Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Cólera

Última revisão: 18/01/2011

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS – GUIA DE BOLSO – 8ª edição revista [Link Livre para o Documento Original]

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Vigilância em Saúde

Departamento de Vigilância Epidemiológica

8ª edição revista

BRASÍLIA / DF – 2010

 

Cólera

 

CID 10: A00

 

ASPECTOS CLÍNICOS E EPIDEMIOLÓGICOS

Descrição

Infecção intestinal aguda, causada pela enterotoxina do bacilo da Cólera Vibrio cholerae, frequentemente assintomática ou oligossintomática, com diarreia leve. Pode se apresentar de forma grave, com diarreia aquosa e profusa, com ou sem vômitos, dor abdominal e câimbras. Esse quadro, quando não tratado prontamente, pode evoluir para desidratação, acidose, colapso circulatório, com choque hipovolêmico e insuficiência renal a infecção.

 

Agente Etiológico

Vibrio cholerae O1, biotipo clássico ou El Tor (sorotipos Inaba, Ogawa ou Hikogima), toxigênico, e, também, o O139. Bacilo gram-negativo, com flagelo polar, aeróbio ou anaeróbio facultativo, produtor de endotoxina.

 

Reservatório

O principal é o homem. Estudos recentes sugerem a existência de reservatórios ambientais como plantas aquáticas e frutos do mar.

 

Modo de Transmissão

Ingestão de água ou alimentos contaminados por fezes ou vômitos de doente ou portador. A contaminação pessoa a pessoa e menos importante na cadeia epidemiológica. A variedade El Tor persiste na agua por muito tempo, o que aumenta a probabilidade de manter sua transmissão e circulação.

 

Período de Incubação

De algumas horas a 5 dias. Na maioria dos casos, de 2 a 3 dias.

 

Período de Transmissibilidade

Dura enquanto houver eliminação do V. cholerae nas fezes, o que ocorre, geralmente, ate poucos dias apos a cura. Para fins de vigilância, o padrão aceito e de 20 dias. Alguns indivíduos podem permanecer portadores sadios por meses ou ate anos, situação de particular importância, já que podem se tornar responsáveis pela introdução da doença em área indene.

 

Suscetibilidade e Imunidade

A suscetibilidade é variável e aumenta na presença de fatores que diminuem a acidez gástrica (acloridria, gastrectomia, uso de alcalinizantes e outros). A infecção produz elevação de anticorpos e confere imunidade por tempo limitado, em torno de 6 meses.

 

Complicações

São decorrentes, fundamentalmente, da depleção hidrossalina imposta pela diarreia e pelos vômitos. A desidratação não corrigida levara a uma deterioração progressiva da circulação, da função renal e do balanço hidroeletrolítico, produzindo dano a todos os sistemas do organismo. Em consequência, sobrevêm choque hipovolêmico, necrose tubular renal, íleo paralítico, hipocalemia (levando a arritmias), hipoglicemia (com convulsão e coma em crianças). O aborto é comum no 3º trimestre de gestação, em casos de choque hipovolêmico. As complicações podem ser evitadas com adequada hidratação precoce.

 

Diagnóstico

Laboratorial

O V. cholerae pode ser isolado a partir da cultura de amostras de fezes de doentes ou portadores assintomáticos. A coleta do material pode ser feita por swab retal ou fecal, fezes in natura ou em papel de filtro.

 

Clínico-epidemiológico

Casos de diarreia nos quais são relacionadas variáveis com manifestações clínicas e epidemiológicas capazes de definir o diagnóstico, sem investigação laboratorial.

 

Diagnóstico Diferencial

Com todas as diarreias agudas.

 

Tratamento

Formas leves e moderadas, com soro de reidratação oral (SRO). Formas graves, com hidratação venosa e antibiótico: para menores de 8 anos, recomenda-se Sulfametoxazol (50 mg/kg/dia) + Trimetoprim (10 mg/kg/dia), via oral, de 12/12 horas, por 3 dias; para maiores de 8 anos, Tetraciclina, 500 mg, via oral, de 6/6 horas, por 3 dias; para gestantes e nutrizes, Ampicilina, 500 mg, VO, de 6/6 horas, por 3 dias.

 

Características Epidemiológicas

Atualmente, o comportamento da Cólera, no Brasil, sugere um padrão endêmico. A deficiência do abastecimento de agua tratada, destino inadequado dos dejetos, alta densidade populacional, carências de habitação, higiene inadequada, alimentação precária, educação insuficiente favorecem a ocorrência da doença. Nas áreas epidêmicas, o grupo etário mais atingido e o de maiores de 15 anos, enquanto que nas áreas endêmicas a faixa mais jovem e a mais atingida. A incidência predomina no sexo masculino, por maior exposição a contaminação ambiental. Entre os anos de 2000 e 2008, ocorreu uma redução significativa no número de casos e óbitos por Cólera no Brasil, sendo registrados, nesse período, 766 casos e 20 óbitos, todos na região Nordeste. A taxa de letalidade, em casos graves de Cólera sem tratamento adequado, pode atingir 50%, porem, quando esse é instituído, correta e precocemente, a taxa pode cair para menos de 2%. No período de 1991 a 2004, a letalidade oscilou em torno de 1,3%, apresentando desde então percentuais mais elevados. Esse aumento, no entanto, não parece estar ligado a uma deterioração do atendimento ao paciente, mas possivelmente a uma subnotificação importante de casos.

 

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Objetivos

Impedir ou dificultar a propagação da doença; reduzir a incidência e a letalidade; controlar surtos.

 

Notificação

Doença de notificação compulsória internacional, com desencadeamento de investigação epidemiológica imediatamente após o estabelecimento da suspeita.

 

Definição de Caso

Suspeito

Em áreas sem evidência de circulação do V.cholerae patogênico (sorogrupos O1 e O139):

     Qualquer indivíduo, independente da faixa etária, proveniente de áreas com ocorrência de casos de Cólera, que apresente diarreia aquosa aguda ate o 10º dia de sua chegada (tempo correspondente a duas vezes o período máximo de incubação da doença);

     Comunicantes domiciliares de caso suspeito, definido de acordo com o item anterior, que apresentem diarreia;

     Qualquer indivíduo com diarreia, independente da faixa etária, que coabite com pessoas que retornaram de áreas endêmicas ou epidêmicas, ha menos de 30 dias (tempo correspondente ao período de transmissibilidade do portador somado ao dobro do período de incubação da doença); e

     Todo indivíduo com mais de 10 anos de idade, que apresente diarreia súbita, líquida e abundante.

 

Em áreas com evidência de circulação do V. cholerae patogênico (V. cholerae O1 já isolado em pelo menos cinco amostras de casos autóctones ou de amostras ambientais):

     Qualquer indivíduo que apresente diarreia aguda, independente da faixa etária.

 

Confirmado

Critério laboratorial - Individuo com diarreia, que apresente isolamento de V. cholerae nas fezes ou vômitos.

 

Critério clínico epidemiológico

Em áreas sem evidência de circulação do V. cholerae:

Qualquer indivíduo, com 5 anos de idade ou mais, proveniente de área com circulação de V. cholerae, que apresente diarreia aquosa aguda ate o 10º dia de sua chegada.

 

Em áreas com circulação do V. cholerae:

Qualquer indivíduo, com 5 anos de idade ou mais, que apresente diarreia aguda, desde que não haja diagnostico clinico e/ou laboratorial de outra etiologia; menores de 5 anos de idade que apresentem diarreia aguda e historia de contato com caso de Cólera, num prazo de 10 dias, desde que não haja diagnóstico clinico e/ou laboratorial de outra patologia.

 

Importado

Caso cuja infecção ocorreu em área diferente daquela em que foi diagnosticado, tratado ou teve sua evolução.

 

MEDIDAS DE CONTROLE

Quando o V. cholerae é introduzido em áreas com precárias condições sanitárias, o risco de circulação é bastante elevado e, principalmente, quando não existe um bom sistema de abastecimento de agua potável para as comunidades, o principal instrumento para o controle da Cólera, e prover as populações sob risco, de adequada infraestrutura de saneamento (água, esgotamento sanitário e coleta e disposição de lixo), o que exige investimentos sociais do poder publico. A rede assistencial deve estar estruturada e capacitada para a detecção precoce e o manejo adequado dos casos. Devem-se ter cuidados com os vômitos e as fezes dos pacientes no domicílio. É importante informar sobre a necessidade da lavagem rigorosa das mãos e procedimentos básicos de higiene. Isolamento entérico nos casos hospitalizados, com desinfecção concorrente de fezes, vômitos, vestuário e roupa de cama dos pacientes.

A quimioprofilaxia de contatos não é indicada por não ser eficaz para conter a propagação dos casos. Além disso, o uso de antibiótico altera a flora intestinal, modificando a suscetibilidade a infecção, podendo provocar o aparecimento de cepas resistentes. A vacinação apresenta baixa eficácia (50%), curta duração de imunidade (3 a 6 meses) e não evita a infecção assintomática. Para vigiar e detectar precocemente a circulação do agente preconiza-se: fortalecimento da monitorização das doenças diarreicas agudas (MDDA), nos municípios do país, e a monitorização ambiental para pesquisa de V. cholerae, no ambiente. É importante ressaltar que no caso do V. cholerae El Tor, a relação entre doentes e assintomáticos é muito alta, podendo haver de 30 a 100 assintomáticos para cada indivíduo doente; assim, as medidas de prevenção e controle devem ser direcionadas a toda a comunidade, para garantir o impacto desejado.

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal