FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Filtrar

Veja também o resultado via

Exibir resultados de:

Filtrar por:

Resultados de Busca

Sua busca por "Rubeola e Sindrome da Rubeola Congenita" obteve 33 resultados.

Página:  de 4

01/03/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita

...tadas do contato com casos e comunicantes durante o periodo de transmissibilidade e incubação da doenca. · Pessoas hospitalizadas – Isolamento de contato. SÍNDROME DA RUBÉOLA CONGÊNITA Aspectos Clínicos e Epidemiológicos Descrição A Síndrome da Rubéola Congênita (SRC), geralmente, é uma condição clínica grave. A infeccao da placenta e viremia fetal ocorrem em cerca de 40 a 60% das mulh......

Ver Índice

01/03/2011

Guias Livres do Ministério da Saúde

Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita

...ra identificação viral, coletar secreção nasofaríngea (SNF). Nesse caso, colher uma amostra em cada narina e outra da orofaringe. Características Epidemiológicas Em 2002, ocorreram 1.480 casos de Rubéola no Brasil, o que corresponde a um decréscimo de 95%, quando comparado à incidência de 1997. As taxas de incidência no sexo feminino, em 2002, ficaram em 1/100.000 mulheres tanto na faixa etár......

Ver Índice

12/08/2009

Guias Livres do Ministério da Saúde

Síndrome da Rubéola Congênita

...to ao oitavo mês; 11% entre nove e doze meses e apenas 3% no segundo ano de vida. Susceptibilidade e Imunidade A infecção natural pelo vírus da rubéola ou pela imunização confere, em geral, imunidade permanente. No entanto, o nível de imunidade coletiva atingido não é suficientemente alto para interromper a transmissão do vírus. Diferentes estratégias de vacinação contra a rubéola têm sido a......

Ver Índice

11/11/2015

Biblioteca Livre

V

...acêuticos t Sinonímia: vacina contra rubéola, sarampo e caxumba; vacina tríplice viral contra sarampo, rubéola e caxumba; SRC. t Armazenar o pó para injeção sob refrigeração, entre 2 a 8 oC antes de reconstituição. O diluente pode ser armazenado na mesma temperatura que o pó ou à temperatura ambiente. Após a reconstituição, armazenar em frasco escuro, sob refrigeração e descartar após 8 horas. ......

Ver Índice

30/05/2010

Revisões

Doenças exantemáticas na infância

...Minas Gerais. 4. Manifestações clínicas: febre, mialgia, cefaléia, náuseas e vômitos; exantema inicilamente macular, que se transforma em purpúrico, atingindo mãos e pés. 5. Diagnóstico: testes sorológicos específicos. 6. Tratamento: tetraciclina ou cloranfenicol. Tifo Murino (Tifo por Pulgas ou Tifo Endêmico) 1. Período de incubação: de 6 a 18 dias. 2. Sazonalida......

Ver Índice

08/03/2012

Revisões Internacionais

Sarampo, caxumba, rubéola, parvovírus, poxvírus – Martin S. Hirsch, MD

...anas e as lesões podem desaparecer rapidamente ou persistir por até 18 meses. O molusco contagioso é comum em pacientes com Aids, nos quais as lesões podem ser amplas, atípicas e severas69 [ver Manifestações cutâneas das doenças sistêmicas]. As lesões localizadas perto dos olhos podem ser agravadas por conjuntivite crônica ou ceratite superficial. Figura 2. As lesões papulares do molu......

Ver Índice

01/02/2010

Revisões

Icterícia

...ser causada por diversos vírus (rubéola, Coxsackie B, herpes simples, febre amarela, citomegalovírus); os mais comuns são os das hepatites A, B e C e mononucleose (consultar capítulo de Hepatites). 2. Infeções não causadas por vírus I. Febre recorrente: é uma doença causada por várias cepas da bactéria Borrelia; cursa com icterícia e febre de 40oC que dura cerca de 4 ou 5 dias e depois......

Ver Índice

04/10/2016

Revisões Internacionais

Distúrbios Leucocitários Não Malignos

... with the hypereosinophilic syndrome with mepolizumab. N Engl J Med 2008;358:1215. 73. Gibbs BF. Human basophils as effectors and immunomodulators of allergic inflammation and innate immunity. Clin Exp Med 2005;5:43. 74. Castells M. Mast cell mediators in allergic inflammation and mastocytosis. Immunol Allergy Clin North Am 2006;26:465. 75. Metcalfe DD. M......

Ver Índice

31/05/2009

Biblioteca Livre

Rubéola

...renciada. TRATAMENTO DA RUBÉOLA De suporte. CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS DA RUBÉOLA Distribuição universal, com maior freqüência no final do inverno e início da primavera. Observa-se a ocorrência de epidemias cíclicas, a depender da existência de suscetíveis. Nas populações não imunizadas, a rubéola pós-natal ocorre com freqüência em crianças de 5 a 9 anos, sendo uma doença benigna e ......

Ver Índice

23/06/2009

Biblioteca Livre

CAPÍTULO 1 – Vigilância Epidemiológica

...do capítulo deste Guia. A expressão “investigação epidemiológica” aqui utilizada tem o sentido restrito de importante diagnóstico da vigilância epidemiológica, diferente de uma ampla conotação como sinônimo da pesquisa científica em epidemiologia. Para diferenciar, na vigilância epidemiológica costuma ser denominada como “investigação epidemiológica de campo”. Sistemas Sentinelas Nem sempre ......

Ver Índice

Página:  de 4

Índice

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal