FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Filtrar

Veja também o resultado via

Exibir resultados de:

Filtrar por:

Resultados de Busca

Sua busca por "Polipo no Colon" obteve 9 resultados.

Página:  de 1

29/03/2016

Casos Clínicos

Pólipo no cólon

...na. Os pólipos são geralmente assintomáticos, mas podem ulcerar e sangrar, causar tenesmo se no reto, e, quando muito grande, produzir obstrução intestinal. Pólipos do cólon são geralmente classificados como não neoplásicas, hamartomatosos, neoplásicos (adenomas e carcinomas), serrilhados (os quais podem ser neoplásicos ou não neoplásicos), e submucosos (os quais podem ser neoplásicos ou não neop......

Ver Índice

14/03/2013

Revisões Internacionais

Câncer colorretal – Bernard Levin

...esultados do programa Custo-efetividade da avaliação do câncer colorretal Análises da custo-efetividade dos programas de avaliação do câncer colorretal foram realizadas para fornecer uma base para a tomada de decisões legislativas e criar planos de saúde. A custo-efetividade da avaliação do câncer colorretal foi estimada em aproximadamente U$ 20.000 a 40.000,00 por ano de vida ganho. Estes va......

Ver Índice

04/09/2009

Revisões

Sangramento Genital Anormal

... sendo o sangramento uterino o quadro inicial em 80% dos casos de câncer de endométrio. Na anamnese, é importante caracterizar o perfil de risco da paciente, por meio de fatores como uso de estrogênios isolados, tamoxifeno, síndrome dos ovários policísticos (SOP), obesidade, infertilidade, nuliparidade e antecedentes familiares de neoplasia de endométrio e/ou cólon. Dentre as causas benignas de s......

Ver Índice

11/02/2016

Casos Clínicos

Pólipo na Vesícula Biliar

...as (a presença das quais é referida como "adenomiomatose"), e pólipos inflamatórios. Colesterolose e adenomiomatose são anomalias da mucosa da vesícula biliar. A lesão maligna mais comum na vesícula biliar é o adenocarcinoma. Adenocarcinomas da vesícula biliar são muito mais comuns do que os adenomas da vesícula biliar, em contraste com o cólon onde adenomas são muito mais comuns do que os adenoc......

Ver Índice

13/11/2017

Casos Clínicos

Adenocarcinoma de Reto

...rassom endoscópico transrectal. Recomenda-se a realização de uma tomografia computadorizada contrastada do tórax, abdome e pélvis para avaliar metástases à distância em todos os pacientes com um novo diagnóstico de câncer retal invasivo, com exceção dos pacientes com pólipo maligno completamente ressecado sem invasão além da submucosa (pT1N0), características histológicas favoráveis e margens cla......

Ver Índice

13/06/2010

Revisões

Algia Pélvica Crônica

...nte, muitas mulheres são submetidas a cirurgia, mas permanecem com a mesma dor no pós-operatório. ETIOLOGIA É importante ressaltar que a algia pélvica crônica é um sintoma, e não uma doença. Assim, a etiologia da dor deve ser investigada. Aproximadamente 90% dos casos de dor pélvica crônica que possuem diagnóstico específico se devem a doenças ginecológicas, seguidas por afecções gastrointest......

Ver Índice

30/01/2013

Revisões

Problemas comuns anorretais

...orroida; mesmo casos de condiloma acuminado no local não têm correlação clínica, já que podem estar relacionados a outras práticas sexuais. História de traumas locais podem também causar sangramentos na área. A história familiar deve investigar a ocorrência de polipose adenomatosa familiar e neoplasias retais na família. Além desses aspectos, uma exploração pelo enten......

Ver Índice

10/10/2013

Revisões Internacionais

Cálculos biliares e doença do trato biliar – Kimberly M. Persley, Rajeev Jain

...ina, ou ambas, > equivalente a 2 vezes os níveis normais em pelo menos 2 ocasiões) C. Drenagem tardia da injeção de contraste durante a CPRE (> 45 min) D. Ducto colédoco dilatado (> 12 mm) Classificação baseada nos critérios descritos Biliar de tipo I: critérios A a D presentes; DEO presente em 80 a 90% dos pacientes Biliar de tipo II: critério A e mais 1 ou 2 cri......

Ver Índice

29/01/2016

Revisões Internacionais

Genética molecular do câncer

...da mutação somática de genes que codificam as próprias quinases AKT e PI3. Os genes que codificam as proteínas inibidoras de mTORC1 – TSC1 e TSC2 – sofrem mutações na síndrome de esclerose tuberosa. O complexo mTORC1 promove a translação proteica e o crescimento celular por meio da fosforilação de substratos, incluindo as proteínas quinases S6 ribossômicas (S6K) e a proteína de ligação eIF-4E do f......

Ver Índice

Página:  de 1

Índice

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal

×
×

Em função da pandemia do Coronavírus informamos que não estaremos prestando atendimento telefônico temporariamente. Permanecemos com suporte aos nossos inscritos através do e-mail info@medicinanet.com.br.