FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Diferenças entre Homens e Mulheres no Pós-infarto do Miocárdio

Autor:

Lucas Santos Zambon

Doutorado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da USP.
Supervisor do Pronto-Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.
Diretor do Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente.

Última revisão: 31/07/2015

Comentários de assinantes: 0

Contexto Clínico

Os fatores psicossociais têm sido cada vez mais reconhecidos como fatores de risco para eventos coronarianos e desfechos cardiovasculares ruins após infarto agudo do miocárdio (IAM). O estresse mental, em particular, pode induzir isquemia miocárdica e promover a aterogênese e está associada a fatores comportamentais que podem afetar adversamente resultados de saúde, tais como o abandono do tratamento. Poucos estudos examinaram o estresse em pacientes com IAM. É importante ressaltar que as mulheres tendem a relatar maior estresse e eventos de vida mais estressantes do que os homens, potencialmente devido aos seus diferentes papéis na vida familiar e profissional. Este nível de estresse diferencial entre homens e mulheres pode ser uma razão importante para que existam diferenças na recuperação no pós-IAM.

 

O Estudo

O objetivo deste estudo foi caracterizar a diferença entre os sexos no estresse percebido em pacientes jovens e de meia-idade que se apresentam com IAM e avaliar quais fatores podem contribuir para essa diferença.

Examinamos diferença entre os sexos em estresse, fatores que contribuem para essa diferença, e se esta diferença ajuda a explicar as disparidades em função do sexo em recuperação de um mês usando dados de 3.572 pacientes com infarto agudo do miocárdio (2.397 mulheres e 1.175 homens) de 18 a 55 anos de idade. A pontuação média dos 14 itens na Escala de Estresse percebido no início do estudo foi de 23,4 para os homens e 27,0 para as mulheres (P<0,001). Estresse maior em mulheres foi explicado em grande parte pelas diferenças sexuais em termos de comorbidades, estado físico e mental de saúde, conflito intrafamiliar, necessidades de cuidado e em dificuldades financeiras. Após o ajuste para as características demográficas e clínicas, as mulheres tiveram pior recuperação do que os homens em um mês após o infarto agudo do miocárdio, com diferenças médias de pontuação de melhoria entre homens e mulheres que vão de -0,04 para o índice utilitário EuroQol, para -3,96 para qualidade de vida relacionada à angina (P <0,05 para todas). Ajuste adicional para o estresse de base reduziu essas diferenças em função do sexo em recuperação de -0,03 para -3,63, o que, no entanto, manteve-se estatisticamente significativo ( P <0,05 para todos). Alta tensão na linha de base foi significativamente associado com pior recuperação da qualidade de vida em geral, bem como o estado de saúde mental. O efeito do estresse de base sobre a recuperação não variou entre homens e mulheres.

 

Aplicações Práticas

Os autores concluíram que em pacientes jovens e de meia-idade, maior estresse no início do estudo está associado a pior recuperação em vários resultados de saúde após infarto agudo do miocárdio. As mulheres sentem o maior estresse psicológico do que os homens na linha de base, o que explica parcialmente pior recuperação das mulheres.

Este estudo aponta algo interessante, que é como o sexo pode alterar o curso de uma doença ou de sua recuperação. É necessário pensar nos  pacientes de diferentes sexos de forma distinta , para que o tratamento seja também diferente. Não se trata de sexismo. Trata-se de uma resposta de componentes biológicos e sociais que deve ser respeitada. Fica cada vez mais claro  na área da saúde que devemos, sim, fazer diferença entre sexos, idades, raças, etc. Isso porque estes itens afetam o comportamento das doenças nos indivíduos. E quanto mais específico for um tratamento, do ponto de vista global, provavelmente melhor será assistência que estamos prestando.

 

Bibliografia

Xu X et al. Sex differences in perceived stress and early recovery in young and middle-aged patients with acute myocardial infarction. Circulation 2015 Feb 17; 131:614. (http://dx.doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.114.012826)

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal