FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Posologia de Lamotrigina

A Lamotrigina deve ser engolida inteira, com o auxílio de um copo de água.
Os comprimidos não devem ser mastigados nem partidos. Se uma dose calculada de Lamotrigina (por exemplo: para uso em crianças e pacientes com insuficiência hepática) não puder ser dividida em doses menores, a dose a ser administrada será igual à menor dose equivalente a um comprimido inteiro.

Este medicamento não deve ser partido ou mastigado. Reintrodução da terapia
Os médicos devem avaliar a necessidade de escalonamento de dose ao reintroduzir a terapia com Lamotrigina, em pacientes que descontinuaram seu uso por alguma razão, uma vez que há sérios riscos de exantema associados a altas doses iniciais e ao exceder a dose recomendada para o escalonamento de Lamotrigina (ver Advertências e Precauções). Quanto maior o intervalo entre o uso prévio e a reintrodução, maior o cuidado que se deve tomar no escalonamento da dose de manutenção. Quando este intervalo exceder cinco meias-vidas (ver Propriedades Farmacocinéticas, em Características Farmacológicas), Lamotrigina deve ser escalonada à dose de manutenção de acordo com um programa apropriado.
Recomenda-se que Lamotrigina não seja reiniciada em pacientes que tenham descontinuado seu uso por causa de exantema associado ao tratamento prévio com Lamotrigina, a menos que o potencial benefício ultrapasse os possíveis riscos.

Epilepsia
Quando drogas antiepilépticas de uso concomitante são retiradas para monoterapia com Lamotrigina ou quando outra droga antiepilética (DAE) é adicionada ao regime de tratamento contendo Lamotrigina, deve-se considerar os efeitos sobre a farmacocinética da Lamotrigina (ver Interações Medicamentosas).

Dose em monoterapia
Adultos e crianças acima de 12 anos:
A dose inicial de Lamotrigina em monoterapia é de 25mg, uma vez ao dia, por duas semanas, seguida por 50mg, uma vez ao dia, por duas semanas. A partir daí, a dose deve ser aumentada em até um máximo de 50-100mg, a cada uma a duas semanas, até que uma resposta ótima seja alcançada. A dose usual de manutenção para se alcançar uma resposta ideal é de 100-200mg/dia, administrados uma vez ao dia ou em duas doses fracionadas. Alguns pacientes podem necessitar de até 500mg/dia de Lamotrigina para alcançar a resposta desejada.
Por conta do risco de exantema (rash), a dose inicial e o escalonamento de doses subsequentes não deve ser excedido (ver Advertências e Precauções).

Dose em terapia combinada
Adultos e crianças acima de 12 anos:
Nos pacientes recebendo valproato, com ou sem outra droga antiepilética (DAE), a dose inicial de Lamotrigina deve ser de 25mg, em dias alternados, por duas semanas, seguida por 25mg, uma vez ao dia, por duas semanas. Em seguida, a dose deve ser aumentada até um máximo de 25-50mg, a cada uma ou duas semanas, até que uma resposta adequada seja alcançada. A dose usual de manutenção para se obter uma resposta ótima é de 100-200mg/dia, administrados uma vez ao dia ou fracionados em duas tomadas.
Nos pacientes tomando DAEs concomitantes ou outras medicações (ver Interações Medicamentosas) que induzam a glicuronidação da Lamotrigina, com ou sem outras DAEs (exceto valproato), a dose inicial de Lamotrigina é de 50mg, uma vez ao dia, por duas semanas, seguidos por 100mg/dia, administrados em duas doses fracionadas, por duas semanas.
A partir daí, a dose deve ser aumentada até um máximo de 100mg a cada uma ou duas semanas, até que uma resposta adequada seja alcançada. A dose usual de manutenção para se obter uma resposta ótima é de 200-400mg/dia,administrados em duas doses fracionadas.
Alguns pacientes podem necessitar de até 700mg/dia de Lamotrigina para alcançar a resposta desejada.
Em pacientes usando outras drogas que não induzem ou inibem significativamente a glicuronidação da Lamotrigina (ver Interações Medicamentosas), a dose inicial de Lamotrigina é 25mg uma vez ao dia por duas semanas, seguidos por 50mg, uma vez ao dia, por duas semanas. A partir daí, a dose deve ser aumentada até um máximo de 50 a 100mg a cada uma ou duas semanas, até que uma resposta adequada seja alcançada. A dose usual de manutenção para se obter uma resposta ótima é de 100-200mg/dia, administrados uma vez ao dia ou em duas doses fracionadas.

Tabela 2 – Regime de tratamento recomendado em epilepsia para adultos e maiores de 12 anos


  Semanas 1 + 2Semanas 3 + 4Dose de manutenção
 Monoterapia

25mg
(uma vez ao dia)

50mg
(uma vez ao dia)

100-200mg
(uma vez ao dia ou em duas doses fracionadas). Para se atingir a dose de manutenção, as doses podem ser aumentadas até 50-100mg a cada 1-2 semanas.

Terapia combinada com valproato independentemente do uso de qualquer outra medicação concomitante

12,5mg
(25mg administrados em dias alternados)

25mg
(uma vez ao dia)

100-200mg
(uma vez ao dia ou em duas doses fracionadas). Para se atingir a dose de manutenção, as doses podem ser aumentadas até 25-50mg a cada 1-2 semanas.

Terapia combinada sem valproatoEste regime de doses deve ser usado com outras drogas que não induzem ou inibem significativamente a glicuronidação da Lamotrigina (ver Interações Medicamentosas)

25mg
(uma vez ao dia)

50mg
(uma vez ao dia)

100-200mg
(uma vez ao dia ou em duas doses fracionadas). Para se atingir a dose de manutenção, as doses podem ser aumentadas até 50-100mg a cada 1-2 semanas.

Esse regime de doses deve ser usado com: fenitoína carbamazepina fenobarbitona primidona
ou com outros indutores da glicuronidação da Lamotrigina

50mg
(uma vez ao dia)

100mg
(duas doses fracionadas)

200-400mg
(duas doses fracionadas). Para se atingir a manutenção, as doses podem ser aumentadas até 100mg a cada 1-2 semanas.



Nota: Em pacientes tomando DAEs cuja interação farmacocinética com a Lamotrigina seja desconhecida, deve ser utilizado o regime de tratamento recomendado para o uso da associação Lamotrigina/valproato.
Face ao risco de exantema (rash), a dose inicial e o escalonamento de doses subsequentes não devem ser excedidos (ver Advertências e Precauções).

Recomendações posológicas gerais para populações de pacientes especiais Mulheres tomando contraceptivos hormonais
-Iniciando o tratamento com Lamotrigina em pacientes que já estejam tomando contraceptivos hormonais:
Embora haja evidências de que os contraceptivos hormonais aumentam o clearance da Lamotrigina (ver Advertências e Precauções e Interações Medicamentosas), nenhum ajuste no escalonamento de dose de Lamotrigina deve ser necessário com base somente no uso de contraceptivos hormonais. O escalonamento das doses deve seguir as diretrizes recomendadas, baseando-se no fato de a Lamotrigina ser adicionada a valproato (um inibidor da glicuronidação da Lamotrigina) ou a um indutor da glicuronidação da Lamotrigina, ou de Lamotrigina ser adicionada na ausência de valproato ou de um indutor da glicuronidação da Lamotrigina.
-Iniciando o uso de contraceptivos hormonais em pacientes que já estejam tomando doses de manutenção de Lamotrigina e não estejam tomando substâncias indutoras da glicuronidação da Lamotrigina:
Na maioria dos casos, será necessário aumentar a dose de manutenção de Lamotrigina para valores duas vezes maiores (ver Advertências e Precauções e Interações Medicamentosas). É recomendado que, a partir do momento em que seja iniciado o uso de contraceptivos hormonais, a dose de Lamotrigina seja aumentada para até 50 a 100mg/dia a cada semana, de acordo com a resposta clínica individual. Os aumentos de dose não devem exceder esse valor, a menos que a resposta clínica indique a necessidade de acréscimos maiores.
-Interrompendo o uso de contraceptivos hormonais em pacientes que já estejam tomando doses de manutenção de Lamotrigina e não estejam tomando substâncias indutoras da glicuronidação da Lamotrigina:
Na maioria dos casos, será necessário reduzir a dose de manutenção de Lamotrigina para valores até 50% menores (ver o item Advertências e Precauções; Interações Medicamentosas). É recomendado que seja feita a redução gradual da dose diária de Lamotrigina de até 50 a 100mg a cada semana (não excedendo 25% da dose diária total semanal) pelo período de três semanas, a menos que a resposta clínica indique o contrário.

Administração com atazanavir/ritonavir
Apesar de atazanavir/ritonavir ter mostrado reduzir a concentração plasmática de Lamotrigina (ver Interações Medicamentosas), nenhum ajuste no escalonamento de dose de Lamotrigina deve ser necessário com base somente no uso de atazanavir/ritonavir. O escalonamento das doses deve seguir as diretrizes recomendadas, baseando-se no fato de a Lamotrigina ser adicionada ao valproato (um inibidor da glicuronidação da Lamotrigina) ou a um indutor da glicuronidação da Lamotrigina, ou de Lamotrigina ser adicionada na ausência de valproato ou de um indutor da glicuronidação da Lamotrigina. Em pacientes que já tomam doses de manutenção de Lamotrigina e que não utilizam indutores de glicuronidação, pode ser necessário aumentar a dose de Lamotrigina se atazanavir/ritonavir forem utilizados ou diminuir a dose se atazanavir/ritonavir forem descontinuados.

Idosos (acima de 65 anos de idade)
Nenhum ajuste de dose é necessário. A farmacocinética da Lamotrigina nesta faixa etária não difere significativamente da população de adultos não idosos.

Insuficiência hepática
As doses iniciais de escalonamento e manutenção devem ser geralmente reduzidas em aproximadamente 50% em pacientes com insuficiência hepática moderada (Child-Pugh grau B) e em 75% na insuficiência hepática grave (Child-Pugh grau C). As doses de escalonamento e manutenção devem ser ajustadas de acordo com a resposta clínica.

Insuficiência renal
Deve-se ter cautela ao administrar Lamotrigina a pacientes com insuficiência renal. Em pacientes em estágio terminal de insuficiência renal, as doses iniciais de Lamotrigina devem ser baseadas no regime de DAEs dos pacientes. Doses de manutenção reduzidas podem ser eficazes para pacientes com insuficiência renal significativa (ver Advertências e Precauções). Para informações farmacocinéticas mais detalhadas, ver Propriedades Farmacocinéticas, em Características Farmacológicas.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal