Feed

Já é assinante?

Entrar

Benzilpenicilina Procaína e Potássica

Benzilpenicilina Procaína e Potássica - Bula do remédio

Benzilpenicilina Procaína e Potássica com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Benzilpenicilina Procaína e Potássica têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Benzilpenicilina Procaína e Potássica devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

Obs.: A MedicinaNET não vende nenhum tipo de medicamento.

Referência

Wycillin (Eurofarma)

Apresentação de Benzilpenicilina Procaína e Potássica

Caixa com 25 frascos-ampola acompanhados de 25 ampolas de diluente Caixa com 100 frascos-ampola acompanhados de 100 ampolas de diluente. Cada frasco-ampola de WYCILLIN contém: benzilpenicilina procaína .... 300.000 U.I benzilpenicilina potássica ... 100.000 U.I Água estéril para injeção q.s.p. .. 2 ml Excipientes: lecitina

Benzilpenicilina Procaína e Potássica - Indicações

WYCILLIN está indicado no tratamento de infecções moderadamente sérias, causadas por microrganismos sensíveis à benzilpenicilina. A terapia deverá ser orientada por estudos bacteriológicos (incluindo antibiogramas) e pela resposta clínica. Caso se utilize o método de Kirby-Bauer para o antibiograma, um disco de penicilina de 10 unidades deverá produzir uma zona superior a 28 mm, quando testado contra cepas de bactérias penicilino-sensíveis. As seguintes infecções usualmente irão responder a doses adequadas de WYCILLIN: 1 - Infecções estreptocócicas (grupo A; sem bacteremia): infecções moderadamente sérias a graves do trato respiratório superior, pele e tecidos moles, escarlatina e erisipela. NOTA: Estreptococos dos grupos A, C, G, H, L e M são muito sensíveis à benzilpenicilina. Outros grupos, incluindo o D (enterococos), são resistentes. Recomenda-se a utilização de benzilpenicilina potássica (aquosa) para infecções estreptocócicas com bacteremia. 2 -Infecções pneumocócicas: infecções moderadamente sérias do trato respiratório. NOTA: pneumonia grave, empiema, bacteremia, pericardite, meningite, peritonite e artrite de etiologia pneumocócica devem ser preferivelmente tratadas com benzilpenicilina potássica (aquosa), durante o estágio agudo. 3 - Infecções estafilocócicas: infecções moderadamente sérias da pele e dos tecidos moles. NOTA: Relatos indicando um número crescente de cepas de estafilococos resistentes à benzilpenicilina enfatizam a necessidade de realização de cultura e antibiograma, norteando o tratamento destas infecções. 4 - Fusoespiroquetose (gengivite e faringite de Vincent): infecções moderadamente sérias da orofaringe. NOTA: infecções envolvendo a gengiva requerem tratamento dentário adequado. 5 - Corynebacterium diphtheriae: indica-se WYCILLIN como adjunto à antitoxina, e para erradicação da infecção em portadores. 6 - Antraz 7 - Profilaxia da endocardite bacteriana em pacientes com lesões cardíacas congênitas ou adquiridas, incluindo a doença reumática, que irão submeter-se a cirurgia dentária ou a procedimentos cirúrgicos no trato respiratório superior. NOTA: Pacientes recebendo tratamento contínuo com penicilina oral para prevenção secundária da febre reumática podem alojar estreptococos alfa-hemolíticos relativamente resistentes à penicilina. Portanto, deve-se considerar a utilização de outros antimicrobianos como profiláticos nestes procedimentos, que seriam prescritos em adição ao regime contínuo de profilaxia da febre reumática.

Contra-indicações de Benzilpenicilina Procaína e Potássica

WYCILLIN está contra-indicado para pacientes que tenham apresentado reação prévia de hipersensibilidade a qualquer penicilina ou à procaína, ou às cefalosporinas.

Advertências

Reações de hipersensibilidade sérias e ocasionalmente fatais foram registradas em pacientes sob tratamento com penicilinas. indivíduos com história de hipersensibilidade a múltiplos alérgenos são mais susceptíveis a estas reações. têm sido descritos casos de indivíduos com história de hipersensibilidade às penicilinas que apresentaram reações intensas quando tratados com cefalosporinas. Antes de iniciar-se terapêutica com penicilinas, deve ser feito cuidadoso questionário sobre história anterior de hipersensibilidade às penicilinas, cefalosporinas ou outros alérgenos. Se ocorrer reação alérgica, a droga deverá ser interrompida e o paciente receber tratamento adequado. reações anafiláticas intensas requerem tratamento de emergência com adrenalina, oxigênio, corticosteróides endovenosos e controle respiratório, incluindo entubação, se necessário. deve-se usar penicilina cautelosamente em indivíduos com história de alergia grave e/ou asma. Pequena percentagem de pacientes são sensíveis à procaína. Se houver antecedentes de sensibilidade, deve-se proceder ao teste: injete intradermicamente 0,1 ml de solução de procaína a 1-2%. A presença de eritema, pápula, rubor ou erupção indica sensibilidade à procaína. A sensibilidade deverá ser tratada pelo método usual, sendo que os preparados de penicilina com procaína não deverão ser utilizados. Os anti-histamínicos parecem benéficos no tratamento de reações à procaína. O uso de antibióticos poderá resultar em proliferação de microrganismos resistentes. Constante observação do paciente é essencial. Se aparecerem novas infecções por bactérias ou fungos durante na terapia, deve-se suspender a droga e tomar medidas apropriadas. Sempre que ocorram reações alérgicas deve-se suspender a penicilina, a menos que na opinião do médico em tratamento represente ameaça à vida e só possa ceder à penicilinoterapia. Em infecções estreptocócicas, o tratamento deve ser suficiente para eliminar os microrganismos; caso contrário, as seqüelas da doença estreptocócica poderão surgir. Deve-se realizar culturas ao término do tratamento para determinar se os estreptococos foram totalmente erradicados. Em tratamentos prolongados com penicilinas, particularmente quando são utilizados regimes de altas doses, recomenda-se avaliações periódicas das funções renal e hematopoética.

Uso na gravidez de Benzilpenicilina Procaína e Potássica

Penicilinas atravessam a placenta rapidamente; os efeitos sobre o feto, caso existam, não são conhecidos. Ainda que as penicilinas sejam consideradas seguras para o uso durante a gravidez, wycillin deve ser utilizado nesta circunstância somente quando realmente necessário segundo critério médico (a relação benefício/risco deve ser avaliada). uso durante a lactação: a penicilina g é excretada no leite materno; os efeitos sobre o Lactente, caso existam, não são conhecidos. A administração de wycillin para mulheres que estão amamentando somente deve ser realizada segundo critério médico (a relação benefício/risco deve ser avaliada). Categoria C de risco na gravidez: Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Interações medicamentosas de Benzilpenicilina Procaína e Potássica

A probenecida diminui a taxa de excreção das penicilinas, assim como prolonga e aumenta os níveis sangüíneos. Interação com testes de laboratório: as penicilinas podem interferir com a medida de glicosúria realizada pelo método sulfato de cobre, ocasionando falsos resultados de acréscimo ou diminuição. Esta interferência não ocorre com o método glicose oxidase.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Benzilpenicilina Procaína e Potássica

As penicilinas são substâncias de baixa toxicidade, mas com índice significativo de sensibilização. As seguintes reações de hipersensibilidade, associadas com o uso de penicilinas, foram relatadas: erupções cutâneas, desde as formas maculopapulosas até as dermatites esfoliativas; urticária; edema de laringe; reações do tipo doença do soro, incluindo febre, calafrios, edema, artralgia e prostração. Febre e eosinofilia podem ser as únicas manifestações observadas. Reações anafiláticas têm sido relatadas. Reações como anemia hemolítica, leucopenia, trombocitopenia, neuropatia e nefropatia são infreqüentes e estão associadas com altas doses de penicilinas por via parenteral. Ainda que reações de hipersensibilidade à procaína não tenham sido relatadas com WYCILLIN há pacientes sensíveis à procaína.

Benzilpenicilina Procaína e Potássica - Posologia

Recomenda-se a critério médico e de acordo com a gravidade maior ou menor da infecção, a seguinte posologia: • Pneumonia (pneumocócica), moderadamente séria (não complicada): 600.000 a 1.200.000 unidades de benzilpenicilina procaína por dia. • Infecções estreptocócicas moderadamente sérias a graves (amigdalite, erisipela, escarlatina, da pele e tecidos moles, do trato respiratório superior): 600.000 a 1.200.000 unidades de benzilpenicilina procaína por dia, no mínimo por 10 dias. • Infecções estafilocócicas moderadamente sérias a graves: 600.000 a 1.200.000 unidades de benzilpenicilina procaína por dia. Em pneumonias e em infecções estreptocócicas (grupo A) de estafilocócicas de crianças com menos de 27 kg: 300.000 unidades de benzilpenicilina procaína por dia. • Difteria (como adjunto à antitoxina): 300.000 a 600.000 unidades de benzilpenicilina procaína por dia. • Difteria (erradicação em portadores): 300.000 unidades de benzilpenicilina procaína diariamente por 10 dias. • Antraz cutâneo: 600.000 a 1.200.000 unidades de benzilpeniclina procaína por dia. • Furoespiroquetoses (infecções de Vincent): 600.000 a 1.200.000 unidades de benzilpenicilina procaína por dia.

Superdosagem

Não há relatos de superdosagem com WYCILLIN. Normalmente as penicilinas apresentam toxicidade direta mínima para o homem. No entanto, a natureza viscosa da suspensão de benzilpenicilina procaína, associada à presença de altas concentrações de procaína, podem causar quaisquer das alterações neurovasculares descritas nas Precauções. Desde que não há antídotos, o tratamento deve ser sintomático e de suporte.

Características farmacológicas

A benzilpenicilina (penicilina G) exerce ação bactericida durante o estágio de multiplicação ativa dos microrganismos sensíveis. Atua por inibição da biossíntese do mucopeptídeo da parede celular. Não é ativa contra bactérias produtoras de penicilinase, as quais incluem muitas cepas de estafilococos. A benzilpenicilina desempenha elevada atividade in vitro contra estafilococos (exceto as cepas produtoras de penicilinase), estreptococos (grupos A, C, G, H, L e M) e pneumococos. Outros microrganismos sensíveis a benzilpenicilina são Neisseria gonorrhoeae, Corynebacterium diphtheriae, Bacillus anthracis, Clostridia, Actinomyces bovis, Streptobacillus moniliformis, Listeria monocytogenes e Leptospira. O Treponema pallidum é extremamente sensível à ação bactericida da benzilpenicilina. A benzilpenicilina potássica (penicilina G potássica) é rapidamente absorvida após injeção intramuscular, assegurando elevados níveis séricos durante as primeiras horas após a administração. A benzilpenicilina procaína (penicilina G procaína) é um composto equimolar de procaína e benzilpenicilina em forma de suspensão para injeção intramuscular. Dissolve-se lentamente no local da injeção, produzindo níveis séricos estáveis durante 4 horas, que decrescem lentamente por um período de 15 a 20 horas. Aproximadamente 60% da benzilpenicilina liga-se às proteínas plasmáticas. Distribui-se amplamente pelos vários tecidos do organismo. Os níveis mais elevados são encontrados nos rins, e em menores concentrações no fígado, pele e intestinos. Níveis muito baixos são encontrados no líquor. Com função renal normal, a droga é rapidamente excretada pelos túbulos. Em recém-nascidos e crianças pequenas, como em indivíduos com função renal comprometida, a excreção retarda-se consideravelmente. Cerca de 60 a 90% de uma dose parenteral de benzilpenicilina é excretada na urina em 24 a 36 horas.

Resultados de eficácia

-

Modo de usar

WYCILLIN deve ser admistrado exclusivamente por via intramuscular. Após reconstituição, a suspensão deve ser utilizada em até 24 horas. O frasco deve ser vigorosamente agitado antes da retirada da dose a ser injetada. Descarte as porções não utilizadas. Recomenda-se a injeção intramuscular profunda no quadrante superior lateral da nádega. Em lactentes e crianças pequenas, pode ser preferível a face lateral da coxa. Para doses repetidas recomenda-se variar o local da injeção. É necessário evitar-se a injeção intra-arterial ou intravenosa, ou junto a grandes troncos nervosos, uma vez que tais injeções podem produzir lesões neurovasculares sérias, incluindo mielite transversa com paralisia permanente, gangrena requerendo amputação de dígitos e porções mais próximas das extremidades, necrose ao redor do local da injeção. Outras reações sérias decorrentes da administração intravascular foram relatadas, tais como: palidez, cianose ou lesões maculares nas extremidades distal e proximal do local da injeção, seguidas de formação de vesículas; edema intenso requerendo fasciotomia anterior e/ou posterior na extremidade inferior. As reações descritas ocorreram com maior freqüência em crianças pequenas. Fibrose e atrofia do quadríceps foram descritas em pacientes que receberam injeções repetidas de preparados penicilínicos na região anterolateral da coxa. Injeções em nervos ou nas suas proximidades podem resultar em lesões permanentes. Antes de injetar a dose, deve-se puxar o êmbolo da seringa para trás a fim de certificar-se de que a agulha não esteja em um vaso sangüíneo. Se aparecer sangue, retirar a agulha e injetar em outro local. A injeção deve ser feita lentamente. Interrompa a administração se o paciente queixar-se de dor intensa no local ou se, especialmente em crianças, ocorrerem sinais e sintomas que sugiram dor intensa. Devido as altas concentrações da suspensão deste produto, a agulha poderá entupir-se, caso a administração não seja feita de forma lenta e contínua.

Uso em idosos, crianças e em outros grupos de risco

-

Armazenagem

Conservar o medicamento em temperatura ambiente (entre 15o e 30oC).

Dizeres legais

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. MS - 1.0043.0684 Farm. Resp.: Dra. Sônia Albano Badaró – CRF-SP 19.258 Fabricado por: EUROFARMA LABORATÓRIOS LTDA. Rua Enéas Luiz Carlos Barbanti, 216 São Paulo - SP

Data da bula

Sep 16 2008 12:00AM

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal