Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Como usar ocitocina nas perdas sanguíneas de cesárea eletiva

Autor:

Tatiana Pfiffer Favero

Médica Assistente e Pós-graduanda do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Charité-Universitätsmedizin Berlin, Alemanha.

Última revisão: 15/02/2012

Comentários de assinantes: 0

Especialidades: Ginecologia / Obstetrícia

 

Resumo

Estudo prospectivo, randomizado, duplo-cego, placebo-controlado que objetivou avaliar os efeitos da adição da infusão de ocitocina ao bolus de ocitocina no controle da perda sanguínea relacionada ao parto cesariano eletivo.

 

Contexto clínico

O parto cesariano é uma das operações mais realizadas em mulheres mundialmente, e sua frequência tem crescido sobremaneira nas últimas décadas. Dentre as principais complicações relacionadas ao procedimento, vale destacar as síndromes hemorrágicas, geralmente asssociadas a distúrbios da contratilidade uterina. Apesar da conhecida importância do uso da ocitocina na redução do sangramento puerperal e no controle da atonia uterina no parto normal, sua utilização na cesariana ainda é motivo de investigação. A maior parte das sociedades europeias de ginecologia e obstetrícia consideram suficiente a administração de apenas 5 UI de ocitocina em bolus intravenoso logo após o nascimento da criança para controle da perda sanguínea. Contudo, a meia-vida da ocitocina é curta (4 a 10 min), não sendo, portanto, suficiente para manter o útero contraído por períodos mais prolongados. Baseados nestes efeitos fisiológicos da droga e no fato de que a maior parte das hemorragias acontecerem no pós-parto imediato, a prática recomendada nos Estados Unidos já acrescenta uma infusão de ocitocina ao bolus intravenoso. Sabendo que a ocitocina é uma substância barata, segura e bem tolerada pelos pacientes, o presente estudo procurou investigar se esta infusão adicional da medicação pode realmente diminuir tanto a ocorrência de hemorragias obstétricas graves, quanto a necessidade de utilização de outras drogas uterotônicas para prevenção da atonia uterina.

 

O estudo

Trata-se de um estudo prospectivo, randomizado, duplo-cego, placebo-controlado e multicêntrico, realizado em 5 maternidades na República da Irlanda entre fevereiro de 2008 e junho de 2010. A investigação incluiu 2.069 parturientes agendadas para cesariana eletiva, sendo excluídas gestantes com placenta prévia, miomatose uterina, trombocitopenia, coagulopatia, antecedente de hemorragia obstétrica grave prévia, uso de anticoagulantes e menores de 18 anos. As pacientes foram divididas em 2 grupos: intervenção e placebo. Mulheres do primeiro grupo receberam 5 UI de ocitocina em bolus durante 1 minuto e mais 40 UI diluídos em 500 mL de solução salina durante 4 horas. Já no grupo placebo, foi administrado o bolus com 5 UI de ocitocina e apenas solução salina sem medicação durante 4 horas. Não foi observada diferença significativa em termos da ocorrência de hemorragia obstétrica grave (perda sanguínea superior a 1.000 mL): 15,7% no primeiro grupo versus 16% no grupo placebo. Entretanto, a necessidade de uso de drogas uterotônicas adicionais foi consideravelmente maior no grupo que recebeu apenas o bolus (placebo) em relação ao que recebeu bolus e infusão (intervenção): 18,4% versus 12,2%.

 

Aplicações para a prática clínica

O estudo demonstrou que a adição da infusão de ocitocina em cesarianas eletivas diminui significativamente a necessidade do uso complementar de outros agentes uterotônicos, apesar de não reduzir a ocorrência de hemorragias obstétricas graves. Vale lembrar que a ocitocina é mais barata, bem tolerada e relativamente segura em relação a outros medicamentos uterotônicos. Os achados do presente estudo suportam a implementação da infusão adicional de ocitocina na prática clínica para reduzir as perdas sanguíneas maternas em cesarianas eletivas.

 

Bibliografia

1.   Sheehan SR, Montgomery AA, Carey M, McAuliffe FM, Eogan M, Gleeson R et al. Oxytocin bolus versus oxytocin bolus and infusion for control of blood loss at elective caesarean section: double blind, placebo controlled, randomised trial. BMJ. 2011 Aug 1;343:d4661 [link para o artigo] (Fator de Impacto: 13,471).

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal