A - medicamentos
Se consumida em altas doses, a vitamina A poderá aumentar o risco de doenças hepáticas no uso concomitante a drogas hepatotóxicas e o risco de sangramento quando administrada com varfarina. A absorção de vitamina A pode ser diminuída com o consumo concomitante de neomicina.

Interações vitamina B2 - medicamentos
Os contraceptivos orais podem interferir na absorção de vitamina B2, ou na sua conversão a formas ativas.

Interações vitamina B3 – medicamentos
Pessoas com frequentes ataques de gota, apesar da terapia uricosúrica, devem evitar o uso de vitamina B3. A vitamina B3também pode agravar a resistência à insulina em pacientes diabéticos.

Interações vitamina B6 - medicamentos
Cicloserina e isoniazida aumentam a excreção urinária de vitamina B6. Os estrógenos podem reduzir os níveis plasmáticos de fosfato piridoxal e a penicilamina inibe a atividade desta vitamina.

Interações vitamina B9 - medicamentos
Fenitoína, fenobarbital, primidona, aspirina, cicloserina, metotrexato e enzimas pancreáticas reduzem os níveis de ácido fólico, enquanto que o ácido aminosalicílico, antiácidos, colestiramina, estrogênios, bloqueadores H2, e a carbamazepina reduzem sua absorção. A excreção do ácido fólico está aumentada quando há administração de diuréticos e sua absorção pode ser diminuída em tratamentos com metformina. A suplementação com ácido fólico pode antagonizar os efeitos do tratamento com pirimetamina.

Interações vitamina B12 - medicamentos
A absorção de vitamina B12 pode estar reduzida quando há administração concomitante com ácido aminosalicílico, colchicina, neomicina e fenitoína. A metformina pode reduzir os níveis séricos de vitamina B12, enquanto que os antibióticos aumentam sua excreção renal.

Interações vitamina C - medicamentos
Pacientes com falência renal que administram alumínio cronicamente devem evitar a suplementação de vitamina C em doses acima do IDR, pois esta pode aumentar a quantidade de alumínio absorvida. A vitamina C também ocasiona aumento nos níveis plasmáticos de estrógeno acima de 55% quando administrado concomitantemente com contraceptivos orais e terapias hormonais. A vitamina C também parece reduzir em 14% os níveis de indinavir. A absorção intestinal de vitamina C pode estar reduzida quando administrada concomitantemente com estrógenos, enquanto que sua eliminação pode estar aumentada quando administrada com aspirina.



Interações vitamina D - medicamentos
A hipercalcemia ocasionada por altas doses de vitamina D aumenta o risco de arritmias cardíacas com digoxina, pode reduzir a efetividade de verapamil e diltiazem. Diuréticos tiazídicos podem causar hipercalcemia quando associados à suplementação de vitamina D por diminuírem a excreção urinária de cálcio. A absorção de vitamina D pode estar diminuída quando em tratamento com: colestiramina, colestipol, óleos minerais e orlistate. Já o carbamazepino, fenobarbital, fenitoína e a rifampicina aumentam o metabolismo desta vitamina. O consumo de vitamina D pode melhorar os níveis de magnésio em pessoas com baixos níveis de vitamina D e alumínio.

Interações cálcio - medicamentos
Os antibióticos tetraciclinas e quinolonas podem ter sua absorção reduzida quando administrados junto com cálcio. O mesmo pode ocorrer com os bisfosfonatos e a levotiroxina. A hipercalcemia aumenta os riscos de arritmias fatais com a digoxina, além de poder reduzir a eficácia de verapamil. Enquanto o estrogênio aumenta a absorção do cálcio em mulheres na pós-menopausa, os diuréticos tiazídicos reduzem a excreção renal deste elemento. A absorção do cálcio pode ser reduzida quando administrado concomitantemente com: anticonvulsivantes, corticosteroides e inibidores de bomba de próton, sendo este último por alteração do pH gástrico. Colestiramina, óleos minerais e laxativos reduzem a absorção tanto do cálcio quanto da vitamina D, importante para a absorção intestinal do cálcio. Os sais de alumínio e os corticosteroides também podem aumentar a excreção renal de cálcio.

Interações cobre - medicamentos
A absorção do cobre pode estar reduzida quando administrado com penicilamina.

Interações ferro - medicamentos
O ferro pode reduzir a absorção dos bisfosfonatos, da levotiroxina, penicilina e metildopa, prejudicando estes tratamentos. A absorção do ferro pode estar reduzida quando administrado concomitantemente com: antiácidos e enzimas pancreáticas por alteração do pH gástrico; quinolonas e tetraciclinas pela formação de complexos que também podem reduzir a absorção destas drogas; colestiramina e penicilina.

Interações iodo - medicamentos
O uso de medicamentos para hipertireoidismo associado a iodo pode causar hipotiroidismo.

Interações magnésio - medicamentos
A absorção de magnésio está reduzida quando administrado concomitantemente com contraceptivos orais (estrogênio), enquanto que sua excreção renal estará aumentada se administrado com agonistas beta-2 e insulina. Magnésio forma complexos com fluoroquinolonas, tetraciclinas e bisfosfonatos reduzindo a absorção tanto das drogas quanto do cátion.

Interações Vitergan Pré-Natal – substâncias químicas


Álcool - A ingestão crônica de álcool pode potencializar os efeitos adversos da vitamina A, principalmente a hepatotoxicidade, prejudicar a metabolização do magnésio pelos rins e diminuir a absorção da vitamina B12 pelo trato gastrintestinal.
Nicotina e tabaco - Diminuem os níveis plasmáticos de vitamina C no organismo e aumentam a absorção intestinal de cálcio.

Interações Vitergan Pré-Natal – alimentos
A gordura presente na alimentação aumenta a absorção de vitamina A. Não se recomenda a administração do medicamento com chás e/ou café, pois a absorção da vitamina B1 e ferro pode estar prejudicada. Recomenda-se a administração com água. Além disso, a cafeína também pode aumentar a excreção do cálcio. Alguns constituintes das fibras podem inibir a absorção do cálcio, portanto a administração de suplementos de cálcio e a ingestão de alimentos ricos em fibras deve apresentar intervalo de aproximadamente 2 horas. Suplementos de cálcio podem aumentar a absorção de ferro, zinco e magnésio provenientes da dieta em pacientes com baixas quantidades destes elementos.

Interações Vitergan Pré-Natal – exames laboratoriais
Interações vitamina A – exames laboratoriais
A vitamina A pode aumentar os níveis de hemoglobina em pessoas com anemia e baixos níveis séricos de retinol. Também pode apontar falso aumento no resultado de testes de bilirrubina usando reagente de Ehrlich.

Interações vitamina B1 – exames laboratoriais
A vitamina B1 pode causar resultados falso-positivos nos testes de determinação de ácido úrico pelo método de fosfotungstato, e nos exames de urina para urobilinogênio com reagente de Ehrlich.

Interações vitamina B2 – exames laboratoriais
A vitamina B2 pode falsamente aumentar os níveis séricos do acetoacetato descarboxilase; de catecolaminas e urobilinogênio nos testes fluorimétricos.
Altas quantidades de vitamina B2 (200 mg duas vezes ao dia) podem causar erros nos resultados dos ensaios Abbott TDx (abuso de drogas).

Interações vitamina B3 – exames laboratoriais
A vitamina B3 pode falsamente aumentar os níveis de catecolaminas em ensaios de urina pelo método fluorimétrico. Resultado falso-positivo poderá ser observado para glicose em testes de urina pelo método de Benedict. A vitamina B3pode aumentar as concentrações séricas de bilirrubina, alanina aminotransferase, aspartato aminotransferase e lactato desidrogenase. Quando consumida em altas doses, poderá haver aumento dos níveis de homocisteína.

Interações vitamina B6 – exames laboratoriais
A vitamina B6 pode causar um resultado falso-positivo no teste com reagente de Ehrlich para urobilinogênio.



Interações vitamina C – exames laboratoriais
Altas quantidades de ácido ascórbico podem causar um falso aumento nos resultados de testes séricos da aspartato aminotransferase, de bilirrubina, de dosagem de carbamazepina e de creatinina; falso aumento nos resultados de glicose de testes de urina medidos pelo método de redução de cobre e uma falsa diminuição nos resultados medidos pelo método de glicose oxidase; diminuição nas concentrações séricas de ácido úrico e nos resultados dos testes medidos pelo método de ensaios enzimáticos. A vitamina C pode aumentar a absorção de ferro e medidas dos níveis de ferro, tais como ferro sérico e ferritina; causar um falso-negativo nos resultados de exames de urina com métodos baseados em hidrólises e formação de um cromógeno indofenol.

Interações cálcio – exames laboratoriais
Íons de cálcio podem falsamente reduzir os resultados de testes quando a medição de lipase está abaixo de 5mmol/L usando o método de Teitz.

Interações ferro – exames laboratoriais
O ferro pode gerar resultado falso-positivo no exame oculto nas fezes.

Interações iodo – exames laboratoriais
O consumo excessivo de iodo pode diminuir os níveis séricos dos hormônios da tireoide e resultar em elevados níveis de TSH.

Interações magnésio – exames laboratoriais
Sais de magnésio podem causar um falso aumento nos níveis séricos de cálcio e de fosfatase alcalina. Oralmente, o magnésio pode normalizar arritmias e leituras de eletrocardiogramas em alguns pacientes com angina.

Interações manganês – exames laboratoriais
O manganês, em combinação com cálcio, zinco e cobre, pode melhorar os resultados dos testes de densidade óssea mineral em pacientes com osteoporose.

Interações Vitergan Pré-Natal – doenças
Interações vitamina A – doenças
Em casos de infecções intestinais, tais como ascaridíase, giardíase e salmonelose, e em casos de doença celíaca, fibrose cística, doenças pancreáticas e cirrose há redução na absorção de vitamina A. Pacientes com doenças hepáticas podem ter aumento no risco de hipervitaminose e hepatotoxicidade, especialmente se houver um consumo excessivo de vitamina A.

Interações vitamina B2 – doenças
Em pacientes com hepatite, cirrose e obstrução biliar, a absorção de vitamina B2 está diminuída.

Interações vitamina B3 – doenças
A vitamina B3 pode exacerbar os quadros alérgicos por causar liberação de histamina, pode causar hiperuricemia, se acumular em pacientes com doenças nos rins e, causar hipotensão.


Em altas quantidades pode aumentar o risco de arritmias cardíacas e exacerbar as doenças da vesícula biliar, e ativar doenças de úlceras pépticas.

Interações vitamina B9 – doenças
O ácido fólico pode mascarar a anemia perniciosa por reduzir a anemia megaloblástica.
O ácido fólico pode exacerbar as convulsões em pacientes com patologia reconhecida, particularmente em doses elevadas. Doses menores que 1000mcg raramente foram associadas ao aumento da atividade de convulsões.

Interações vitamina B12 – doenças
A correção de anemia megaloblástica com vitamina B12 pode resultar em uma fatal hipocalemia e gota em indivíduos susceptíveis, além de mascarar a deficiência de folato em anemia megaloblástica. Use essa combinação com cautela.

Interações vitamina C – doenças
As vitaminas antioxidantes, tais como a vitamina C, E e betacaroteno, podem ter efeitos prejudiciais em pacientes após angioplastia. Pacientes com câncer só devem consumir altas doses de vitamina C sob acompanhamento médico. Pacientes diabéticos devem administrar a vitamina C com cuidado, pois esta pode afetar a glicogenólise e aumentar o açúcar no sangue.
Altas quantidades de vitamina C podem aumentar o risco da formação de pedras de oxalato, e diminuir o pH sanguíneo.

Interações vitamina D – doenças
A vitamina D pode aumentar os níveis de cálcio em pacientes com hiperparatireoidismo, linfoma, histoplasmose, saicoidose, tuberculose, e doenças renais além de piorar a hipercalcemia. A hipercalcemia pode contribuir para arteriosclerose, particularmente com doenças renais. A suplementação de vitamina D deve ser cautelosa nesses casos.

Interações cálcio – doenças
Hiperparatireiodismo pode aumentar a absorção do cálcio. Pacientes com níveis elevados de fosfato devem administrar estes suplementos com cautela para evitar a precipitação de fosfato de cálcio nos tecidos moles, assim como pacientes com hipofosfatemia que podem ter seu quadro piorado. Na sarcoidose o risco de hipercalcemia está aumentado.

Interações cobre – doenças
Pacientes que apresentem intoxicação idiopática de cobre e doenças de Wilson podem ter suas condições pioradas quando há suplementação com cobre.

Interações ferro – doenças
A absorção do ferro é prejudicada quando a acidez estomacal está reduzida e em pacientes submetidos à hemodiálise continua. O ferro pode causar irritação e exacerbar as condições da gastroenterite e da úlcera péptica. A sobrecarga de ferro é provável de ocorrer em pacientes com doenças relacionadas à hemoblogina ou outras anemias, erroneamente diagnosticadas como anemia por deficiência de ferro.



Interações iodo – doenças
O uso prolongado ou excessivas quantidades de iodo pode causar ou exacerbar hiperplasia da glândula da tireoide e hipotireoidismo.

Interações magnésio – doenças
O uso de magnésio em pacientes que apresentam doenças renais pode aumentar o risco de hipermagnesemia.

Interações manganês – doenças
Pacientes que apresentam doença hepática crônica podem acumular manganês, o qual pode se tornar tóxico.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Vitergan Pre-natal

O uso de Vitergan Pré-Natal geralmente é bem tolerado, mas alguns pacientes podem apresentar os seguintes sintomas ao utilizá-lo:
Distúrbios Cutâneos: angioedema; hemorragia cutânea e da mucosa; urticária; rubor; reações alérgicas; dermatite. Distúrbios Endócrinos: perda de apetite.
Distúrbios Gastrintestinais: irritações e obstruções gastrintestinais; náusea; vômito; diarreia; dor abdominal; constipação; flatulência; cólica; esofagite; azia.
Distúrbios hematológicos: eosinofilia. Distúrbios Musculares: fadiga.
Distúrbios do Sistema Nervoso: cefaleia, insônia; sonolência. Outros: Febre, artralgia; coloração amarelo-alaranjada da urina.
A vitamina C pode causar precipitação de urato, oxalato ou outras drogas no trato urinário. Niacina pode causar hiperglicemia, tolerância anormal de glicose, glicosúria e hiperuricemia.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Vitergan Pre-natal - Posologia

Uso oral. Os comprimidos revestidos devem ser ingeridos inteiros e sem mastigar com quantidade suficiente de água para que sejam deglutidos.
Posologia: ingerir 1 comprimido ao dia ou a critério médico.
Utilizar apenas a via oral. O uso deste medicamento por outra via, que não a oral, pode causar a perda do efeito esperado ou mesmo promover danos ao seu usuário.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.

Superdosagem

A superdosagem do medicamento pode ocasionar os seguintes sintomas:
Distúrbios Cardiovasculares e Respiratórios: hipotensão; colapsos cardiovasculares; arritmia cardíaca; tosse; edema pulmonar; coriza; espirros; depressão respiratória.
Distúrbios Cutâneos: erupções cutâneas.
Distúrbios Endócrinos: perda de apetite; sede; febre.
Distúrbios Gastrintestinais: náusea; vômito; flatulência; dores abdominais; constipação; diarreia comum e/ou com sangue; gosto metálico e/ou amargo na boca; queimação na boca e na garganta; aumento da saliva.
Distúrbios Hematológicos: azotemia.
Distúrbios Musculares / ósseos: fraqueza muscular; fadiga; dor muscular; dor óssea.
Distúrbios do Sistema Nervoso: sonolência; cefaleia; mal-estar; apatia; irritabilidade; confusão; perda de reflexos; alteração do padrão do sono; excitabilidade; exacerbação da frequência de tonturas e comportamento psicótico. Distúrbios Urogenitais: poliúria; redução no fluxo menstrual.


Outros: dor nos dentes ou na gengiva; irritação nos olhos; depleção de zinco; unhas quebradiças; gengivites; perda de cabelo.
Altas quantidades de vitamina B2 (200 mg duas vezes ao dia) podem causar erros nos resultados dos ensaios Abbott TDx.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

Características farmacológicas

As necessidades nutricionais estão aumentadas durante a gestação e lactação. A associação dos nutrientes e minerais presentes no medicamento permite a suplementação às necessidades nutricionais da mulher durante a gestação e lactação (Sneed 1981), pois fornece elementos vitamínicos suficientes para o adequado desenvolvimento da gestação (Ladipo 2000) e crescimento e desenvolvimento saudável ao feto (Ladipo 2000; Botto 2003).
Vitergan Pré-Natal também apresenta em sua formulação o ácido fólico que previne o aparecimento de anemias do tipo macrocíticas durante o período de gravidez e lactação.

Resultados de eficácia

Até o momento não há estudos que avaliem a eficácia de associações vitamínicas. A eficácia e ação dos componentes de associações são avaliadas através de estudos específicos para cada componente, sejam eles in vivo ou in vitro.

Armazenagem

Vitergan Pré-Natal deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15° e 30° C). Proteger da luz e umidade.
Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não utilize medicamentos com o prazo de validade vencido.

Para sua segurança, mantenha o medicamento na embalagem original.
Os comprimidos revestidos de Vitergan Pré-Natal são alongados de cor salmão.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Dizeres legais

Reg. M.S. nº: 1.0155.0203
Farmacêutica Responsável: Regina Helena Vieira de Souza Marques
CRF/SP nº 6394

Registrado e Fabricado por: Marjan Indústria e Comércio Ltda.
Rua Gibraltar, 165 • Santo Amaro – São Paulo/SP • CEP: 04755-070
CNPJ nº 60.726.692/0001-81
Indústria Brasileira
SAC 0800 55 45 45

Vitergan Pre-natal - Bula para o Paciente

1. PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?
Este medicamento é destinado à suplementação vitamínico-mineral na gravidez e na lactação, principalmente quando existe quadro de anemia. Também é empregado em pacientes em regimes dietéticos com carência de ferro devido a sucessivas gestações. Poderá ser utilizado em situações em que há aumento na utilização de vitaminas, doenças febris prolongadas e hipertireoidismo.



2. COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
Este medicamento é formulado para atender às necessidades aumentadas de vitaminas e minerais da mulher durante a gestação e a lactação.

3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Você não deve tomar Vitergan Pré-Natal se tiver hipersensibilidade (alergia) a qualquer um dos componentes da fórmula, se você tiver insuficiência hepática ou renal, úlcera péptica ou hipotensão acentuada e se você estiver fazendo tratamento com retinoides.

Este medicamento é contraindicado para menores de 14 anos.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE UTILIZAR ESTE MEDICAMENTO?
Em caso de hipersensibilidade ao produto, recomenda-se descontinuar o uso. Você não deve ingerir doses maiores que as recomendadas.
Vitergan Pré-Natal não é recomendado para o tratamento de anemia perniciosa, uma vez que o ácido fólico pode mascarar seus sintomas. Recomenda-se que nenhum medicamento seja ingerido sem o prévio aconselhamento médico. Vitergan Pré-Natal não é recomendado para pacientes em tratamento de câncer, pois o ácido fólico e a vitamina C presentes no medicamento interferem na ação do metotrexato, podendo prejudicar o tratamento. Entretanto, quando usado em baixas doses, como, por exemplo, para o tratamento de artrite reumatoide, o ácido fólico pode minimizar os efeitos colaterais de metotrexate, sem reduzir sua eficácia.
A vitamina A em doses superiores à 10.000UI/dia durante a gestação pode causar teratogenicidade e embriotoxidade. O uso de magnésio em pacientes que apresentam insuficiência renal pode aumentar o risco de hipermagnesemia.
A vitamina B3 pode causar toxicidade hepática e o manganês deve ser consumido com cautela em pacientes com insuficiência hepática, pois este pode se acumular e se tornar tóxico.
Pacientes com hipercalcemia devem evitar o uso concomitante deste medicamento com digoxina, pois pode haver um risco maior de arritmias fatais.
Não há restrições específicas para o uso de Vitergan Pré-Natal em idosos, desde que observadas as contraindicações e advertências comuns ao medicamento.

Este medicamento é contraindicado para menores de 14 anos.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Interações medicamentosas:
Interações Vitergan Pré-Natal – medicamentos
Os tratamentos com: alumínio, bisfosfonatos, contraceptivos orais, diltiazem, estatinas associadas à neomicia, indinavir, metildopa, penicilina, penilicamina, pirimetamina, quinolonas, terapia uricosúrica, tetraciclinas e verapamil podem estar prejudicados quando administrados concomitantemente com Vitergan Pré-Natal.


Os seguintes medicamentos poderão alterar a farmacocinética (absorção, distribuição, metabolização e/ou eliminação) de um ou mais componentes de Vitergan Pré-Natal. São eles: ácido aminosalicílico, agonistas beta-2, aminoglicosídeos, antiácidos, antibióticos, anticonvulsivantes, aspirina, bloqueadores H2, carbamazepina, cicloserina, cisplatina, colestiramina, colchicina, contraceptivos orais, corticosteroides, diuréticos tiazídicos, enzimas pancreáticas, estrogênios, fenitoína, fenobarbital, fluconazol, inibidores da bomba de próton, insulina, isoniazida, laxativos, levodopa, metformina, metilxantinas, metotrexato, neomicina, óleos minerais, orlistate, penicilina, penicilamina, primidona, rifampicina e sais de alumínio.
Se administrado concomitantemente com os seguintes medicamentos, o risco de aparecimento de reações adversas pode estar aumentado: drogas hepatotóxicas, varfarina, digoxina, inibidores da ECA, bloqueadores dos receptores de angiotensina e diuréticos.

Interações Vitergan Pré-Natal – substâncias químicas
Álcool - a ingestão crônica de álcool pode potencializar os efeitos adversos da vitamina A, principalmente a hepatotoxicidade, prejudicar a metabolização do magnésio pelos rins e diminuir a absorção da vitamina B12 pelo trato gastrintestinal.
Nicotina e tabaco - Diminuem os níveis plasmáticos de vitamina C no organismo e aumentam a absorção intestinal de cálcio.

Interações Vitergan Pré-Natal – alimentos
A gordura presente na alimentação aumenta a absorção de vitamina A. Não recomenda-se a administração do medicamento com chás e/ou café pois a absorção da vitamina B1 e ferro pode estar prejudicada. Recomenda-se a administração com água. Além disso, a cafeína também pode aumentar a excreção do cálcio. Alguns constituintes da fibra podem inibir a absorção do cálcio, portanto a administração de suplementos de cálcio e a ingesta de alimentos ricos em fibras deve apresentar intervalo de aproximadamente 2 horas. Suplementos de cálcio podem aumentar a absorção de ferro, zinco e magnésio provenientes da dieta em pacientes com baixas quantidades destes elementos.

Interações Vitergan Pré-Natal – exames laboratoriais
Quando em tratamento com Vitergan Pré-Natal, alguns exames laboratoriais poderão apresentar alterações (resultados falsos ou tendenciosos): dosagem dos níveis sanguíneos de glicose, hemoglobina, bilirrubina, ácido úrico, urobilinogênio, catecolaminas, creatinina, níveis de ferro e cálcio e de algumas enzimas.
O ferro pode gerar resultado falso-negativo no exame de sangue oculto nas fezes.

Interações Vitergan Pré-Natal – doenças
A administração de Vitergan Pré-Natal pode exacerbar os sintomas ou condições de algumas doenças: doenças hepáticas, quadros alérgicos, doenças da vesícula biliar, úlcera péptica intoxicação por cobre e doenças de Wilson.
Por outro lado, algumas doenças podem afetar a metabolização dos componentes de Vitergan Pré-Natal, influindo em seus níveis plasmáticos, absorção, excreção e/ou metabolização. São elas: hepatite, cirrose, obstrução biliar, hiperparatireoidismo, linfoma, histoplasmose, saicoidose, tuberculose, doenças renais e casos em que a acidez estomacal está diminuída.


O ácido fólico pode mascarar a anemia perniciosa. Altas quantidades de vitamina C podem aumentar o risco de formação de pedras de oxalato.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Você deve conservar Vitergan Pré-Natal em temperatura ambiente (entre 15° e 30° C). Proteger da luz e umidade.
Este medicamento tem validade de 24 meses a partir da data de sua fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não utilize medicamentos com o prazo de validade vencido.

Para sua segurança, mantenha o medicamento na embalagem original.
Os comprimidos revestidos de Vitergan Pré-Natal são alongados de cor salmão.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Caso você observe alguma mudança no aspecto do medicamento que ainda esteja no prazo de validade, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6. COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Você deve tomar os comprimidos com líquido, por via oral.
Posologia: deve ser ingerido 1 comprimido de Vitergan Pré-Natal ao dia, ou a critério médico.
Utilizar apenas via oral. O uso deste medicamento por outra via que não a oral, pode causar a perda do efeito esperado ou mesmo promover danos ao usuário.
Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não pode ser partido ou mastigado.

7. O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
Você pode tomar a dose deste medicamento assim que se lembrar. Não exceda a dose diária recomendada.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico, de seu médico ou cirurgião-dentista.

8. QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?
O uso de Vitergan Pré-Natal geralmente é bem tolerado, mas alguns pacientes podem apresentar os seguintes sintomas ao utilizá-lo:
Distúrbios Cutâneos: angioedema (presença de edema – acúmulo de líquido - de pele, acompanhadas de urticárias); hemorragia cutânea e da mucosa; urticária (erupção de nódulos na pele, acompanhada por coceira); rubor (vermelhidão); reações alérgicas; dermatite (inflamação da pele).


Distúrbios Endócrinos: perda de apetite.
Distúrbios Gastrintestinais: irritações e obstruções gastrintestinais (qualquer prejuízo, parada ou reversão do percurso normal do conteúdo intestinal em direção ao ânus); náusea (enjoo); vômito; diarreia; dor abdominal; constipação (dificuldade anormal de evacuar); flatulência (presença de uma quantidade excessiva de gás no estômago ou no intestino); cólica; esofagite (inflamação do esôfago); azia.
Distúrbios hematológicos: eosinofilia (aumento anormal do número de eosinófilos no sangue). Distúrbios Musculares: fadiga (cansaço).
Distúrbios do Sistema Nervoso: cefaleia (dor de cabeça), insônia; sonolência.
Outros: febre, artralgia (dor na articulação) e descoloração amarelo-alaranjada da urina.
A vitamina C pode causar precipitação de urato, oxalato ou outras drogas no trato urinário.
A vitamina B3 pode causar hiperglicemia (aumento dos níveis de glicose no sangue), tolerância anormal de glicose, glicosúria (excreção de glicose na urina) e hiperuricemia (aumento da concentração sérica de ácido úrico).

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.
Informe a empresa sobre o aparecimento de reações indesejáveis e problemas com este medicamento, entrando em contato através do Sistema de Atendimento ao Consumidor (SAC).

9. O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?
A superdosagem do medicamento pode ocasionar os seguintes sintomas:
Distúrbios Cardiovasculares e Respiratórios: hipotensão (pressão arterial anormalmente baixa); colapsos cardiovasculares (perda de fluxo sanguíneo efetivo devido à disfunção aguda do coração e ou da circulação periférica); arritmia cardíaca (irregularidade no ritmo ou mudança na frequência dos batimentos do coração); tosse; edema pulmonar (aumento na quantidade de líquido extravascular no pulmão); coriza (inflamação das mucosas nasais); espirros e depressão respiratória (diminuição do ritmo e intensidade da respiração).
Distúrbios Cutâneos: erupções cutâneas (manchas na pele). Distúrbios Endócrinos: perda de apetite; sede e febre.
Distúrbios Gastrintestinais: náusea (enjoo); vômito; flatulência (presença de uma quantidade excessiva de gás no estômago ou no intestino); dores abdominais; constipação (dificuldade anormal de evacuar); diarreia comum e/ou com sangue; gosto metálico e/ou amargo na boca; queimação na boca e na garganta; aumento da saliva.
Distúrbios Hematológicos: azotemia (presença de quantidades excessivas de produtos azotados no sangue, como ureia e creatinina).
Distúrbios Musculares / ósseos: fraqueza muscular; fadiga (cansaço); dor muscular; dor óssea.
Distúrbios do Sistema Nervoso: sonolência; cefaleia (dor de cabeça); mal-estar; apatia (ausência de emoção com atividade reduzida, indiferença, insensibilidade); irritabilidade; confusão; perda de reflexos; alteração do padrão do sono; excitabilidade; aumento da frequência de tonturas e comportamento psicótico (distúrbio mental que causa distorção ou desorganização da capacidade mental do indivíduo).


Distúrbios Urogenitais: poliúria (eliminação de uma grande quantidade de urina com um aumento na frequência urinária); redução no fluxo menstrual.
Outros: dor nos dentes ou na gengiva; irritação nos olhos; depleção de zinco (diminuição da quantidade de zinco no organismo); unhas quebradiças; gengivites (inflamação da gengiva) e perda de cabelo.
Altas quantidades de vitamina B2 (200mg duas vezes ao dia) podem causar erros nos resultados dos ensaios Abbott TDx.
Caso ocorrer ingestão acidental de doses muito acima das recomendadas, você deve procurar um médico ou um centro de intoxicação imediatamente.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou a bula do medicamento, se possível.
Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

Data da bula

04/10/2017

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal