Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Cefaléia febre e hemiparesia direita

Autores:

Rodrigo do Carmo Carvalho

Médico Neurologista no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Euclides F. de A. Cavalcanti

Médico Colaborador da Disciplina de Clínica Médica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Última revisão: 08/11/2009

Comentários de assinantes: 0

Quadro clínico

Homem de 45 anos, com diarréia crônica há 5 meses. Evoluindo há 2 semanas com cefaléia e febre e nos últimos 5 dias com hemiparesia direita e quadro confusional.

 

Ressonância nuclear magnética do paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diagnóstico

            Neurotoxoplasmose em paciente HIV positivo. A toxoplasmose é uma doença causada pelo protozoário intracelular obrigatório Toxoplasma gondii. Em pacientes HIV+, devido à imunodeficiência, ocorre a reativação de cistos, previamente adquiridos, presentes nos tecidos, em particular o parênquima cerebral.

A toxoplasmose cerebral é considerada a principal causa de lesão neurológica focal em pacientes HIV+ em nosso meio. Ocorre geralmente em pacientes com CD4 < 200 e sua incidência tem diminuído, principalmente nos países desenvolvidos, devido ao uso de profilaxia para pneumonia por Pneumocystis carinni com SMX/TMP e a introdução da HAART (terapia antiretroviral de alta potência).

O quadro clínico consiste de déficit neurológico focal progressivo e cefaléia podendo ou não se associar à febre. Os sinais e sintomas podem variar dependendo da localização da lesão, por exemplo, hemiparesia contralateral, afasia ou convulsões ou se relacionar ao edema cerebral difuso levando a sonolência, estupor ou coma.

O diagnóstico baseia-se principalmente nos achados radiológicos e na resposta a terapêutica específica. A TC e a RM de encéfalo evidenciam lesões focais, geralmente múltiplas, localizadas preferencialmente nos núcleos da base, substância branca profunda e transição córtico-subcortical, associadas a edema cerebral e realce anelar das lesões. O LCR não auxilia o diagnóstico, a não ser nos casos duvidosos, para excluir ou sugerir outros diagnósticos.

O diagnóstico clínico é confirmado pela resolução das lesões após tratamento farmacológico adequado. O diagnóstico definitivo é baseado na biópsia da lesão e só deve ser considerado nos casos que não apresentem melhora clínica e radiológica após 2-4 semanas de tratamento empírico específico.  

O tratamento clássico baseia-se na associação de pirimetamina, sulfadiazina (ou clindamicina) e ácido folínico, por 6 semanas e na subseqüente profilaxia secundária. A profilaxia secundária estará indicada nos pacientes com CD4<100 e soropositividade para IgG-toxoplasma.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal