FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Hanseníase

Última revisão: 30/01/2011

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS – GUIA DE BOLSO – 8ª edição revista [Link Livre para o Documento Original]

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Vigilância em Saúde

Departamento de Vigilância Epidemiológica

8ª edição revista

BRASÍLIA / DF – 2010

 

Hanseníase

 

CID 10: A30

 

ASPECTOS CLÍNICOS E EPIDEMIOLÓGICOS

Descrição

Doença crônica granulomatosa, proveniente de infecção causada pelo Mycobacterium leprae. Esse bacilo tem a capacidade de infectar grande número de indivíduos (alta infectividade), no entanto poucos adoecem (baixa patogenicidade); essas propriedades dependem de, além das características intrínsecas do bacilo, de sua relação com o hospedeiro e o grau de endemicidade do meio. O alto potencial incapacitante da Hanseníase está diretamente relacionado ao poder imunogênico do M. leprae.

 

Sinonímia

Mal de Hansen. Antigamente, a doença era conhecida como lepra.

 

Agente Etiológico

Mycobacterium leprae, bacilo álcool-ácido resistente, intracelular obrigatório, sendo a única espécie de micobactéria que infecta nervos periféricos, especificamente células de Schwann.

 

Reservatório

O homem, reconhecido como única fonte de infecção, embora tenham sido identificados animais naturalmente infectados.

 

Modo de Transmissão

A principal via de eliminação dos bacilos dos pacientes multibacilares (virchowianos e dimorfos) é a aérea superior, sendo, também, o trato respiratório a mais provável via de entrada do M. leprae no corpo.

 

Período de Incubação

Em média, 2 a 7 anos. Há referências a períodos mais curtos, de 7 meses, como também mais longos, de 10 anos.

 

Características Epidemiológicas

Tem baixa letalidade e baixa mortalidade, podendo ocorrer em qualquer idade, raça ou gênero. Observa-se relação entre endemicidade e baixos índices de desenvolvimento humano. A Hanseníase apresenta tendência de estabilização dos coeficientes de detecção no Brasil, mas ainda em patamares muito altos nas regiões Norte, Centro-oeste e Nordeste. O coeficiente de detecção de casos novos é função da incidência real de casos e da agilidade diagnóstica dos serviços de saúde. O valor médio deste indicador para o Brasil oscilou de 29,37/100.000 habitantes, em 2003, para 20,52/100.000 habitantes, em 2008. Observou-se, no período, uma maior ocorrência de casos nas regiões Norte e Centro-oeste, seguidas da região Nordeste.

 

Período de Transmissibilidade

Os pacientes multibacilares (MB) podem transmitir a infecção enquanto o tratamento específico não for iniciado.

 

Definição de Caso

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), toda pessoa que apresenta um ou mais dos critérios listados a seguir, com ou sem história epidemiológica e que requer tratamento quimioterápico específico: lesões de pele com alteração de sensibilidade; espessamento de nervo(s) periférico(s), acompanhado de alteração de sensibilidade; e baciloscopia positiva para bacilo de Hansen.

 

Diagnóstico

O diagnóstico é clínico e epidemiológico, realizado por meio da analise da historia e condições de vida do paciente, do exame dermatoneurológico, para identificar lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade e/ou comprometimento de nervos periféricos (sensitivo, motor e/ou autonômico). Os casos com suspeita de comprometimento neural, sem lesão cutânea (suspeita de Hanseníase neural pura), e aqueles que apresentam área com alteração sensitiva e/ou autonômica duvidosa e sem lesão cutânea evidente deverão ser encaminhados para unidades de saúde de maior complexidade para confirmação diagnóstica. Em crianças, o diagnóstico da Hanseníase exige exame criterioso, diante da dificuldade de aplicação e interpretação dos testes de sensibilidade. Nesse caso, recomenda-se utilizar o “Protocolo Complementar de Investigação Diagnóstica de Casos de Hanseníase em Menores de 15 Anos” (Portaria SVS/SAS/MS n. 125, de 26 de marco de 2009).

A classificação operacional do caso de Hanseníase, visando o tratamento com poliquimioterapia é baseada no número de lesões cutâneas de acordo com os seguintes critérios:

 

     Paucibacilar (PB) - Casos com até 5 lesões de pele;

     Multibacilar (MB) - Casos com mais de 5 lesões de pele.

 

Diagnóstico Laboratorial

Exame baciloscópico - A baciloscopia de pele (esfregaço intradérmico), quando disponível, deve ser utilizada como exame complementar para a classificação dos casos em PB ou MB. A baciloscopia positiva classifica o caso como MB, independentemente do número de lesões.

 

Observação: O resultado negativo da baciloscopia não exclui o diagnóstico de Hanseníase.

 

Diagnóstico Diferencial

As seguintes dermatoses podem se assemelhar a algumas formas e reações de Hanseníase e exigem segura diferenciação: eczemátides, nevo acrômico, pitiríase versicolor, vitiligo, pitiríase rósea de Gilbert, eritema solar, eritrodermias e eritemas difusos vários, psoríase, eritema polimorfo, eritema nodoso, eritemas anulares, granuloma anular, lúpus eritematoso, farmacodermias, fotodermatites polimorfas, pelagra, sífilis, alopecia areata (pelada), sarcoidose, Tuberculose, xantomas, hemoblastoses, esclerodermias, neurofibromatose de Von Recklinghausen.

 

Complicações

Reações Hansênicas

Os estados reacionais ou reações hansênicas são alterações do sistema imunológico, que se exteriorizam como manifestações inflamatórias agudas e subagudas, que podem ocorrer mais frequentemente nos casos MB. Elas podem ocorrer antes (às vezes, levando a suspeição diagnóstica de Hanseníase), durante ou depois do tratamento com Poliquimioterapia (PQT):

 

     Reação Tipo 1 ou reação reversa (RR) - Caracteriza-se pelo aparecimento de novas lesões dermatológicas (manchas ou placas), infiltração, alterações de cor e edema nas lesões antigas, com ou sem espessamento e dor de nervos periféricos (neurite).

     Reação Tipo 2, cuja manifestação clínica mais frequente é o eritema nodoso hansênico (ENH) - Caracteriza-se por apresentar nódulos subcutâneos dolorosos, acompanhados ou não de febre, dores articulares e mal-estar generalizado, com ou sem espessamento e dor de nervos periféricos (neurite).

 

Os estados reacionais são a principal causa de lesões dos nervos e de incapacidades provocadas pela Hanseníase. Portanto, é importante que o diagnóstico das reações seja feito precocemente, para se dar início imediato ao tratamento, visando prevenir essas incapacidades.

Frente a suspeita de reação hansênica, recomenda-se:

 

     Confirmar o diagnóstico de Hanseníase e fazer a classificação operacional;

     Diferenciar o tipo de reação hansênica;

     Investigar fatores predisponentes (infecções, infestações, distúrbios hormonais, fatores emocionais e outros).

 

O diagnóstico dos estados reacionais é realizado através do exame físico geral e dermatoneurológico do paciente. Tais procedimentos são também fundamentais para o monitoramento do comprometimento de nervos periféricos e avaliação da terapêutica antirreacional.

A identificação dos mesmos não contraindica o inicio do tratamento (PQT/OMS). Se os estados reacionais aparecerem durante o tratamento, esse não deve ser interrompido, mesmo porque reduz significativamente a frequência e a gravidade dos mesmos. Se forem observados após o tratamento especifico para a Hanseníase, não é necessário reinicia-lo e sim iniciar a terapêutica antirreacional.

 

Tratamento

Os pacientes devem ser tratados em regime ambulatorial. Nos serviços básicos de saúde, administra-se uma associação de medicamentos, a poliquimioterapia (PQT/OMS). A PQT/OMS mata o bacilo e evita a evolução da doença, prevenindo as incapacidades e deformidades por ela causadas, levando a cura. É administrada através de esquema padrão, de acordo com a classificação operacional do doente em paucibacilar e multibacilar (Quadros 13, 14 e 15). A informação sobre a classificação do doente é fundamental para se selecionar o esquema de tratamento adequado ao seu caso. Para crianças com Hanseníase, a dose dos medicamentos do esquema padrão e ajustada de acordo com a idade e peso. Já no caso de pessoas com intolerância a um dos medicamentos do esquema padrão, são indicados esquemas alternativos. A alta por cura é dada após a administração do número de doses preconizado pelo esquema terapêutico, dentro do prazo recomendado.

 

Quadro 13. Esquemas terapêuticos padronizados

Faixa

Cartela PB

Cartela MB

Adulto

Rifampicina (RFM): cápsula de 300 mg (2)

Rifampicina (RFM): cápsula de 300 mg (2)

Dapsona (DDS): comprimido de 100 mg (28)

Dapsona (DDS): comprimido de 100 mg (28)

Clofazimina (CFZ): cápsula de 100 mg (3) e cápsula de 50 mg (27)

Criança

Rifampicina (RFM): cápsula de 150 mg (1) e cápsula de 300 mg (1)

Rifampicina (RFM): cápsula de 150 mg (1) e cápsula de 300 mg (1)

Dapsona (DDS): comprimido de 50 mg (28)

Dapsona (DDS): comprimido de 50 mg (28)

Clofazimina (CFZ): cápsula de 50 mg (16)

Nota: a gravidez e o aleitamento não contraindicam o tratamento PQT.

 

Quadro 14. Esquemas terapêuticos utilizados para Paucibacilar: 6 cartelas

Adulto

Rifampicina (RFM): dose mensal de 600 mg (2 cápsulas de 300 mg), com administração supervisionada

Dapsona (DDS): dose mensal de 100 mg, supervisionada, e dose diária de 100 mg, autoadministrada

Criança

Rifampicina (RFM): dose mensal de 450 mg (1 cápsula de 150 mg e 1 cápsula de 300 mg), com administração supervisionada

Dapsona (DDS): dose mensal de 50 mg, supervisionada, e dose diária de 50 mg, autoadministrada

Duração: 6 doses.

Seguimento dos casos: comparecimento mensal para dose supervisionada.

Critério de alta: o tratamento estará concluído com 6 doses supervisionadas, em até 9 meses. Na 6ª dose, os pacientes deverão ser submetidos ao exame dermatológico, avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade física e receber alta por cura.

 

Quadro 15. Esquemas terapêuticos utilizados para Multibacilar: 12 cartelas

Adulto

Rifampicina (RFM): dose mensal de 600 mg (2 cápsulas de 300 mg), com administração supervisionada

Dapsona (DDS): dose mensal de 100 mg, supervisionada, e dose diária de 100 mg, autoadministrada

Clofazimina (CFZ): dose mensal de 300 mg (3 cápsulas de 100 mg), com administração supervisionada, e uma dose diária de 50 mg, autoadministrada

Criança

Rifampicina (RFM): dose mensal de 450 mg (1 cápsula de 150 mg e 1 cápsula de 300 mg), com administração supervisionada

Dapsona (DDS): dose mensal de 50 mg, supervisionada, e dose diária de 50 mg, autoadministrada

Clofazimina (CFZ): dose mensal de 150 mg (3 cápsulas de 50 mg), com administração supervisionada, e uma dose de 50 mg, autoadministrada, em dias alternados

Duração: 12 doses.

Seguimento dos casos: comparecimento mensal para dose supervisionada.

Critério de alta: o tratamento estará concluído com 12 doses supervisionadas, em até 18 meses. Na 12ª dose, os pacientes deverão ser submetidos ao exame dermatológico, avaliação neurológica simplificada e do grau de incapacidade física, e receber alta por cura. Os pacientes MB que não apresentarem melhora clínica, ao final do tratamento preconizado de 12 doses (cartelas), deverão ser encaminhados para avaliação nas unidades de maior complexidade, para verificar a necessidade de um segundo ciclo de tratamento, com 12 doses.

 

Notas: em crianças ou adultos com peso inferior a 30 kg, ajustar a dose de acordo com o peso conforme as orientações do Quadro 16.

 

Quadro 16. Esquemas terapêuticos utilizados para crianças ou adultos com peso inferior a 30 kg

Dose mensal

Dose diária

Rifampicina (RFM) – 10 a 20 mg/kg

Dapsona (DDS) – 1,5 mg/kg

Dapsona (DDS) – 1,5 mg/kg

Clofazimina (CFZ) – 5 mg/kg

Clofazimina (CFZ) – 1 mg/kg

 

     Nos casos de Hanseníase neural pura, o tratamento com PQT dependerá da classificação (PB ou MB), conforme avaliação do centro de referência; além disso, faz-se o tratamento adequado do dano neural. Os pacientes deverão ser orientados para retorno imediato a unidade de saúde, em caso de aparecimento de lesões de pele e/ou de dores nos trajetos dos nervos periféricos e/ou piora da função sensitiva e/ou motora, mesmo após a alta por cura.

     Em mulheres na idade reprodutiva, deve-se atentar ao fato que a Rifampicina pode interagir com anticoncepcionais orais, diminuindo a sua ação.

 

Efeitos Adversos das Drogas

O uso da Rifampicina pode acarretar efeitos cutâneos, gastrointestinais, hepáticos, hematopoiéticos. A Clofazimina acarreta efeitos cutâneos com ressecamento da pele, ictiose, coloração avermelhada. Alterações gastrointestinais também podem estar presentes, com diminuição da peristalse e dor abdominal, devido ao deposito de cristais de Clofazimina nas submucosas e linfonodos intestinais, resultando na inflamação da porção terminal do intestino delgado. A Dapsona pode apresentar efeitos cutâneos (síndrome de Stevens-Johnson, dermatite esfoliativa ou eritrodermia), hepáticos, fenômenos hemolíticos, dentre outros. As drogas utilizadas no tratamento dos episódios reacionais (Talidomida e corticosteroides) necessitam de monitoramento clínico. A equipe de saúde deve estar sempre atenta para a possibilidade de ocorrência de efeitos colaterais dos medicamentos utilizados na PQT e no tratamento dos estados reacionais, devendo realizar imediatamente a conduta adequada.

 

Tratamento de Reações Hansênicas

Para o tratamento das reações hansênicas é imprescindível diferenciar o tipo de reação hansênica, avaliar a extensão do comprometimento de nervos periféricos, órgãos e outros sistemas; investigar e controlar fatores potencialmente capazes de desencadear os estados reacionais, conhecer as contraindicações e os efeitos adversos dos medicamentos utilizados no tratamento da Hanseníase e em seus estados reacionais, instituir, precocemente, a terapêutica medicamentosa e medidas coadjuvantes adequadas visando à prevenção de incapacidades, encaminhar os casos graves para internação hospitalar.

 

Atenção: A ocorrência de reações hansênicas não contraindica o inicio da PQT/OMS, não implica na sua interrupção e não é indicação de reinício da PQT, se o paciente já houver concluído seu tratamento. As reações com ou sem neurites devem ser diagnosticadas por meio da investigação cuidadosa dos sinais e sintomas específicos, valorização das queixas e exame físico geral, com ênfase na avaliação dermatológica e neurológica simplificada. Essas ocorrências deverão ser consideradas como situações de urgência e encaminhadas às unidades de maior complexidade para tratamento nas primeiras 24 horas. Nas situações onde há dificuldade de encaminhamento imediato, os seguintes procedimentos deverão ser aplicados até a avaliação:

 

     Orientar repouso do membro afetado, em caso de suspeita de neurite;

     Iniciar prednisona na dose de 1 a 2 mg/kg peso/dia, devendo-se tomar as seguintes precauções para a sua utilização: garantia de acompanhamento médico, registro do peso, da pressão arterial, da taxa de glicose no sangue, tratamentos profiláticos da estrongiloidíase e da osteoporose.

 

O acompanhamento dos casos com reação devera ser realizado por profissionais com maior experiência ou por unidades de maior complexidade. Para o encaminhamento, devera ser utilizada a ficha de referência/contrarreferência padronizada pelo município, contendo todas as informações necessárias, incluindo a data do inicio do tratamento, esquema terapêutico, número de doses administradas e o tempo de tratamento. O tratamento dos estados reacionais é geralmente ambulatorial e deve ser prescrito e supervisionado por um medico.

 

     Reação Tipo 1 ou reação reversa (RR) - Iniciar Prednisona na dose de 1 a 2mg/kg/dia, conforme avaliação clínica; manter a poliquimioterapia, se o doente ainda estiver em tratamento especifico; imobilizar o membro afetado com tala gessada, em caso de neurite associada; monitorar a função neural sensitiva e motora; reduzir a dose de corticoide, conforme resposta terapêutica; programar e realizar ações de prevenção de incapacidades.

 

Na utilização da Prednisona, devem ser tomadas algumas precauções: registro do peso, da pressão arterial e da taxa de glicose no sangue para controle; fazer o tratamento antiparasitário com medicamento específico para Strongiloydes stercoralis, prevenindo a disseminação sistêmica desse parasita (Tiabendazol 50mg/kg/dia, em 3 tomadas, por 2 dias, ou 1,5g/dose única; ou Albendazol, na dose de 400mg/dia, durante 3 dias consecutivos). A profilaxia da osteoporose deve ser feita com cálcio 1.000 mg/dia, vitamina D 400-800 UI/dia ou bifosfonatos (por exemplo, alendronato 10 mg/dia, administrado com água, pela manha, em jejum). Recomenda-se que o desjejum ou outra alimentação matinal ocorra, no mínimo, 30 minutos após a ingestão do comprimido da alendronato.

 

     Reação Tipo 2 ou eritema nodoso hansênico (ENH) - A Talidomida é a droga de escolha na dose de 100 a 400mg/dia, conforme a intensidade do quadro (para mulheres em idade fértil, observar a Lei no 10.651, de 16 de abril de 2003, que dispõe sobre o uso da talidomida). Na impossibilidade do seu uso, prescrever prednisona, na dose 1 a 2mg/kg/dia: manter a poliquimioterapia, se o doente ainda estiver em tratamento especifico; introduzir corticosteroide em caso de comprometimento neural, segundo o esquema já referido; imobilizar o membro afetado em caso de neurite associada; monitorar a função neural sensitiva e motora; reduzir a dose da talidomida e/ou do corticoide, conforme resposta terapêutica; programar e realizar ações de prevenção de incapacidades. A corticoterapia está indicada em mulheres grávidas e sob risco de engravidar: irite ou iridociclite; orquiepididimite; mãos e pés reacionais: glomerulonefrite; eritema nodoso necrotizante; vasculites; artrite: contraindicações da Talidomida.

-      Conduta nos casos de reação crônica ou subintrante: a reação subintrante é a reação intermitente, cujos surtos são tão frequentes que, antes de terminado um, surge o outro. Esses casos respondem ao tratamento com corticosteroides e/ou Talidomida, mas, tão logo a dose seja reduzida ou retirada, a fase aguda recrudesce. Nesses casos recomenda-se: observar a coexistência de fatores desencadeantes, como parasitose intestinal, infecções concomitantes, carie dentária, estresse emocional; utilizar a Clofazimina, associada ao corticosteroide, no seguinte esquema: Clofazimina em dose inicial de 300 mg/dia por 30 dias, 200 mg/dia por mais 30 dias e 100 mg/dia por mais 30 dias.

-      Esquema terapêutico alternativo para reação tipo 2: utilizar a Pentoxifilina, na dose de 1.200 mg/dia, dividida em doses de 400 mg de 8/8 horas, associada ou não ao corticoide. Pode ser uma opção para os casos onde a talidomida for contraindicada, como em mulheres em idade fértil. A Pentoxifilina pode beneficiar os quadros com predomínio de vasculites.

 

Reduzir a dose conforme resposta terapêutica, após pelo menos 30 dias, observando a regressão dos sinais e sintomas gerais e dermatoneurológicos.

Os centros de referência deverão avaliar outras condições como pacientes com dores persistentes e indicações para tratamento cirúrgico das neurites.

 

Recidiva

Os casos de recidiva em Hanseníase são raros em pacientes tratados regularmente, com os esquemas poliquimioterápicos. Geralmente, ocorrem em período superior a 5 anos após a cura. É considerado um caso de recidiva aquele que completar com êxito o tratamento PQT/OMS e que, depois, venha, eventualmente, desenvolver novos sinais e sintomas da doença. Neste caso, o tratamento, devera ser repetido integralmente, de acordo com a classificação paucibacilar ou multibacilar. Deve haver a administração regular dos medicamentos, pelo tempo estipulado no esquema.

 

Critérios Clínicos para a Suspeição de Recidiva

O diagnóstico diferencial entre reação e recidiva devera ser baseado na associação de exames clínico e laboratoriais, especialmente, a baciloscopia, nos casos MB. Os casos que não responderem ao tratamento proposto para os estados reacionais deverão ser encaminhados a unidades de referência para confirmação de recidiva.

Os critérios clínicos, para o diagnóstico de recidiva, segundo a classificação operacional são:

 

     Paucibacilares (PB) - Paciente que, após alta por cura, apresentar dor no trajeto de nervos, novas áreas com alterações de sensibilidade, lesões novas e/ou exacerbação de lesões anteriores, que não respondem ao tratamento com corticosteroide, por pelo menos 90 dias.

     Multibacilares (MB) - Paciente que, após alta por cura, apresentar: lesões cutâneas e/ou exacerbação de lesões antigas; novas alterações neurológicas, que não respondem ao tratamento com Talidomida e/ou corticosteroide nas doses e prazos recomendados; baciloscopia positiva; ou quadro clínico compatível com pacientes virgens de tratamento.

 

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Objetivos

Detectar e tratar precocemente os casos novos, para interromper a cadeia de transmissão e prevenir as incapacidades físicas e realizar exames dermatoneurológicos de todos os contatos de casos de Hanseníase, com o objetivo de detectar novos casos e iniciar o tratamento o mais precocemente possível, evitando a ocorrência de outros casos.

 

Notificação

Doença de notificação compulsória em todo território nacional e de investigação obrigatória.

 

MEDIDAS DE CONTROLE

Diagnóstico Precoce dos Casos

A descoberta de caso é por meio da detecção ativa e passiva (demanda espontânea e encaminhamento). A detecção ativa consiste na busca sistemática de doentes, pela equipe da unidade de saúde, através das ações de investigação epidemiológica, exame de coletividade, com inquéritos e campanhas; exame da demanda espontânea aos serviços gerais de unidade de saúde, por outros motivos que não sinais e sintomas dermatológicos ou neurológicos; exame de grupos específicos, em prisões, quarteis, escolas, de pessoas que se submetem a exames periódicos, entre outros; mobilização da comunidade adstrita à unidade, em todas essas situações, deve ser realizado o exame dermatoneurológico para o diagnóstico de Hanseníase.

 

Vigilância de Casos em Menores de 15 Anos

As unidades de saúde dos municípios, diante de um caso suspeito de Hanseníase em menores de 15 anos, devem preencher o “Protocolo Complementar de Investigação Diagnóstica de Casos de Hanseníase em Menores de 15 Anos” (Anexo II, da Portaria SVS/SAS/MS no 125/2009) e, se confirmado o caso, remeter esse protocolo a SMS, com a ficha de notificação do Sinan, anexando copia no prontuário do paciente.

 

Vigilância de Recidivas

As unidades de saúde dos municípios, diante de um caso suspeito de recidiva, devem preencher a “ficha de intercorrências pós-alta por cura” (Anexo VI, da Portaria SVS/SAS/MS no 125/2009) e, encaminhar o caso para a unidade de referência mais próxima. Uma vez confirmado o caso, remeter a ficha para a secretaria municipal de saúde, juntamente com a ficha de notificação do Sinan, anexando copia no prontuário do paciente.

 

Áreas de Ex-colônias de Hanseníase

As populações que habitam estas colônias devem ser alvo das ações de vigilância e controle de Hanseníase.

 

Prevenção de Incapacidades

Todos os casos de Hanseníase, independentemente da forma clínica, deverão ser avaliados quanto ao grau de incapacidade no momento do diagnóstico e, no mínimo, uma vez por ano, inclusive na alta por cura. Toda atenção deve ser dada ao diagnóstico precoce do comprometimento neural. A melhor forma de prevenir incapacidades e fazer o tratamento poliquimioterápico, de modo regular e completo.

 

Vacinação BCG (Bacilo de Calmette-Guërin)

Recomendações

A vacina BCG-ID devera ser aplicada nos contatos intradomiciliares, sem presença de sinais e sintomas de Hanseníase, no momento da avaliação, independentemente de serem contatos de casos PB ou MB. A aplicação da vacina BCG depende da historia vacinal: se o contato não possuir cicatriz vacinal de BCG, devera ser prescrita uma dose da vacina BCG. Caso possua uma cicatriz de BCG, devera ser prescrita uma dose adicional de vacina BCG. Caso possua duas cicatrizes vacinais, não devera receber nenhuma dose da vacina BCG.

 

Atenção: Todo contato de Hanseníase deve receber orientação de que a BCG não é uma vacina especifica para este agravo e, nesse grupo, é destinada, prioritariamente, aos contatos intradomiciliares.

 

Notas

     Contratos intradomiciliares de Hanseníase com menos de 1 ano de idade, já vacinados, não necessitam da aplicação de outra dose de BCG.

     Contratos intradomiciliares de Hanseníase com mais de 1 ano de idade, já vacinados com a primeira dose, devem seguir as instruções descritas anteriormente.

     Na incerteza de cicatriz vacinal ao exame dos contatos intradomiciliares, recomenda-se aplicar uma dose, independentemente da idade.

 

As contraindicações para aplicação da vacina BCG são as mesmas referidas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), disponíveis no seguinte endereço eletrônico: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_pos-vacinacao.pdf.

E importante considerar a situação de risco dos contatos possivelmente expostos ao HIV e outras situações de imunodepressão, incluindo corticoterapia. Para pessoas HIV positivas ou com AIDS, devem ser seguidas as recomendações específicas para imunização com agentes biológicos vivos ou atenuados disponíveis no seguinte endereço eletrônico: www.aids.gov.br/final/biblioteca/imunização/imuniza.htm.

 

Educação em Saúde

A comunicação e educação em saúde é um dos componentes estruturantes do Programa Nacional de Controle da Hanseníase, compreendendo três eixos: ações de comunicação em saúde; educação permanente; e mobilização social. Essas ações devem ser conduzidas sempre em consonância com as politicas vigentes.

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

 

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal