Feed

Já é assinante?

Entrar

Vonau - Bula do remédio

Vonau com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Vonau têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Vonau devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Laboratório

Biolab

Apresentação de Vonau

Solução injetável 4mg/2ml.
Caixa com 1 ampola.

Solução injetável 8mg/4ml.
Caixa com 1 ampola.

• Uso adulto ou pediátrico (crianças maiores de 2 anos).

• Composição:
Solução Injetável
Cada 1ml de solução injetável contém:
Cloridrato de ondansetrona..........................................................................2,5mg
(equivalente a 2 mg de ondansetrona base)
Veículo:................................................................água para injeção, ácido cítrico, citrato de sódio, cloreto de sódio.

Vonau - Indicações

Vonau® é indicado na prevenção de náuseas e vômitos.

Contra-indicações de Vonau

A ondansetrona está contraindicada em pacientes que apresentam hipersensibilidade conhecida à qualquer componente da fórmula. Têm-se relatado reações de hipersensibilidade em pacientes que exibiram este tipo de reação a outros antagonistasseletivos dereceptores 5-HT3.

Advertências

Tendo em vista que a ondansetrona aumenta o tempo de trânsito do intestino grosso; pacientes com sinais de obstrução intestinal subaguda devem ser monitorados após a administração.

Uso na gravidez de Vonau

Gravidez – A segurança da ondansetrona para o uso em mulheres grávidas ainda não foi estabelecida. Avaliações de estudos em animais experimentais não indicaram efeito nocivo direto ou indireto no desenvolvimento do embrião ou feto, no curso da gestação e no desenvolvimento peri e pós-natal. Entretanto, uma vez que estudos em animais nem sempre são preditivos da resposta humana, o uso da ondansetrona durante a gravidez não é recomendado. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação – Os testes têm demonstrado que a ondansetrona é excretada no leite de animais. Por este motivo, recomenda-se que lactantes sob tratamento com ondansetrona não amamentem.

Interações medicamentosas de Vonau

Não existem evidências que a ondansetrona induza ou iniba o metabolismo de outras drogas comumente coadministradas. Estudos específicos demonstraram que a ondansetrona não interage com o álcool, o temazepam, a furosemida, o tramadol e o propofol.

• Interferência em exames laboratoriais: Pode ocorrer um aumento transitório nas concentrações séricas de alanina aminotransferase (ALT), aspartato aminotransferase (AST) e de bilirrubinas.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Vonau

Cefaleia, sensação de calor ou rubor na cabeça e no epigástrio, e aumento ocasional e assintomático nos testes de função hepática. Sabe-se que aondansetrona aumenta o tempo do trânsito intestinal e por isto, pode causar constipação em alguns pacientes. Têm ocorrido raros relatos de reações de hipersensibilidade imediata, algumas vezes severas e incluindo anafilaxia. Têm sido relata dos raros casos de distúrbios visuais transitórios (p.ex., visão borrada) e tonteira durante a administração intravenosa rápida da ondansetrona. Ocasionalmente, têm sido relatadas reações no local da injeção intravenosa. Têm ocorrido raros relatos sugestivos de reações extrapiramidais; tais como crises oculógiras/reações distônicas, sem evidência definitiva de sequela clínica persistente.
Raramente, têm-se observado casos de congestão. Ocorreram raros relatos de dor torácica, como usem depressão do segmento ST, arritmias, hipotensão e bradicardia.

Vonau - Posologia

Adultos: O potencial emetogênico do tratamento do câncer varia de acordo com as doses e combinações dos regimes de quimioterapia e radioterapia usados.
A via de administração e a dose de Vonau® devem ser flexíveis na faixa de 8-32 mg/dia, e selecionadas conforme abaixo.

Quimioterapia e radioterapia emetogênica:
Para muitos pacientes recebendo quimioterapia ou radioterapia emetogênica, Vonau® 8 mg deve ser administrado como uma injeção intravenosa ou intramuscular lenta e imediatamente antes do tratamento ou oralmente, 1 a 2horas antes do tratamento, seguida de 8 mg 12 horas após o mesmo, por via oral. Para prevenir náuseas e vômitos tardios após as primeiras 24 horas, Vonau® deve ser continuado por via oral na dose de 8 mg 2 vezes ao dia, por até 5 dias, após um curso de tratamento.

Quimioterapia altamente emetogênica:
Em pacientes recebendo quimioterapia altamente emetogênica, por exemplo altas doses de cisplatina, Vonau® demonstrou ser igualmente efetivo nos seguintes esquemas de doses nas primeiras 24 horas de quimioterapia: a) Uma dose única de 8 mg através de injeção intravenosa lenta ou intramuscular, imediatamente antes da quimioterapia. b) Uma dose de 8mg através de injeção intravenosa lenta ou intramuscular, imediatamente antes da quimioterapia, seguida de 2 doses intravenosas adicionais de 8 mg, 2 a 4 horas após, ou através de uma infusão contínua de 1 mg/hora por até 24 horas. c) Doses maiores que 8 mg e até 32 mg, somente podem ser administradas por infusão intravenosa diluída em 50-100 ml de solução salina ou de outro fluido de infusão compatível e infundida durante um período não inferior a 15 minutos, imediatamente antes da quimioterapia. A seleção do regime de dose deve ser determinada pela severidade emetogênica. A eficácia de Vonau® em quimioterapia altamente emetogênica pode ser aumentada pela adição de uma dose única intravenosa de 20 mg de fosfato sódico de dexametasona, administrada antes da quimioterapia. Para prevenir náuseas e vômitos tardios após as primeiras 24 horas, Vonau® deve ser continuado por via oral na dose de 8 mg, duas vezes ao dia, por até 5 dias, após um curso de tratamento. A dose oral recomendada é de 24 mg, administrada juntamente com 12 mg de fosfato sódico de dexametasona oral, 1 a 2 h antes do tratamento.

Crianças: A experiência é atualmente limitada, mas a ondansetrona foi efetiva e bem tolerada em crianças acima de 4 anos, quando administrada intravenosamente na dose de 5 mg/m2 durante 15 minutos, imediatamente antes da quimioterapia, seguida de dose oral com comprimidos de 4mg, 12 horas após. Pode-se continuar com 4mg oralmente 2 vezes ao dia, por até 5 dias, após o término de um tratamento.

Pacientes idosos: Vonau® é bem tolerado em pacientes com idade acima de 65 anos, indicando não haver necessidade de se alterar a dose, a frequência ou via de administração no idoso:
Náuseas e vômitos do pós-operatório:
Adultos: Para prevenção das náuseas e vômitos do pós-operatório Vonau® pode ser administrado oralmente, na dose de 16 mg 1 hora antes da anestesia. Alternativamente, uma dose única de 4 mg pode ser administrada através de injeção intramuscular ou intravenosa lenta na indução da anestesia. Para tratamento das náuseas e vômitos do pós-operatório já estabelecido é recomendada uma dose única de 4mg administrada através de injeção intramuscular ou intravenosa lenta.

Crianças: Ainda não há experiência com o uso de Vonau® na prevenção e tratamento das náuseas e dos vômitos do pós-operatório em crianças.

Idosos: Existem poucas experiências como uso de Vonau® na prevenção e tratamento da náusea e do vômito do pós- operatório em pessoas idosas, entretanto Vonau® é bem tolerado em pacientes acima de 65 anos de idade que estejam fazendo quimioterapia.

Pacientes com insuficiência renal: Não é necessária qualquer alteração da via de administração, dose diária ou frequência da dose.

Pacientes com insuficiência hepática: O clearance da ondansetrona é significativamente reduzido e a meia-vida plasmática significativamente prolongada em pacientes com insuficiência hepática moderada ou grave. Nestes pacientes a dose total diária não deve exceder 8 mg.

Instruções de uso e precauções farmacêuticas:
Vonau® Injetável deve ser guardado em temperatura abaixo de 30oC. As ampolas de Vonau® devem estar protegidas da luz. Vonau® injetável não deve ser administrado na mesma seringa ou infusão utilizada com outra medicação.

Compatibilidade com fluidos intravenosos:
Vonau® injetável deve somente ser misturado com os líquidos de infusão recomendados. Segundo as boas práticas farmacêuticas, as soluções intravenosas devem ser preparadas no momento da infusão. Contudo, demonstrou-se que Vonau® Injetável é estável durante 7 dias em temperatura abaixo de 25oC, sob luz fluorescente ou em refrigerador com os seguintes fluidos de infusão intravenosa:
-Solução intravenosa de cloreto de sódio 0,9% p/v.
-Solução intravenosa de glicose 0,5% p/v .
-Solução intravenosa de manitol 10% p/v.
-Solução intravenosa de Ringer.
-Solução intravenosa de cloreto de potássio 0,3% p/v e cloreto de sódio 0,9% p/v.
-Solução intravenosa de cloreto de potássio 0,3% p/v e glicose 5% p/v.

Estudos de compatibilidade foram desenvolvidos em bolsas de infusão e equipo de administração à base de cloreto de polivinila. Foi observado também que uma adequada estabilidade é conseguida como uso de bolsas de infusão de polietileno e com recipientes de vidro do tipo I. As diluições de ondansetrona em cloreto de sódio 0,9% p/v ou em glicose 5% p/v demonstraram ser estáveis em seringas de polipropileno. Considera-se que ondansetrona injetável, diluído com outros fluidos de infusão compatíveis, seja estável em seringa de polipropileno. Nota: As preparações devem ser efetuadas sob condições assépticas apropriadas caso sejam necessários períodos maiores de estocagem.

Compatibilidade com outras drogas:
Vonau® Injetável pode ser administrado através de infusão intravenosa com 1 mg/hora, por exemplo, através de um frasco de infusão ou bomba de infusão. As seguintes drogas podem ser administradas juntamente com ondansetrona, nas concentrações de 16 a 160 mg/ml (por ex.: 8 mg/500ml, e 8 mg/50ml, respectivamente) através de equipo em Y. cisplatina - Concentrações até 0,48 mg/ml (por ex.: 240 mgem 500 ml) administradas durante 1 a 8 horas.
5-fluoruracil - Concentrações até 0,8 mg/ml (por ex.: 2,4g em 3 litros ou 400 mg em 500 ml), administradas a uma velocidade de pelo menos 20 ml/h(500 mlpor24h).Altas concentrações de5-fluoruracilpodem causar precipitação da ondansetrona. A infusão de 5-fluoruracil pode conter até 0,045% p/v de cloreto de magnésio em adição a outros excipientes que se mostraram compatíveis.
carboplatina - Concentrações na faixa de 0,18 mg/ml a 9,9 mg/ml (por ex.: 90 mg em 500 ml a 990 mg em 100 ml) administradas durante 10 minutos a 1 hora.
etoposida - Concentrações na faixa de 0,144 mg/ml a 0,25 mg/ml (por ex.: 72 mg em 500 ml a 250 mg em 1.000 ml) administradas durante 30 minutos a 1 hora.
Ceftazidima - Doses na faixa de 250mga 2.000mg, reconstituídas com água estéril para injeções como recomendado pelo produtor (por ex.: 2,5 ml para 250 mg e 10 ml para 2g de ceftazidima), e administradas como uma injeção intravenosa em “bolus” durante aproximadamente 5 minutos.
ciclofosfamida - Doses na faixa de 100 mg a 1 g, reconstituídas com água estéril para injeções, 5 ml por 100 mg de ciclofosfamida, 5ml por 100mg de ciclofosfamida, como recomendado pelo fabricante, e administrada como injeção intravenosa em “bolus” durante aproximadamente 5 minutos.
doxorrubicina - Doses na faixa 10-100 mg reconstituídas com água estéril para injeções por 10 mg de doxorrubicina, 5ml por 10mg de doxorrubicina, como recomendado pelo fabricante e administradas como uma injeção intravenosa em “bolus” durante aproximadamente 5 minutos.
Dexametasona – Podem ser administrados 20mg de fosfato sódico de dexametasona como uma injeção intravenosa lenta durante 2-5 minutos através de equipo em Y de uma infusão liberando 8 ou 32 mg de ondansetrona diluída em 50-100ml de um líquido de infusão compatível durante aproximadamente 15 minutos. A compatibilidade entre o fosfato sódico de dexametasona e a ondansetrona foi demonstrada com a administração destas drogas através do mesmo equipo, resultando em concentrações na faixa de 32 mg - 2,5 mg/ml para fosfato sódico de dexametasona e 8 mg -1mg/ml para ondansetrona.

Superdosagem

A experiência com casos de superdosagem com ondansetrona é limitada. Na maioria dos casos os sintomas são muito similares àqueles relatados para os pacientes recebendo as doses recomendadas (ver reações adversas). Não existe antídoto específico para a ondansetrona desta forma, em casos de superdosagem, conduzir terapia sintomática e de suporte apropriadas. O uso de ipecacuanha não é recomendado, uma vez que é pouco provável que se obtenha resposta satisfatória, devido a própria ação anti-emética do Vonau®.

• Pacientes idosos: Veja o item “geriatria” em “Precauções e advertências”.

Características farmacológicas

A ondansetrona, substância ativa de Vonau®, é um potente antagonista, altamente seletivo, dos receptores5-HT3. Seu mecanismo de ação no controle da náusea e do vômito ainda não é bem conhecido. Os agentes quimioterápicos e a radioterapia podem causar liberação de 5-HT no intestino delgado, iniciando um reflexo de vômitos pela ativação dos aferentes vagais nos receptores 5-HT 3. A ondansetrona bloqueia o início deste reflexo. A ativação dos aferentes vagais pode também causar uma liberação de 5-HT na área postrema, localizada no assoalho do quarto ventrículo, e isto também pode promover vômitos através de um mecanismo central. Desse modo, o efeito da ondansetrona no controle das náuseas e dos vômitos, induzidos por quimioterapia citotóxica e radioterapia, é devido ao antagonismo dos receptores 5-HT 3 nos neurônios localizados tanto no sistema nervoso periférico quanto no sistema nervoso central. Nos testes psicomotores, a ondansetrona não prejudicou a performance nem causou sedação. A ondansetrona não altera as concentrações de prolactina plasmática.
Após uma dose oral, a ondansetrona é passiva e completamente absorvida no trato gastrintestinal e sofre metabolismo de primeira passagem. Os picos de concentração plasmática são atingidos em aproximadamente 1,5 hora. Para doses acima de 8 mg, o aumento da exposição sistêmica da ondansetrona é maior que o proporcional, o que pode ser refletido em ligeira redução no metabolismo de primeira passagem, em doses orais elevadas. A biodisponibilidade torna-se levemente aumentada na presença de alimentos, mas inalterada por antiácidos. A disponibilidade da ondansetrona, tanto após a dose oral quanto após a intravenosa, é similar à meia-vida de eliminação terminal, de aproximadamente 3 horas, e um volume de distribuição de cerca de 140L no estado de equilíbrio. Observou-se exposição sistêmica equivalente após a administração intramuscular e intravenosa de ondansetrona. A ligação às proteínas plasmáticas é de cerca de 70 a 76%. A ondansetrona é depurada da circulação sistêmica predominantemente por metabolismo hepático, através de diversos caminhos enzimáticos. Menos de 5% da dose absorvida é excretada inalterada na urina. A ausência da enzima CYP2D6 (polimorfismo da debrisoquina) não interfere na farmacocinética da ondansetrona. As propriedades farmacocinéticas da ondansetrona permanecem inalteradas em dosagens repetidas. Estudos em voluntários idosos saudáveis revelaram um leve, mas clinicamente significativo aumento na biodisponibilidade oral e na meia-vida da ondansetrona, relacionado à idade. Foi demonstrado que, após uma dose oral, indivíduos do sexo feminino possuem maior taxa e extensão de absorção, bem como clearance sistêmico e volume de distribuição reduzidos.
Em um estudo realizado com 21 pacientes pediátricos, de idade entre 3 e 12 anos, submetidos a cirurgia eletiva com anestesia geral, verificou-se a redução nos valores absolutos para o clearance e o volume de distribuição da ondansetrona após uma dose única intravenosa de 2 mg (3-7anos) ou 4 mg (8-12anos). A magnitude da alteração foi idade-dependente, com o clearance reduzindo de cerca de 300ml/min aos 12 anos de idade, para 100 ml/min aos 3 anos de idade. O volume de distribuição reduziu de cerca de 75L aos 12 anos de idade para 17L aos 3 anos. O uso de doses balanceadas de acordo com o peso corpóreo (0,1 mg/kg até um máximo de 4mg) foi compensatório para essas alterações e é eficaz para normalizar a exposição sistêmica em pacientes pediátricos.
Em pacientes com disfunção renal moderada (clearance de creatinina de 15-60 ml/min), tanto o clearance sistêmico quanto o volume de distribuição foram reduzidos, resultando em um leve, mas clinicamente insignificante aumento na meia-vida de eliminação (5,4h). Pacientes com disfunção renal severa, requerentes de hemodiálise regular (estudados entre as diálises), demonstraram um perfil farmacocinético para a ondansetrona essencialmente inalterado. Nos pacientes com disfunção hepática severa, o clearance sistêmico da ondansetrona foi acentuadamente reduzido com meia-vida de eliminação prolongada (15-32h) e uma biodisponibilidade oral de aproximadamente 100% devido ao metabolismo pré-sistêmico reduzido.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

Pediatria – Embora existam poucos trabalhos relativos a experiência com ondansetrona em lactentes, trabalhos recentes têm demonstrado sua aplicação em crianças a partir de 2 anos de idade.

Geriatria (idosos) – Não é necessário ajuste de dose em pacientes idosos, embora observe-se uma redução na depuração e um aumento na meia-vida de eliminação em pacientes acima de 75 anos de idade. Em estudos clínicos de pacientes com câncer, a segurança e eficácia foi comprovada mesmo em pacientes acima de 65 anos.

Insuficiência hepática/renal – Em pacientes com insuficiência hepática leve a moderada, a depuração está reduzida em duas vezes e a meia-vida média encontra-se aumentada em relação aos indivíduos normais. Em pacientes com insuficiência hepática grave, a depuração está reduzida em duas a três vezes e o volume de distribuição aparente está aumentado, com consequente aumento da meia-vida para 20 horas. Em pacientes com insuficiência hepática grave, não se recomenda exceder a dose diária 8 mg.
Devido a pequena contribuição (5%) da depuração renal na depuração total, não se considera que a insuficiência renal influencie significativamente a depuração total de ondansetrona. Portanto, não é necessário ajuste de dose nesses pacientes.

Dizeres legais

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Registro MS–1.0974.0112
Farm. Resp.: Dr. Dante Alario Junior - CRF-SP no 5143

BIOLAB SANUS Farmacêutica Ltda.
Av. Paulo Ayres, 280 – Taboão da Serra – SP
CEP 06767-220 SAC 0800 724 6522
CNPJ 49.475.833/0001-06
Indústria Brasileira

Vonau - Bula para o Paciente

Vonau® é um antiemético usado no controle de náusea e vômito.
•Mantenha Vonau® em temperatura ambiente (15 a 30oC) e protegido da luz.
•Prazo de validade: 24 meses a partir da data de fabricação. Não utilize medicamentos com a validade vencida.
•Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento com Vonau® ou após o seu término. Informe ao médico se está amamentando.
•Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento com Vonau®.
•Não interrompa o tratamento com Vonau® sem o conhecimento do seu médico. A doença e/ou seus sintomas poderão retornar.
•Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, como: Dor de cabeça, sensação de calor ou rubor na cabeça ou na parte superior do abdome e prisão de ventre.
•Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.
•Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento com Vonau®.
•Contraindicações: Vonau® não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.
•Precauções: Deve ser usado com cautela em casos de insuficiência hepática, cirurgia abdominal, durante a amamentação e após o primeiro trimestre de gravidez, quando o benefício esperado for maior do que o provável risco ao feto.
•Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a saúde.

Data da bula

28/05/2014

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal