FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Vacina Tríplice Viral contra Sarampo Rubéola e Caxumba SRC

Última revisão: 04/04/2010

Comentários de assinantes: 0

>Reproduzido de:>>>>>

>Formulário Terapêutico Nacional 2008: Rename 2006 [>Link Livre para o Documento Original>>]>>>>>

>Série B. Textos Básicos de Saúde>>>>>

>MINISTÉRIO DA SAÚDE>>>>>

>Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos>>>>>

>Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos>>>>>

>Brasília / DF2008>>>>>

>>> >>>>

>>Vacina Tríplice Viral contra Sarampo, Rubéola e Caxumba (SRC)>>>>>

>> >>>

>Gabriela Costa Chaves>>>>>

>>> >>>>

>>Na Rename 2006: item 7.2>>>>>

>>> >>>>

>>SINONÍMIA>>>>>>>

>      >>>Vacina contra rubéola, sarampo e caxumba (DCB).>>>>

>>> >>>>

>>APRESENTAÇÃO>>>>>>>

>      >>>Solução injetável.>>>>

>>> >>>>

>>INDICAÇÃO>1>>>>>>>>

>      >>>Imunização ativa contra sarampo, rubéola e caxumba.>>>>

>>> >>>>

>>CONTRA-INDICAÇÕES>1,5,8>>>>>>>>

>      >>>A administração da dose é contra-indicada no caso de ocorrência de efeito adverso grave após a administração da dose, como anafilaxia, colapso, choque, encefalite, encefalopatia, ou convulsão afebril.>>>>

>      >>>Gravidez (ver apêndice A).>>>>

>      >>>Hipersensibilidade a componentes da vacina.>>>>

>      >>>Hipersensibilidade a ovo.>>>>

>      >>>Indivíduos com imunodeficiência ou em corticoterapia.>>>>

>      >>>Perda de fluido cerebroespinhal.>>>>

>      >>>Leucemia, linfoma ou malignidade generalizada.>>>>

>      >>>Tuberculose ativa não tratada.>>>>

>      >>>Indivíduos em radioterapia.>>>>

>      >>>Doença febril grave.>>>>

>>> >>>>

>>PRECAUÇÕES>1,5>>>>>>>>

>      >>>Indivíduos com dano cerebral ou histórico de convulsões.>>>>

>      >>>A imunização deve ser adiada em caso de doença aguda ou transtorno sistêmico, com ou sem febre, que possam limitar a resposta imunológica.>>>>

>      >>>Evitar a gravidez por 4 semanas após a vacinação.>>>>

>      >>>Adiar a vacinação por pelo menos 3 meses após a transfusão de sangue e administração de imunoglobulinas, com exceção de puérperas que tenham recebido imunoglobulina anti-Rho(D) e que estejam suscetíveis à rubéola (a vacinação não pode ser postergada).>>>>

>      >>>Indivíduos com histórico de dermatite de contato à neomicina.>>>>

>      >>>Indivíduos que tenham apresentado >rash >entre 7-25 dias após a vacinação devem evitar o contato direto com indivíduos imunocomprometidos durante o período do >rash>.>>>>

>      >>>Indivíduos com problemas como hemofilia e trombocitopenia não devem receber a vacina pela via intramuscular. Recomenda-se a via subcutânea.>>>>

>      >>>Casos de falta de sensibilidade ao teste da tuberculina.>>>>

>>> >>>>

>>ESQUEMAS DE ADMINISTRAÇÃO>1,5,6,8>>>>>>>>

>Imunização Primária>>

>      >>>Crianças de 12-15 meses: 0,5 mL, por via intramuscular ou injeção subcutânea profunda.>>>>

>>> >>>>

>Reforço da Imunização>>

>      >>>Crianças 4-6 anos que tenham tomado a primeira dose: 0,5 mL, por via intramuscular ou injeção subcutânea profunda.>>>>

>>> >>>>

>Profilaxia em Crianças Suscetíveis após Exposição ao Sarampo>>

>      >>>Crianças maiores de 1 ano: 0,5 mL, por via intramuscular ou injeção subcutânea profunda, em até 72 horas após o contato.>>>>

>      >>>Adultos: 0,5 mL, por via intramuscular ou injeção subcutânea profunda, em até 72 horas após o contato.>>>>

>>> >>>>

>Surto de Caxumba>>

>        >>>Crianças 1-4 anos: deve-se administrar uma dose de SCR, o mais rápido possível, em todas as crianças desta faixa etária que tiverem recebido a primeira dose da vacina. Administrar a partir do 28º dia posterior à administração da primeira dose.>>>>

>>> >>>>

>>EFEITOS ADVERSOS>1,5,6>>>>>>>>

>      >>>Febre, mal-estar, >rash>, dermatite no local da injeção, durante 2-3 dias pós-imunização, geralmente após uma semana da administração da primeira dose, em 3 a 10% dos casos em crianças.>>>>

>      >>>Náusea, vômito e diarréia.>>>>

>      >>>Infecções no trato respiratório, pneumonia.>>>>

>      >>>Reações locais, como inflamação, linfangite e abscesso estéril.>>>>

>      >>>Artralgia e artrite.>>>>

>      >>>Ataxia cerebelar, fadiga, irritabilidade, sonolência, cefaléia, parestesias, polineuropatia e encefalopatia,meningoencefalite.>>>>

>      >>>Dilatação da parótida (ocasionalmente).>>>>

>      >>>Polineuropatia (raramente).>>>>

>      >>>Púrpura trombocitopênica idiopática (raramente).>>>>

>      >>>Reações de hipersensibilidade, incluindo anafilaxia (raramente).>>>>

>>> >>>>

>>INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS>1,5>>>>>>>>

>      >>>Abatacepte: transmissão secundária da infecção pela vacina viva e redução da efetividade da imunização. Não é recomendada a administração da vacina em pacientes fazendo uso do medicamento, ou dentro de 3 meses após seu uso.>>>>

>      >>>Betametasona, corticotropina, cortisona, ciclosporina, deflazacorte, dexametasona, fludrocortisona, fluorcortolona, hidrocortisona, metilprednisolona, micofenolato de mofetila, micofenolato de sódio, ácido micofenólico, parametasona, prednisolona, prednisona, triancinolona: causam resposta imunológica inadequada à vacina. Se possível, retardar a administração da vacina em indivíduos imunodeprimidos com altas doses de corticosteróides. No entanto, o julgamento clínico do médico responsável deve prevalecer. A imunização deve ser feita de 2 a 4 semanas antes do início da terapia com ciclosporina. Não é recomendada a vacinação enquanto o indivíduo estiver fazendo uso de micofenolato de mofetila.>>>>

>      >>>Imunoglobulina anti-citomegalovírus, imunoglobulina de hepatite B, imunoglobulina BH, leflunomida, imunoglobulina anti-rábica, imunoglobulina do vírus sincicial respiratório, imunoglobulina anti- Rho(D), imunoglobulina antitetânica e imunoglobulina humana específica anti-varicela zoster causam interferência na resposta imune da vacina. A administração de vacinas envolvendo vírus vivos deve ser adiada, se possível, até 3 meses após a interrupção do uso de imunoglobulinas. Caso a vacina tenha sido administrada 14 dias ou menos antes ou junto com a imunoglobulina, a vacinação deverá ser repetida pelo menos 3 meses após a interrupção da imunoglobulina. Isso não é necessário apenas se o teste sorológico indicar que foram produzidos anticorpos adequados. Não é recomendada a vacinação enquanto o indivíduo estiver fazendo uso de leflunomida. Caso a vacinação não possa ser evitada, deve-se interromper o uso da leflunomida e aguardar eliminação antes de administrar a vacina.>>>>

>      >>>Etanercepte pode causar transmissão secundária da infecção pela vacina viva. Não é recomendada a administração de vacinas vivas em pacientes que fazem uso deste medicamento.>>>>

>      >>>Infliximabe causa aumento do risco de infecção pela vacina viva. Não é recomendada a vacinação (com vírus vivos) enquanto o indivíduo estiver fazendo uso de infliximabe.>>>>

>      >>>Antineoplásicos aumentam o risco de infecção pela vacina viva. Pacientes que estiverem recebendo quimioterapia imunossupressora não devem ser vacinados. No caso de pacientes com leucemia em remissão, deve-se esperar pelo menos 3 meses entre o fim da quimioterapia e a vacinação com vírus vivos. No caso de pacientes que estiverem fazendo uso de azatioprina, a vacinação somente deve ser dada quando os benefícios justificarem os riscos.>>>>

>      >>>Adalimumabe e alentuzumabe aumentam o risco de transmissão secundária da infecção pela vacina viva. Uso não recomendado.>>>>

>      >>>Vacina polissacarídica contra o meningococo causa diminuição da efetividade da vacina de sarampo. A administração dessas vacinas deve ser separada em um mês.>>>>

>      >>>Sirolimo reduz eficácia da vacinação. O uso de vacinas envolvendo vírus vivos deve ser evitada.>>>>

>      >>>Tacrolimo causa risco de infecção nos indivíduos imunocomprometidos e efetividade reduzida da vacina.>>>>

>>> >>>>

>>ORIENTAÇÕES AOS PACIENTES>1>>>>>>>>

>      >>>Em caso de ocorrência de febre pós-imunização em crianças, pode-se administrar paracetamol, seguida de uma segunda dose após 4-6 horas da primeira. Se a febre persistir após a segunda dose de paracetamol, deve-se procurar o médico.>>>>

>>> >>>>

>>ASPECTOS FARMACÊUTICOS>5,8>>>>>>>>

>      >>>Armazenar o para injeção em 2-8°C antes de reconstituição. O diluente pode ser armazenado na mesma temperatura que o ou à temperatura ambiente. Após a reconstituição, a vacina deve ser utilizada imediatamente e armazenada em frasco escuro, sob refrigeração, de 2-8°C e descartada após 8 horas.>>>>

>      >>>Se for usado álcool ou qualquer outro desinfetante para limpar o local da injeção, deve-se esperar que o mesmo evapore, pois pode ocorrer inativação da vacina viva.>>>>

>>> >>>>

>>ATENÇÃO:>>>>>

>>Pode ocorrer anafilaxia após a administração da vacina e, por essa razão, deve-se sempre ter disponível epinefrina para administração imediata.>>>>>

>>Pacientes com imunodeficiência de moderada a grave, incluindo administração de terapia imunossupressora e pacientes infectados pelo HIV, podem ser imunizados se não estiverem gravemente imunodeprimidos.>>>>>

>>Pacientes com leucemia em remissão poderão ser vacinados caso não tenham recebido quimioterapia nos três últimos meses.>>>>>>

>> >>>

>>SOBRE OS DIREITOS AUTORAIS DO DOCUMENTO>>>>>>>

>Consta no documento:>>>>

>Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial.”>>>>

>O objetivo do site MedicinaNet e seus editores é divulgar este importante documento. Esta reprodução permanecerá aberta para não assinantes indefinidamente.>>>>

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal

×

Em função da pandemia do Coronavírus informamos que não estaremos prestando atendimento telefônico temporariamente. Permanecemos com suporte aos nossos inscritos através do e-mail info@medicinanet.com.br.