Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Diminuindo o uso excessivo de sondas vesicais de demora

Autor:

Lucas Santos Zambon

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Doutorando do HC-FMUSP. Médico da Disciplina de Emergências Clínicas do HC-FMUSP. Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 04/08/2011

Comentários de assinantes: 0

Especialidades: Infectologia

 

Área de atuação: Medicina Hospitalar / Segurança do Paciente & Qualidade Assistencial

 

Resumo: este estudo mostra como diminuir o uso indiscriminado de sondas vesicais de demora, que é o principal fator de risco para infecções urinárias hospitalares.

 

Contexto clínico

As infecções de trato urinário são o tipo de infecção hospitalar mais comum. O principal fator de risco para sua ocorrência é o uso de sonda vesical de demora (SVD), o que está envolvido em 80% dos casos. É uma sonda muito usada, sendo que cerca de 25% dos pacientes hospitalizados usam SVD. Entretanto, as estimativas são de que 21 a 31% dos pacientes em uso de SVD não precisam de fato desse dispositivo.

 

O estudo

Foi feito um projeto de qualidade para diminuir o uso desnecessário de SVD em um hospital dos EUA (Minneapolis Veterans Affairs Medical Center), após um período de dois anos de levantamento de dados quanto à prevalência do uso de SVD e identificação de SVD passadas desnecessariamente ou sem solicitação formal.

Este projeto teve várias fases. Na primeira fase, um bundle baseado em um projeto educacional para a equipe multiprofissional, com mudanças no processo e feedback foi implementado. Na segunda fase, foram feitas auditorias semanais a respeito do uso de SVD, bem como da porcentagem de SVD passadas sem indicação ou pedido formal. Durante a terceira fase, uma enfermeira dedicada ao cuidado de SVD fez pesquisas diariamente sobre a prevalência de SVD, indicações e pedido de passagem.

A prevalência diária de pacientes com SVD caiu de 15,2% na fase pré-projeto para 13,7% durante a segunda fase do projeto (p<0,001), e diminuiu para 12,1% durante a terceira fase (p=0,001). Além disso, a proporção diária de SVD passadas sem uma solicitação médica caiu de 17,2% durante a segunda fase para 5,1% durante a terceira fase (p=0,001). A proporção de SVD sem indicação caiu de 22% (fase pré-projeto) para 1,2% na terceira fase.

 

Aplicações para a prática clínica

Este interessante estudo focado na área de Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial mostra que é possível modificar uma prática desnecessária durante a hospitalização. As infecções hospitalares são causa de grande mortalidade, além de aumentar os tempos de internação e os custos do sistema de saúde (basta imaginar o gasto com antibióticos de largo espectro nesses casos).

As infecções urinárias não são as infecções nosocomiais mais graves, mas estão entre as mais comuns. Apesar do desfecho estudado neste projeto não ter sido incidência de infecções urinárias hospitalares, é possível inferir que ocorreu algum impacto neste sentido, já que o uso de SVD sem indicação declinou muito até a fase final do projeto.

Vale ressaltar aqui que o ponto mais importante do projeto, sem dúvida, foi a presença de um profissional dedicado diariamente a gerenciar as SVD nos pacientes hospitalizados. No caso deste projeto, foi utilizada uma enfermeira, o que é uma ótima sugestão para se realizar algo semelhante na prática de qualquer hospital. Deve-se considerar o custo desta intervenção, entretanto, o resultado mostra a necessidade de pessoas dedicadas ao gerenciamento dos riscos de eventos adversos aos quais o paciente hospitalizado é exposto.

 

Glossário

Bundle: um conjunto pequeno e simples de práticas baseadas em evidências que, quando executadas coletivamente e de forma confiável, melhoram os resultados de uma intervenção para os pacientes.

 

Bibliografia

1.     Knoll BM et al. Reduction of inappropriate urinary catheter use at a Veterans Affairs hospital through a multifaceted quality improvement project. Clin Infect Dis 2011 Jun 1; 52:1283. (Fator de Impacto: 8,195)

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal