Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Última revisão: 25/10/2009

Comentários de assinantes: 0

Reproduzido de:

Manual de Controle de Doenças Sexualmente Transmissíveis – DST 4ª edição [Link Livre para o Documento Original]

Série Manuais n. 68

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Secretaria de Vigilância em Saúde

Programa Nacional de DST e Aids

Brasília / DF – 2006

  

INTRODUÇÃO

Em 1999, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estimou um total de 340 milhões de casos novos por ano de DST curáveis em todo o mundo, entre 15 e 49 anos, 10 a 12 milhões destes casos no Brasil. Outros tantos milhões de DST não curáveis (virais), incluindo o herpes genital (HSV-2), infecções pelo papilomavirus humano (HPV), hepatite B (HBV) e infecção pelo HIV ocorrem anualmente (WHO 2005).

Dentre mulheres com infecções não tratadas por gonorréia e/ou clamídia, 10 a 40% desenvolvem doença inflamatória pélvica (DIP). Destas, mais de 25% se tornarão inférteis. Para efeito de comparação, observa-se que a taxa de infertilidade por causas não infecciosas é estimada em 3 a 7%. Dados de países desenvolvidos indicam que mulheres que tiveram DIP têm probabilidade 6 a 10 vezes maior de desenvolver gravidez ectópica. Nos países em desenvolvimento, a gravidez ectópica contribui com mais de 15% das mortes maternas (WHO, 2004).

Abortos espontâneos, natimortos, baixo peso ao nascer, infecção congênita e perinatal estão associados às DST não tratadas em gestantes (Gutman 1999). Entre homens, a clamídia também pode causar infertilidade (Karinen et al., 2004, Mardh 2004, Elley et al., 2005). Outras conseqüências associadas ao HPV incluem carcinoma de colo uterino, de pênis e de ânus.

Apesar disso, as DST só voltaram a readquirir importância como problema de saúde pública após a epidemia de Aids. Estudos mostraram que pessoas com DST e infecções do trato reprodutivo não ulcerativas têm um risco aumentado em 3 a 10 vezes de se infectar pelo HIV, o que sobe para 18 vezes se a doença cursa com úlceras genitais (Fleming & Wasserheit 1999). Evidências recentes sugerem que o herpes genital pode ser responsável pela maior proporção de novas infecções por HIV (Rodrigues et al., 2002). Sua prevalência é elevada no Brasil, apesar do baixo percentual de indivíduos que relatam sintoma prévio (Carvalho et al., 1999).

Por outro lado, se o portador de HIV também é portador de alguma DST, mais facilmente transmitirá o HIV aos seus parceiros sexuais. A concentração média de HIV no líquido seminal é oito vezes maior em homens com uretrite, sem diferença na concentração sanguínea; após o tratamento, a concentração seminal volta a ser comparável (Cohen et al., 1997). O HIV também está presente na secreção cérvicovaginal numa freqüência duas vezes maior entre mulheres com gonorréia, três vezes maior na presença de clamídia e quatro vezes maior se existe ulceração no colo uterino ou na vagina (Ghys et al., 1997). A vaginose bacteriana, uma infecção do trato reprodutivo (ITR) de origem endógena, dobra o risco de infecção pelo HIV (Sewamkambo et al., 1997). Tem importantes implicações no período gestacional, com aumento do risco de prematuridade e infecção puerperal (Klebanoff et al., 2004; Leitich et al., 2003).

As DST de notificação compulsória são: AIDS, HIV na gestante/criança exposta, sífilis na gestação e sífilis congênita. Para as outras DST, não há um sistema de notificação compulsória e a ausência de estudos de base populacional dificulta a visibilidade do problema e implantação de intervenções prioritárias, avaliação de sua efetividade e seu re-direcionamento. É necessário um esforço coletivo para divulgar a situação das DST e capacitar os serviços para atender os clientes. O sistema de saúde precisa estar preparado para implementar estratégias de prevenção e pronto-atendimento com intervenção terapêutica imediata, disponibilização de insumos, mantendo confidencialidade e ausência de discriminação.

 

EPIDEMIOLOGIA DAS DST NO BRASIL

Nos dados preliminares de um estudo realizado em seis capitais (Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Fortaleza e Manaus) para avaliar a prevalência das DST em diferentes populações, encontrou-se:

 

Tabela 1: Prevalência das principais DST segundo estudo multicêntrico (Brasil, 2004a - ados parciais não publicados)

Prevalências (%)

Grupos populacionais

N

Sífilis

HIV

HBV

VB

Candida

HSV2

Gono

CT

HPV 16/18

Gestantes

3.600

1,9

0,5

0,5

31,7

25,2

22,7

1,5

9,3

33,4

Industriários

3.600

2,2

-

0,9

-

-

12,5

0,9

3,5

-

 

O mesmo estudo também avaliou a prevalência de algumas destas DST em clientes com síndromes clínicas, conforme os resultados abaixo:

 

Tabela 2: Prevalência das principais DST segundo estudo multicêntrico (Brasil, 2004a – dados parciais não publicados)

Prevalências (%)

Grupos populacionais

Sífilis

HIV

HBV

HSV2

Gono

CT

HPV 16/18

Mulheres com queixa de DST

3,6

0,9

2,4

39,0

0,4

2,2

36,2

Homens com queixa de DST

4,2

1,5

3,4

18,3

2,4

4,5

3,2

 

Entre jovens que se apresentam para seleção do serviço militar (conscritos), 15,8% relataram já ter tido algum problema relacionado às DST (como corrimento no canal da urina, bolhas ou feridas ou verrugas no pênis), sendo as taxas mais altas nas regiões Norte e Nordeste (Brasil, 2002). A prevalência de clamídia em conscritos assintomáticos de Goiânia foi 5% (Fioravante et al., 2005).

Num inquérito populacional entre homens que apresentaram corrimento uretral e tiveram tratamento, 57,8% foram atendidos em estabelecimento público de saúde, sendo que 46,2% deles adquiriram os medicamentos no próprio estabelecimento de saúde, enquanto os outros adquiriram na farmácia. Entre os homens que tiveram o problema e que não buscaram serviços de saúde, 65,4% procuraram, diretamente, o atendente de uma farmácia. (CEBRAP & Ministério da Saúde 2000).

Em relação as mulheres, encontrou-se numa população de adolescentes assintomáticas atendidas pelo Programa de Saúde da Família de Vitória, 12,2% de clamídia e 1,9% de infecção gonocócica (Miranda et al., 2004). No Estudo Sentinela em Parturientes de abrangência nacional, observou-se que a prevalência de soropositividade para sífilis é 1,6%, correspondendo a cerca de 48.000 gestantes/ano e 0,41% de HIV, cerca de 12.300 casos/ano (Brasil, 2005).

 

INFORMAÇÕES SOBRE PREVENÇÃO E O USO DE PRESERVATIVO

É alto o nível de informação da população de 15 a 24 anos quanto aos meios de prevenção da transmissão do HIV por via sexual – 95% identificam o uso do preservativo como eficaz nesta condição.

Estudo realizado em 2004 revelou que o uso do preservativo na primeira relação sexual foi referido por 53,2% dos entrevistados, sendo menor nas regiões Norte e Nordeste; o uso na última relação sexual foi de 57,3%. Também foi referido por 74,1% dos entrevistados o uso do preservativo na última relação sexual com parceria eventual, sendo menor quanto mais baixa a escolaridade. (Brasil, 2004b).

 

DST E O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS)

Sabe-se que as estratégias de prevenção primária (uso do preservativo) e secundária (diagnóstico e tratamento) podem permitir o controle das DST e suas consequências. As ações nessa direção existem no país de forma pulverizada, com importantes diferenças regionais.

As diretrizes para diagnóstico e tratamento precoces, incluindo a avaliação das parcerias sexuais, são pouco conhecidas ou implementadas pelo sistema de saúde. Não existe disponibilidade contínua de medicamentos padronizados para portadores de DST, bem como de preservativos. A pactuação entre os três níveis de governo estabelece que a aquisição dos medicamentos para as DST é de responsabilidade dos estados e municípios, e a aquisição de preservativos é compartilhada, sendo de 80% de responsabilidade do nível federal nas regiões sul e sudeste e de 90% nas regiões norte, nordeste e centro-oeste. Porém esta pactuação vem sendo cumprida com dificuldades. Pouco se valoriza a prevenção especificamente dirigida ao controle das DST (educação em saúde, disseminação da informação para reconhecimento de sinais e sintomas, busca precoce por assistência, convocação de parceiros, campanha em mídia, etc). Há ênfase no diagnóstico etiológico, pouco se conhece o manejo sindrômico e os profissionais capacitados são insuficientes.

Apesar dos avanços na atenção básica nos últimos anos, muitas unidades de saúde têm restrita capacidade resolutiva e trabalham com agendamento de consultas, destinando pouco ou nenhum espaço para atendimento à demanda espontânea, não reconhecendo a DST sintomática como uma emergência. Isso restringe a acessibilidade aos serviços, levando os homens portadores de DST a continuar procurando prontos socorros, farmácias, curandeiros ou auto-medicação. As mulheres, frequentemente assintomáticas, não são rastreadas ou orientadas no seu atendimento ginecológico. Finalmente, os serviços que atendem DST tendem a ser clínicas especializadas, o que estigmatiza a população que as procura.

Pela sua magnitude, transcendência, vulnerabilidade às ações e factibilidade de controle, as DST devem ser priorizadas. A assistência às DST deve ser realizada de forma integrada pelo Programa de Saúde da Família, Unidades Básicas de Saúde (UBS) e serviços de referência regionalizados. O primeiro, pelas suas caracterísitcas, pode facilitar o acesso ao cuidado e a busca de parceiros sexuais, enquanto as UBS e os últimos devem exercer um papel fundamental no tratamento adequado e seguimento clínico.

Deve haver participação e controle de ações pelas organizações da sociedade civil no acesso aos serviços, no cumprimento da pactuação para aquisição de medicamentos, na disponibilização de insumos laboratoriais, na disponibilidade de preservativos e outros insumos.

 

SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO

Consta no documento:

“Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”

O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal