FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Haar-intern

Haar-intern - Bula do remédio

Haar-intern com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Haar-intern têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Haar-intern devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Apresentação de Haar-intern

Polivitamínico. Embalagem contendo 60 comprimidos revestidos.

Haar-intern - Indicações

Como suporte para os casos de hipovitaminoses A, B6 e D3.

Advertências

Gravidez: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término.

Interações medicamentosas de Haar-intern

Interações medicamentosas:
O uso concomitante de vitamina B6 e amiodarona pode potencializar os efeitos de fotossensibilidade causados pela amiodarona. A interação entre acetato de retinol (vitamina A) e anticoagulantes cumarínicos ou indandiônicos pode causar hipoprotrombinemia e aumentar o risco de hemorragias.
Anticoncepcionais orais podem aumentar a concentração plasmática de vitamina A. Não é recomendado o uso concomitante de derivados do retinol por via oral e produtos que contenham vitamina A devido à possibilidade do aparecimento de hipervitaminose A. O uso da isotretinoína ou tretinoína pode ocasionar efeitos tóxicos aditivos aos da vitamina A. A piridoxina (vitamina B6) pode reduzir os níveis séricos de fenitoína e fenobarbital.
A piridoxina também interage com a levodopa, acelerando seu metabolismo sistêmico e consequentemente, acarretando uma redução do efeito terapêutico da levodopa na doença de Parkinson. Isso não ocorre se a levodopa estiver associada com inibidores da descarboxilase. Cloranfenicol, etionamida, hidralazina, imunossupressores, isoniazida ou penicilamina podem causar anemia ou neurite periférica por sua ação antagônica à piridoxina.
Os corticosteróides podem apresentar efeito antagônico à vitamina D por diminuir a absorção de cálcio. O cetoconazol inibe as enzimas de síntese e de catabolismo da vitamina D. A vitamina D3 pode potencializar os efeitos dos digitálicos podendo ocasionar arritmias cardíacas. Já os antiácidos contendo magnésio, podem provocar hipermagnesemia se ingeridos juntamente com a vitamina D3 e não deve ser realizada essa combinação em pacientes renais crônicos em diálise.
Os anticonvulsivantes hidantoínicos, barbitúricos podem reduzir o efeito do colecalciferol. Preparações contendo cálcio, em doses elevadas, juntamente com as vitaminas A e D podem aumentar o risco de hipercalcemia. Os diuréticos tiazídicos quando administrados juntamente com a vitamina D podem causar hipercalcemia pois os mesmos causam redução da excreção de cálcio na urina. A isoniazida interfere no metabolismo do colecalciferol. Grandes quantidades de hidróxido de alumínio, presente em alguns antiácidos, podem precipitar os ácidos biliares no intestino, reduzindo assim a absorção das vitaminas lipossolúveis (A e D3). A colestiramina, neomicina, orlistat e o óleo mineral podem reduzir a absorção intestinal das vitaminas lipossolúveis. O uso de teofilina juntamente com a vitamina B6 pode aumentar os riscos de convulsões induzidas por teofilina.



Interações com exames laboratoriais:
A vitamina A pode apresentar resultados falso positivos para as determinações de colesterol e triglicerídeos séricos. As vitaminas A e B6 também podem apresentar resultados falso negativos para as determinações de bilirrubina com reagente de Ehrlich.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Haar-intern

Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): náusea, vômito, diarreia, constipação, sensação de calor e rubor na face e reações de natureza alérgica.

Haar-intern - Posologia

Deve ser administrado 1 comprimido pela manhã e 1 à noite, ingeridos com auxílio de um pouco de líquido.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

Superdosagem

Se o produto for ingerido em grandes quantidades, alguns sintomas de superdose podem ocorrer como: visão turva, tonturas, sonolência, dor de cabeça, insônia, irritabilidade, falta de coordenação muscular, náusea, convulsões e vômito.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

Características farmacológicas

O uso do produto é contraindicado em pacientes com antecedentes de hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula e no tratamento de hipovitaminoses específicas graves.
Parkinsonianos em tratamento com levodopa pura não devem fazer uso de Haar Intern, pois a vitamina B6 presente na formulação interfere com o tratamento específico. Também está contraindicado em hipercalcemia e síndrome de má absorção.

Este medicamento é contraindicado para menores de 12 anos.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Resultados de eficácia

Acetato de Retinol trata-se de um álcool isoprenóide insaturado, que se apresenta sob forma de cristais ou de óleo claro, solúvel nas gorduras. Sua absorção efetua-se no intestino delgado. Em condições normais, 80% da vitamina A ingerida é absorvida, sendo o restante eliminado pelas fezes. Em condições normais, menos de 5% da vitamina A circulante está ligada a lipoproteínas do sangue. Após absorvida, a vitamina A é armazenada no fígado, sob a forma de palmitato, nos hepatócitos. Seu t ½ é de 1,9 horas. O retinol e seus derivados realizam uma série de funções metabólicas essenciais na retina, no crescimento e na diferenciação de tecidos epiteliais, reprodução e na resposta imune.
Cloridrato de Piridoxina é a denominação genérica de três substâncias naturais derivadas da piridina e que apresentam propriedades biológicas muito semelhantes: piridoxina, piridoxal e piridoximina. O piridoxol é uma forma alcoólica da piridina; o piridoxal é seu aldeído; e a piridoximina, sua amina. Administrada por via oral, a vitamina B6 é facilmente absorvida pelo intestino delgado e convertida para as formas ativas fosfato de piridoxal e fosfato de piridoxamina. Após absorvida, distribui-se por todos os tecidos do organismo, o que evidencia suas múltiplas e importantes funções metabólicas. Sua ligação às proteínas plasmáticas é de 22%. É metabolizada principalmente no fígado onde é oxidada a ácido 4-piridoxico e outros metabólitos inativos. Sua excreção efetua-se principalmente pela urina. Seu t ½ é de 15 a 20 dias. Piridoxal atravessa a barreira placentária e frequentemente pode aparecer no leite materno. Age como coenzima em numerosos sistemas enzimáticos (descarboxilase, transaminase, dessulfurase) relacionados com os aminoácidos. A vitamina B6, principalmente na forma de piridoxal 5-fosfato, está envolvida em diversas reações bioquímicas, incluindo o metabolismo de aminoácidos e glicogênio, a síntese de ácidos nucléicos, hemoglobina, esfingomielina e outros esfingolipídios, e a síntese dos neurotransmissores serotonina, dopamina, norepinefrina e ácido gama-aminobutírico (GABA).


Cloridrato de Colecalciferol pertence ao grupo dos esteróis. É conhecido por seu importante papel na regulação dos níveis de cálcio e fósforo e na regulação do hormônio da paratireóide. Promove a reabsorção renal de cálcio, aumenta a absorção intestinal de cálcio e fósforo e aumenta a mobilização de cálcio e fósforo para os ossos pelo plasma. A vitamina D é absorvida pelo intestino delgado. Após, é transportada pela circulação a todos os órgãos, depositando-se principalmente no fígado, na pele e no cérebro. Sua ligação às proteínas plasmáticas é de cerca de 50% a 80%. É excretada principalmente com a bile e através do leite (no caso de lactantes) e pelas fezes. Não há eliminação pela urina. Seu t ½ é de várias semanas.

Armazenagem

Conservar o produto em sua embalagem original, à temperatura ambiente (entre 15° e 30ºC). Proteger da luz e da umidade. Observada a correta armazenagem, a validade é de 24 meses, a partir da data de fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido.

Para sua segurança, mantenha o medicamento na embalagem original.
HAAR INTERN é um comprimido revestido na cor vermelha rosada intensa. Núcleo na cor bege claro e odor característico.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.
Caso você observe alguma mudança no aspecto do medicamento que ainda esteja no prazo de validade, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Dizeres legais

Reg. M.S. nº 1.1695.0030.001-0
Responsável Técnico: Glauco Fernandes Miranda CRF-RS nº5252
LABORATÓRIO FARMACÊUTICO VITAMED LTDA
Rua Flávio Francisco Bellini, 459 - Caxias do Sul-RS - CEP: 95098-170
CNPJ nº 29.346.301/0001-53
INDÚSTRIA BRASILEIRA

Haar-intern - Bula para o Paciente

1. PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?
Este medicamento é destinado ao tratamento e profilaxia de hipovitaminoses A, B6 e D3.

2. COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
Atua em ação conjunta conforme as propriedades funcionais de cada vitamina, responsáveis pelos efeitos benéficos no aporte de hipovitaminoses A, B6 e D3. A vitamina A (acetato de retinol) é essencial para a função normal da retina, além de estar envolvida no crescimento dos ossos, funções ovarianas e testiculares, desenvolvimento embrionário e na regulação do desenvolvimento e diferenciação do tecido epitelial atuando na manutenção da pele e mucosas. O colecalciferol (vitamina D) contribui para a manutenção dos ossos, pois é necessário para a absorção do cálcio nos ossos. Importante para a manutenção dos níveis adequados de cálcio e fósforo do sangue. A vitamina B6 (piridoxina) atua principalmente no metabolismo dos aminoácidos e dos carboidratos. Está, também, envolvida na formação do GABA, no Sistema Nervoso Central, sendo que este atua na regulação das atividades neuronais. Além disso é necessária para a formação da hemoglobina.



3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
O uso do produto é contraindicado em pacientes com antecedentes de hipersensibilidade a qualquer dos componentes da fórmula e no tratamento de hipovitaminoses específicas graves. Haar intern não deve ser utilizado em pessoas com hipervitaminose A, hipercalcemia e síndrome da má absorção. Também está contraindicado em pacientes com lupus eritematoso sistêmico. Parkinsonianos em tratamento com levodopa pura não devem fazer uso de Haar Intern, pois a vitamina B6 presente na formulação interfere com o tratamento específico.

Este medicamento é contraindicado para menores de 12 anos.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
Gravidez: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término.

Interações medicamentosas:
A interação entre Haar Intern e os medicamentos a seguir são desaconselhadas. Procure o médico para maiores esclarecimentos. Haar Intern interage com: amiodarona; anticoagulantes cumarínicos ou indandiônicos; cetoconazol; corticosteróides; derivados do retinol; fenitoína; fenobarbital; levodopa; cloranfenicol; etionamida; hidralazina; imunossupressores; isoniazida; penicilamina; digitálicos; antiácidos contendo alumínio e magnésio; anticonvulsivantes hidantoínicos e barbitúricos; preparações contendo altas doses de cálcio; diuréticos tiazídicos; colestiramina; neomicina; orlistat; óleo mineral; minociclina e teofilina.

Interações com exames laboratoriais:
As vitaminas A e D podem apresentar resultados falso positivos para as determinações de colesterol sérico. As vitaminas A e B6 também podem apresentar resultados falso negativos para as determinações de bilirrubina com reagente de Ehrlich.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Conservar o produto em sua embalagem original, à temperatura ambiente (entre 15° e 30ºC). Proteger da luz e da umidade.
Observada a correta armazenagem, a validade é de 24 meses, a partir da data de fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
HAAR INTERN é um comprimido revestido na cor vermelha rosada intensa. Núcleo na cor bege claro e odor característico.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.



Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6. COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Deve ser administrado 1 comprimido pela manhã e 1 à noite, ingeridos com auxílio de um pouco de líquido.

Risco de uso por via de administração não recomendada: Não há estudos dos efeitos de Haar Intern administrado por vias não recomendadas. Portanto, por segurança e para a eficácia deste medicamento, a administração deve ser somente por via oral.

Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.

7. O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?
Quando houver esquecimento, tomar uma dose normal no próximo horário, não sendo necessário suprir a dose esquecida.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

8. QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?
Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): náusea, vômito, diarreia, constipação, sensação de calor e rubor na face e reações de natureza alérgica.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

9. O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?
Se o produto for ingerido em grandes quantidades, alguns sintomas de superdose podem ocorrer como: visão turva, tonturas, sonolência, dor de cabeça, insônia, irritabilidade, falta de coordenação muscular, náusea, convulsões e vômito.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.
Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

Data da bula

09/08/2017

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal