Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Sulfato Ferroso

Última revisão: 07/04/2010

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

Formulário Terapêutico Nacional 2008: Rename 2006 [Link Livre para o Documento Original]

Série B. Textos Básicos de Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos

Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos

Brasília / DF – 2008

 

Sulfato Ferroso

 

Caroline Batista Franco Ribeiro

 

Na Rename 2006: itens 11 e 14.1

 

APRESENTAÇÕES

      Comprimido de 40 mg de Fe++.

      Solução oral 25 mg de Fe++/mL.

 

INDICAÇÕES1-6

      Profilaxia em estados de deficiência de ferro (em situações de aumento da demanda, como gravidez, lactação, fases de crescimento rápido, recém-nascidos com baixo peso e lactentes alimentados com fórmulas lácteas).

      Tratamento de anemia ferropriva (conseqüente a sangramentos agudos ou crônicos em hipermenorréia, metrorragia, hematúria, hemoglobinúria, hemossiderose, hemoptise, epistaxes recorrentes, traumatismos e sangramento secundário a esofagite de refluxo, úlcera péptica, gastrite, neoplasias e parasitoses).

      Tratamento de anemia ferropriva (devida à má-absorção que ocorre em doença celíaca, gastrectomia, anemia perniciosa com atrofia gástrica, doença inflamatória crônica e, menos freqüentemente, por déficit dietético).

 

CONTRA-INDICAÇÕES1-6

      Hemossiderose, hemocromatose, hemoglobinopatias.

      Anemias não associadas à deficiência de ferro.

      Pacientes submetidos a repetidas transfusões sangüíneas.

      Ferroterapia parenteral.

      Hipersensibilidade ao ferro.

      Sobrecarga de ferro no organismo.

      Porfiria cutânea tardia.

 

PRECAUÇÕES1,4-6

      Não deve ser administrado por mais de seis meses.

      Cautela em pacientes com úlcera péptica, enterite regional, colite ulcerativa, estreitamento intestinal, divertiIculose.

      Redução da função hepática, insuficiência renal crônica, doença de Hodgkin, artrite reumatóide e alcoolismo são condições que levam a acúmulo de ferro.

      Sulfato Ferroso pode causar resultados falso-negativos em testes com glicose oxidase.

      Monitorizar concentrações plasmáticas de ferritina e ferro para reconhecer e prevenir a hemossiderose.

      Sobredosagem de ferro em crianças é mais comum do que em adultos, usualmente acidental e podendo causar efeitos tóxicos.

      Idosos podem requerer doses orais maiores de ferro para corrigir anemia.

 

ESQUEMAS DE ADMINISTRAÇÃO1-3,5

Adultos

Profilaxia em Situações que Podem Ocasionar Deficiência de Ferro (Exceto Gravidez)

      200 mg (equivalente a 40 mg de ferro elementar), uma ou duas vezes ao dia.

 

Suplementação de Ferro na Gravidez

      25 mg/dia são eficazes na prevenção da deficiência de ferro em 80-90% das gestantes.

 

Tratamento de Anemia Ferropriva

      180 mg/dia de ferro elementar, por via oral, divididos em 3 a 4 tomadas diárias.

      Após serem atingidos os níveis normais de hemoglobina, o tratamento deve ser continuado por mais 3 meses para repor o estoque de ferro do organismo.

 

Tratamento de Anemia Ferropriva (em Pacientes em uso de Eritropoietina e Submetidos a Hemodiálise)

      Iniciar com dose oral de pelo menos 200 mg de ferro elementar por dia, divididos em duas ou três doses.

      Se não forem atingidos níveis de saturação de transferrina (pelo menos 20%) e valores apropriados de ferritina sérica (pelo menos 100 nanogramas/mL), hemoglobina (11 a 12 g/dL) e hematócrito (33 a 36%), recomenda-se administração de ferro intravenoso.

 

Adolescentes

Suplementação de Ferro na Gravidez

      25 mg/dia são eficazes na prevenção da deficiência de ferro em 80-90% das gestantes.

 

Tratamento de Anemia Ferropriva

      50-60 mg de ferro elementar, por via oral, 1-2 vezes por semana, durante 12 semanas.

 

Crianças

Profilaxia em Situações que Podem Ocasionar Deficiência de Ferro

      Maiores de 5 anos: 2 mg/kg/dia de ferro elementar (máximo de 30 mg), por via oral.

      Menores de 5 anos: 30 mg/dia de ferro elementar, por via oral.

      Prematuros: dose inicial, 2 mg/kg/dia de ferro elementar (máximo de 15 mg), por via oral, divididos em 1-3 doses. Após, 1 mg/kg/dia.

      Lactentes: 1-2 mg/kg/dia de ferro elementar (máximo de 15 mg), por via oral, divididos em 1-3 doses.

 

Tratamento de Anemia Ferropriva

      Prematuros: 2-4 mg/kg/dia de ferro elementar (máximo de 15 mg), por via oral, divididos em 3 doses.

      Lactentes e crianças: 3-6 mg/kg/dia de ferro elementar, por via oral, divididos em 1-3 doses.

      A suplementação de ferro também pode ser requerida para produzir resposta ótima à eritropoietina em crianças deficientes de ferro com insuficiência renal crônica ou em crianças prematuras.

 

ASPECTOS FARMACOCINÉTICOS CLINICAMENTE RELEVANTES1,2,4-6

      Sais ferrosos são melhor absorvidos do que sais férricos.

      O ferro é irregularmente e incompletamente absorvido no trato gastrintestinal; a secreção ácida do estômago auxilia a absorção; a porcentagem de absorção é afetada por forma do sal, quantidade administrada, esquema de administração, tamanho do estoque de ferro do organismo e estado de deficiência de ferro (a absorção chega a 25%).

      Apesar de as preparações de ferro serem mais bem absorvidas no estômago vazio, podem ser administradas após as refeições para reduzir efeitos adversos gastrintestinais.

      Estimuladores da absorção de ferro não-heme presentes na dieta são: carnes e outros tecidos animais (proteínas contendo cisteína) e ácido ascórbico (vitamina C).

      Inibidores da absorção de ferro não-heme presentes na dieta são: ácido fítico (grãos não refinados e soja), polifenóis (chá, café, cacau, vinho tinto), cálcio, fósforo e certas proteínas (de soja, albumina de ovo e caseína).

      A ingestão de ferro à noite aumenta sua absorção.

      Absorção oral de ferro é pobre em pacientes em diálise peritoneal contínua.

      Latência: resposta hematológica aparece em 2 semanas, aumentando a produção de hemoglobina em torno de 2 g/dL nas primeiras 3 semanas de tratamento.

      Tempo para o pico de concentração plasmática (via oral): 2 horas.

      O ferro é estocado como ferritina ou hemossiderina, primariamente em hepatócitos e no sistema retículo endotelial, com algum armazenamento no músculo.

      Meia-vida: 6 horas.

      Apenas quantidade muito pequena de ferro é excretada; a conservação do ferro corporal e a falta de um mecanismo excretor para o excesso de ferro são as causas para a sobrecarga corporal do mineral quando há dose excessiva na terapia ou repetidas transfusões sangüíneas.

 

EFEITOS ADVERSOS1,2,4,5

      Constipação (principalmente em idosos), fezes escuras, náusea (freqüente).

      Diarréia, dor epigástrica, irritação gastrintestinal, pirose.

      Hemossiderose (em terapia prolongada ou administração excessiva).

      Soluções orais podem causar manchas nos dentes.

      Nota: Se ocorrerem efeitos adversos, estes podem ser diminuídos por meio de redução da dose, substituição por outro sal de ferro com menor conteúdo de ferro elementar, aumento gradual da dose diária e administração do medicamento com alimento.

 

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS1,2,5

      Ferro reduz efeitos de: zinco, micofenolato de mofetila, levodopa, metildopa, fluorquinolonas, penicilamina, doxiciclina, minociclina e tetraciclina.

      Uso concomitante de omeprazol e ferro pode reduzir a biodisponibilidade do ferro não-heme.

      Uso concomitante de levotiroxina e ferro pode resultar em hipotiroidismo.

      A ingestão concomitante de derivados do leite, assim como de sais de cálcio e de magnésio, diminui a biodisponibilidade do ferro.

      Ácido ascórbico aumenta a absorção de ferro.

      Antiácidos e alimentos que contêm ácido fítico diminuem a absorção de ferro.

 

ORIENTAÇÕES AOS PACIENTES1,2,4

      Estimular a adoção na dieta de carne vermelha magra, frango, peru e peixe.

      Reforçar cuidados em situações de hemocromatose, hemossiderose, hemoglobinopatias, outras condições anêmicas, repetidas transfusões sangüíneas, úlcera péptica, colite ulcerativa, entre outros.

      Orientar para ingerir o Sulfato Ferroso com estômago vazio, 1 hora antes ou 2 horas depois das refeições para aumentar a absorção do ferro.

      Orientar para a preferência da ingestão após as refeições se houver necessidade de reduzir efeitos adversos gastrintestinais.

      Orientar para ingerir com 250 mL de água ou suco de fruta ou com 120 mL para crianças.

      Ensinar que as preparações líquidas contendo sais de ferro devem ser bem diluídas em água e, se possível, tomadas através de um canudinho para prevenir manchas nos dentes.

      Alertar que o Sulfato Ferroso não deve ser administrado por mais de 6 meses.

      Alertar para notificar se surgirem efeitos tóxicos ou suspeita de envenenamento.

      Alertar sobre a possível ocorrência de escurecimento das fezes.

 

ASPECTOS FARMACÊUTICOS2,4

      Solução oral e comprimido: manter à temperatura ambiente, de 15 a 30°C, em um recipiente bem fechado. Não congelar a solução.

      Incompatibilidades: dopamina, ácido fólico (formação de precipitado), morfina, fentolamina, plicamicina, polimixina B, prometazina (os íons de ferro aceleram a degradação de prometazina) e tiamina.

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal