Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Última revisão: 31/05/2009

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

Dermatologia na Atenção Básica de Saúde / Cadernos de Atenção Básica Nº 9 / Série A - Normas de Manuais Técnicos; n° 174 [Link Livre para o Documento Original]

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Políticas de Saúde

Departamento de Atenção Básica

Área Técnica de Dermatologia Sanitária

BRASÍLIA / DF – 2002

 

Pitiríase Versicolor

CID-10: B36.0

 

DESCRIÇÃO DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Micose superficial extremamente comum, mais freqüente nas regiões quentes e úmidas. Caracteriza-se por manchas hipocrômicas, eritematosas ou acastanhadas, com descamação fina (furfurácea) que aparecem mais freqüentemente no pescoço, tórax (Figura 1) e raízes dos membros superiores. A descamação fica mais evidente ao se passar a unha na lesão (sinal da unha) ou realizar estiramento da pele lesional (sinal de Zileri).

 

Figura 1: Pitiríase Versicolor.

 

 

SINONÍMIA

Pano branco, pano, titinga.

 

ETIOLOGIA DA PITIRÍASE VERSICOLOR

É causada pelo fungo Malassezia spp.

 

RESERVATÓRIO

Natureza e homem.

 

MODO DE TRANSMISSÃO DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Parece haver predisposição constitucional do indivíduo. Admite-se que o fungo seja comensal da epiderme e as lesões apareçam por esta predisposição constitucional. Transmissão pessoa-a-pessoa não é freqüente.

 

PERÍODO DE INCUBAÇÃO

Não determinado.

 

PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Enquanto houver lesão habitada.

 

COMPLICAÇÕES DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Não há.

 

DIAGNÓSTICO DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Clínico, epidemiológico e laboratorial.

 

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

Hanseníase indeterminada, eczemátide. Pitiríase rósea de Gibert: erupção em placas eritematosas com descamação central, com prurido ausente ou discreto. As lesões predominam no tronco posterior em distribuição em “árvore de natal”. Geralmente, poupa a face e as regiões palmo-plantares. Precedendo em alguns dias o rash, ocorre lesão única - “medalhão” - em geral maior e que desaparece espontaneamente.

 

TRATAMENTO DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Há que tratar a pele e o couro cabeludo. Sulfeto de Selênio sob a forma de xampu por 30 dias, enxaguar após 5 minutos, o mesmo é também aplicado na pele; ou, associado a antimicóticos tópicos, cetoconazol creme 2 a 3 vezes ao dia, até o desaparecimento das lesões. A opção de uso sistêmico é o Cetoconazol, 15 mg/kg/dia por 10 dias e no adulto Cetoconazol – 200 mg/dia, por 10 dias.

 

CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Doença universal com maior ocorrência em países tropicais e no verão.

 

OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Não se aplica.

 

NOTIFICAÇÃO

Não é doença de notificação compulsória.

 

MEDIDAS DE CONTROLE DA PITIRÍASE VERSICOLOR

Não se aplica

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal