FECHAR
Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

Eletrocardiograma 28

Autores:

Fernando de Paula Machado

Médico pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Residência em Clínica Médica no Hospital das Clínicas da FMUSP (HC-FMUSP). Residência em Cardiologia pelo Instituto do Coração (InCor) do HC-FMUSP. Médico Diarista do Pronto-Atendimento do Hospital Sírio-Libânes.

Leonardo Vieira da Rosa

Médico Cardiologista pelo Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Médico Assistente da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Doutorando em Cardiologia do InCor-HC-FMUSP. Médico Cardiologista da Unidade Coronariana do Hospital Sírio Libanês.

Última revisão: 01/04/2019

Comentários de assinantes: 0

Quadro Clínico

Homem 42 anos com episódio de dor torácica e sudorese ao repouso.

Eletrocardiograma do paciente

 

Ver diagnóstico abaixo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Interpretação

 

A) Frequência = 74 Regular;

B) Morfologia da onda P = normal, positiva em DI/DII/aVF, precedendo cada complexo QRS;

C) Intervalo PR = 0,16 s,

D) Morfologia QRS = eixo +30 graus, duração normal;

E) Morfologia segmento ST = supradesnível 1mm em V2 e V3;

F) Morfologia onda T = aumento de amplitude em V2 e V3, inversão nas derivações inferiores (DII/DIII/AVF);

G) Ritmo sinusal.

 

            Logo abaixo, ECG basal prévio em que não ocorrem tais alterações.

 

Diagnóstico

            Infarto agudo do miocárdio com alterações da onda T hiperagudas e supradesnível de ST parede anteroseptal. Este paciente chegou ao PS com 30 minutos de dor, sendo encaminhado para estudo hemodinâmico que mostrou obstrução de 100% em artéria descendente anterior proximal.

 

Discussão

            As alterações de onda T nas síndromes coronárias agudas têm menos estudos ou descrições que as alterações do segmento ST. Entretanto, pode fornecer dados importantes para o diagnóstico.

            Uma onda T com aumento de amplitude num quadro de dor anginosa pode ser o mais precoce sinal de IAM com supra. A onda T hiperaguda é uma onda T com aumento de amplitude e efêmera, evoluindo rapidamente para supradesnivel de ST. Como neste caso, pode aparecer dentro de 30 minutos da oclusão da artéria coronária, de onde vem o termo hiperaguda. Sua apresentação pode ser variável, mas geralmente é alargada e assimétrica. 

            O diagnóstico diferencial para ondas T proeminentes inclui hipercalemia, repolarização precoce, pericardite aguda e sobrecarga de ventrículo esquerdo.

            Quando há ondas T invertidas (em relação à orientação do QRS) deve-se pensar em : síndromes coronárias agudas (angina instável e IAM sem supra), padrão de strain, miocardite, uso de digitálicos, eventos no sistema nervoso central como hemorragias, tromboembolismo pulmonar e variantes da normalidade como  padrão juvenil persistente ou repolarização precoce.

 

Conteúdos Mais Acessados

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal