Feed

Já é assinante?

Entrar
Índice

A Importância da Alimentação Saudável na Infância e na Adolescência

Autor:

Márcia Regina de Souza Amoroso Quedinho Paiva

Médica Assistente do Departamento de Pediatria e Puericultura da ISCMSP.

Última revisão: 26/04/2010

Comentários de assinantes: 0

A Importância da Alimentação Saudável na Infância e na Adolescência na Prevenção de Doenças na Fase Adulta

  

INTRODUÇÃO

Como é de conhecimento geral, a boa alimentação é essencial desde cedo, a fim de manter uma boa qualidade de vida e prevenir infecções e patologias na vida adulta.

A avaliação rotineira e sequencial do crescimento e do desenvolvimento das crianças nos primeiros anos de vida continua sendo uma forma indireta, porém extremamente importante, para monitorar as práticas alimentares de crianças e, posteriormente, de adolescentes. A avaliação do crescimento ponderoestatural não só reflete as condições de saúde naquele momento, como também exerce papel fundamental na prevenção de doenças futuras.

Alguns estudos referem que uma dieta inapropriada da mãe durante a gestação pode estar relacionada a futuras patologias na criança. Outros trabalhos mostram também que, além do baixo peso ao nascer, o ganho ponderal acentuado nos primeiros 6 meses de vida está relacionado com o desenvolvimento futuro de obesidade e adiposidade central. Em estudo realizado por Stettler et al. em 2002, salientou-se a importância do rápido ganho de peso durante os 4 primeiros meses de vida como determinante de sobrepeso e obesidade aos 7 anos de idade, independentemente do peso de nascimento. Durante os 2 primeiros anos de vida, ocorre intenso e rápido desenvolvimento físico, cognitivo, emocional e social. Portanto, práticas alimentares inadequadas nessa fase da vida podem, no futuro, repercutir de forma negativa no desenvolvimento global das crianças e ocasionar sequelas.

Da mesma forma, a nutrição desempenha um papel fundamental durante a adolescência, período de crescimento acelerado, de rápidas modificações e que requer um amplo fornecimento de energia e nutrientes. As doenças crônicas degenerativas são responsáveis por elevados índices de mortalidade entre adultos. Essas doenças são uma das causas para que o ser humano não consiga alcançar maior expectativa de vida. Para reverter o quadro, é necessária, antes de tudo, uma alimentação adequada desde o desmame. A partir dessa fase, inicia-se a formação dos hábitos alimentares. É mais fácil começar com uma alimentação adequada do que mudar quando adulto ou quando o organismo dá sinais de doenças.

Pediatras e profissionais que lidam com crianças e adolescentes devem ter como meta a orientação de práticas apropriadas de alimentação, além da superação de desafios frequentes da prática pediátrica, como a redução do risco de carências nutricionais (p.ex., anemia ferropriva), orientações quanto ao acesso à água potável e cuidados necessários com o saneamento básico, fornecimento adequado de nutrientes específicos para o pleno funcionamento de órgãos, sistemas e aparelhos e, finalmente, reduzir o risco de desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, hipertensão, diabetes, entre outras, as quais se encontram em importante ascensão na faixa etária pediátrica. Sabe-se que cerca de 40% da população adulta brasileira acima de 20 anos de idade é portadora de excesso de peso e que cerca de 30% dos indivíduos são portadores de doenças crônicas não transmissíveis.

O conceito de alimentação saudável pode influenciar de forma importante no binômio saúde-doença. Desta forma, é necessário valorizar a importância do incentivo ao aleitamento materno exclusivo até os 6 meses e sua manutenção até os 2 anos ou mais (desde que complementado por outros alimentos após os 6 primeiros meses) e a introdução de alimentação complementar saudável e de forma adequada a partir do 2º semestre de vida desses pacientes.

Frente a isso, torna-se emergencial o planejamento e a aplicação de estratégias, tanto no âmbito de políticas públicas de saúde quanto no atendimento pediátrico individualizado de puericultura, para que ocorra educação nutricional adequada e intervenção precoce visando à promoção de saúde e à prevenção de doenças atuais e futuras.

 

HÁBITOS ALIMENTARES DURANTE A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

A prática de uma dieta balanceada e hábitos alimentares saudáveis desde a infância proporcionarão níveis ideais de saúde e favorecerão o perfeito desenvolvimento físico e intelectual, reduzindo os transtornos causados pelas deficiências nutricionais comuns a este estágio de desenvolvimento e evitando a manifestação da obesidade e outros distúrbios alimentares.

A família, a escola e a sociedade têm a responsabilidade de favorecer a adoção de um comportamento saudável por parte das crianças para que estas se tornem capazes de encontrar um equilíbrio alimentar e alcancem uma boa qualidade de vida com repercussões positivas na adolescência e na vida adulta.

A responsabilidade da família é favorecer a adoção de um comportamento alimentar saudável por parte das crianças. Os pais exercem importante papel de modelo para seus filhos auxiliando-os nas práticas alimentares e estabelecendo os alimentos, o local e o momento adequado para seu consumo, mas permitindo que a criança utilize os seus próprios recursos e respeitando sempre a sua saciedade. Para isso, é importante criar opções atrativas e nutritivas para que as crianças componham adequada e equilibradamente sua dieta.

A escola desempenha papel fundamental na formação de hábitos de vida das crianças, sendo também responsável pelo conteúdo educativo global, inclusive do ponto de vista nutricional. A alimentação escolar, tanto na rede pública quanto na rede privada, tem como objetivos: suprir parcialmente as necessidades nutricionais dos alunos, melhorar a capacidade no processo ensino-aprendizagem e formar bons hábitos alimentares.

Atualmente, os meios de comunicação vêm influenciando substancialmente o consumo de alimentos, pois as crianças permanecem mais tempo em frente à televisão e os comerciais veiculados versam predominantemente sobre alimentos que, em geral, contêm altos níveis de constituintes não saudáveis, podendo contribuir para a obesidade, dislipidemias, hipertensão e outros distúrbios. Desse modo, além do sedentarismo e da ingestão inadequada de alimentos, a criança pode adquirir concepções incorretas sobre a alimentação.

As tendências à urbanização aliadas ao desenvolvimento industrial e agropecuário ocasionaram mudanças de padrão alimentar e de vida das sociedades ocidentais. O consumo de alimentos industrializados e ricos em gordura aumentou, em detrimento da ingestão de alimentos não processados. Houve ainda redução da atividade física para o desenvolvimento do trabalho e do lazer. Tais modificações determinaram o processo denominado transição nutricional, caracterizado por queda das taxas de desnutrição, aumento da prevalência de obesidade e incremento de casos de “fome oculta” – deficiências nutricionais específicas, pouco evidentes clinicamente, mas prejudiciais à boa saúde.

O aleitamento materno exclusivo até o 6º mês e total até pelo menos 2 anos de idade é fundamental na prevenção de doenças tanto a curto como a longo prazo. Nos primeiros meses de vida, associa-se, no futuro, com redução do risco de obesidade, menores níveis pressóricos e queda dos níveis de colesterol.

A alimentação com leite humano diminui a incidência e/ou a severidade de uma ampla série de doenças infecciosas, incluindo a meningite bacteriana, bacteriemia, diarreia, infecções do trato respiratório, alergias alimentares, enterocolite necrotizante, otite média, infecção do trato urinário e sepse de início tardio em crianças pré-termo.

Alguns estudos sugerem taxas diminuídas de síndrome da morte súbita do lactente no 1º ano de vida e redução na incidência de diabetes melito insulino-dependente (tipo 1) e não insulino-dependente (tipo 2), doença celíaca e de Crohn, linfoma, leucemia e doença de Hodgkin, sobrepeso e obesidade, hipercolesterolemia e asma em crianças mais velhas e adultos que foram amamentados, comparados com indivíduos que não foram amamentados.

Gdalevich et al., em 2001, realizaram estudos correlacionando o AM à incidência de asma e dermatite atópica e concluíram que o AM exclusivo nos primeiros meses de vida está associado com redução de 30% no risco de desenvolvimento de asma na infância e, quando exclusivo nos 3 primeiros meses de vida, associa-se com queda do risco de desenvolvimento de dermatite atópica em crianças com maior risco de atopia. Em estudo realizado por Martin et al., em 2004, observou-se discreta redução nos níveis pressóricos (tanto sistólicos quanto diastólicos) em adultos que receberam aleitamento materno. Klement et al., em 2004, relataram que o AM está associado com redução de 33% e 23% no risco de desenvolvimento de doença de Chron e retocolite ulcerativa, respectivamente. Com relação à obesidade, estudo realizado por Harder et al., em 2005, mostra que para cada mês de aleitamento materno, há redução de 4% no risco de desenvolvimento de obesidade na vida adulta. Owen et al., em 2006, observaram que o AM na infância está associado à redução de 39% no risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2 na vida adulta. Outro estudo realizado por Akobeng et al., em 2006, observaram que o AM durante a exposição ao glúten e a maior duração do AM associaram-se com redução de 52% no risco de desenvolvimento de doença celíaca.

O aleitamento materno proporciona também melhora do vínculo mãe-filho, ausência de sobrecarga renal de solutos, melhor digestibilidade e biodisponibilidade de nutrientes, melhora da aceitação de novos alimentos no desmame (pela exposição a odores e sabores diferentes) e custo menor quando comparado com alimentação artificial.

Além disso, quanto ao desenvolvimento neurológico, a amamentação tem sido relacionada a desempenho ligeiramente melhor em testes de desenvolvimento cognitivo.

A utilização de leite de vaca integral no 1º ano de vida oferece riscos à saúde, como aumento da carga renal de soluto (pelos altos teores de proteína e sódio), risco do desenvolvimento de anemia carencial ferropriva (pela baixa disponibilidade do ferro), baixo conteúdo de ácidos graxos essenciais, alterações hormonais secundárias (pela elevada quantidade de proteína – cerca de 4 a 5 vezes maior do que no leite materno) e perfil de aminoácidos com estímulo à produção excessiva de insulina e somatomedina C (o que pode favorecer o desenvolvimento de obesidade futura e resistência insulínica), além da inadequação no fornecimento de vários micronutrientes.

A introdução precoce de alimentos habitualmente utilizados pela família está associada a maior consumo de energia e redução na ingestão de um ou mais nutrientes essenciais, assim como no risco de consumo elevado de sódio.

O consumo de sobremesas doces em crianças menores de 2 anos de idade foi associada com aumento na ingestão de energia e redução no consumo de frutas. Com relação ao consumo de vegetais, houve um aumento expressivo no consumo deste tipo de alimento em pacientes entre 19 e 24 meses.

Os pré-escolares em geral estão expostos a uma ampla variedade de alimentos que têm composição, sabor, textura e cor das mais variadas. Nesta fase, geralmente sua dieta é semelhante à dos escolares. Os pré-escolares, todavia, ingerem menos alimentos e tomam menos líquidos do que os escolares (exceto leite e produtos lácteos que são consumidos em quantidades semelhantes pelos dois grupos). Depois do leite e dos produtos lácteos, os principais componentes da dieta de pré-escolares são as frutas, os vegetais verdes, os tubérculos, os cereais, o açúcar, a carne e seus derivados. A ingestão de micronutrientes está estreitamente relacionada com a ingestão de energia, de modo que é possível que as crianças cujo consumo de energia é menor também sofram de deficiência de outros micronutrientes, como o ferro e o zinco.

O número de refeições que uma criança recebe diariamente varia de acordo com a tradição, o nível socioeconômico e educacional da família, a idade e o sexo da criança, além de outros fatores. Uma dieta é dita saudável quando possibilita ótimo crescimento e desenvolvimento, o que pode ser alcançado mediante o consumo diário de uma ampla variedade de alimentos com diferentes propriedades.

Durante a adolescência, podem aparecer novos hábitos de consumo explicáveis por motivos psicológicos, sociais e socioeconômicos, inclusive influência de amigos, rebeldia contra os controles exercidos pela família, busca de autonomia e identidade, aumento do poder de compra, hábito de preparar rotineiramente seu próprio alimento, urbanização e o hábito de comer fora de casa. Esses novos padrões e hábitos alimentares podem repercutir, a longo prazo, na saúde futura do indivíduo maduro e na escolha posterior dos alimentos.

Com relação aos hábitos e comportamentos alimentares de adolescentes, os achados mais frequentes são: não realização de refeições, principalmente o desjejum; substituição do almoço e/ou jantar por fast foods de alta densidade energética, ricos em gordura saturada, gordura trans, colesterol, sódio, açúcar; baixo consumo de frutas, verduras, legumes e cereais integrais; ingestão insuficiente de alimentos fontes de cálcio (em especial o leite); alto consumo de refrigerantes; refeições realizadas fora de casa e em companhia de amigos.

Os lanches mais populares são os produtos fritos ou com sabores intensos, doces e chocolates, biscoitos, produtos lácteos, frutas e sucos de frutas, refrescos e pão. Quando os lanches substituem parcialmente as principais refeições, é importante assegurar que sejam nutritivos, o que pode contribuir para uma dieta equilibrada, desde que os demais alimentos escolhidos sejam adequados.

As consequências nutricionais do consumo de refrescos e fast food são principalmente as resultantes dos seus altos teores de gordura e hidratos de carbono. São exemplos das principais consequências: obesidade, cáries dentárias, hiperlipidemia e hipercolesterolemia, hiperatividade infantil, diarreia e sobrecarga de fósforo em razão das grandes quantidades deste elemento existentes nas bebidas à base de cola.

Há evidências científicas comprovando que os hábitos e os comportamentos alimentares adquiridos na adolescência tendem a persistir na vida adulta e, quando inadequados, contribuem para o aparecimento de doenças crônicas não transmissíveis na maturidade (hipertensão arterial, dislipidemias, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, entre outros). A prevenção destas doenças pode ser feita pela adoção de estilo de vida e hábitos alimentares mais saudáveis, com aumento do consumo de verduras, legumes, frutas, leguminosas, cereais integrais, associado à redução da ingestão de alimentos ricos em gorduras saturadas e trans, colesterol, sal e açúcar. Os adolescentes devem receber uma educação que os habilite a manter sua dieta equilibrada e que inclua uma variedade adequada de alimentos, como as saladas, dentre a grande variedade disponível nos estabelecimentos de refeições rápidas.

Entre a saúde, a informação nutricional e os hábitos alimentares existem obstáculos como a falta de tempo e de disciplina, assim como a ausência de uma percepção adequada da urgência da aplicação de medidas preventivas cujos benefícios só serão evidentes décadas mais tarde. Outros fatores como o amor-próprio, a relação com os amigos e com a família, bem como a influência de companheiros, desempenham um importante papel na conduta do adolescente, inclusive quanto aos hábitos alimentares. As políticas de prevenção devem ajudar os adolescentes a entender como evitar doenças presentes e futuras relacionadas com a nutrição, por meio do desenvolvimento de sua própria independência e de sua capacidade para tomar decisões acertadas e de fazer escolhas corretas.

 

RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS: IMPORTÂNCIA DE UMA DIETA EQUILIBRADA E BALANCEADA EM MACRO E MICRONUTRIENTES.

A manutenção do aleitamento materno (AM) exclusivo até o 6º mês e total até pelo menos 2 anos de idade é, sem dúvida nenhuma, estratégia crucial na prevenção de doenças tanto a curto como a longo prazo, além de todos os outros benefícios já citados anteriormente.

Com relação à alimentação complementar, a criança deve receber alimentos adequados: de qualidade, baixo custo, fácil aquisição, maior disponibilidade local e já de uso habitual em suas regiões e cujo preparo seja livre de contaminação. Os alimentos complementares devem ser ricos em energia e nutrientes (particularmente ferro, cálcio, zinco, vitaminas A e C e ácido fólico). Devem ser apresentados em quantidade e consistência próprias para a idade da criança e sem excessos de sal e condimentos.

Em relação aos carboidratos, é importante evitar o consumo exagerado de carboidratos simples, preferindo-se os complexos, e garantir consumo adequado de fibras alimentares. O baixo índice glicêmico dos alimentos melhora a secreção da insulina e o consumo excessivo de bebidas açucaradas e de frutose concentrada pode cursar com aumento no risco de obesidade, resistência insulínica e diabetes tipo 2.

A quantidade e a qualidade da gordura ingerida também são extremamente importantes para a promoção da saúde e a prevenção de doenças. Baseado em modelos de leite humano, a ingestão de lipídios nos primeiros 6 meses de vida deve prover de 40 a 60% do total de energia e conter quantidade menor do que 1% de gordura trans e ser livre de ácido erúcico. A maior ingestão de gordura trans ocorre a partir do consumo de produtos industrializados contendo gordura vegetal hidrogenada. Os efeitos deletérios da gordura trans incluem: aumento de LDL-colesterol e lipoproteína A, redução do HDL-colesterol e piora da resposta inflamatória. A partir de 2 anos de idade, a gordura deve prover de 30 a 35% da ingestão energética total e conter menos de 10% de gordura saturada, colesterol abaixo de 300 mg/dia e gordura trans inferior a 2%.

A proteína é um macronutriente importante para o adequado crescimento da criança, já que fornece aminoácidos essenciais e nitrogênio para a síntese de enzimas, hormônios, neurotransmissores, proteínas corpóreas e também para a manutenção de tecidos. Em idades precoces, o excesso no consumo de proteínas, além de elevar a carga renal potencial de soluto, está também relacionado com o risco de desenvolvimento de obesidade futura. Estudos mostraram que o consumo excessivo de proteínas na fase de alimentação complementar, e não de carboidratos e lipídios, no início da vida relacionava-se com maior adiposidade aos 7 anos de idade.

Com relação ao fornecimento de micronutrientes (essenciais inorgânicos, os elementos-traço e orgânicos, as vitaminas), embora necessários em pequenas quantidades pelo organismo, exercem função de vital importância, sendo cofatores e coenzimas no metabolismo e como componentes estruturais e antioxidantes. A deficiência de micronutrientes, chamada fome oculta, é extremamente frequente em nosso meio e altamente prejudicial, sobretudo para lactentes jovens. As deficiências de zinco e vitamina A foram apontadas como responsáveis por 4,4% e 6,5%, respectivamente, das mortes entre menores de 5 anos no mundo.

O zinco atua em vários processos enzimáticos relacionados ao metabolismo proteico, lipídico, de carboidratos e de ácidos nucleicos, sendo essencial para o crescimento e o desenvolvimento. Contribui também como parte estrutural de proteínas e enzimas e está envolvido na expressão gênica. A fase de interrupção do aleitamento materno exclusivo e a de introdução de alimentos complementares são consideradas pela OMS como períodos de grande vulnerabilidade e risco de instalação da deficiência de zinco. As carnes e os frutos do mar são importantes fontes deste elemento.

A vitamina A desempenha importante papel no metabolismo geral. É necessária para o crescimento, a reprodução, a preservação da visão, a manutenção do epitélio diferenciado, entre outras ações. Pode ainda impedir os efeitos de alguns agentes carcinogênicos e determinar redução da incidência de tumor após exposição a vírus específicos ou compostos carcinogênicos. Pode ser encontrada em alimentos de origem animal (vísceras, gema de ovo, leite e derivados) e em alimentos de origem vegetal (hortaliças de cor verde-escura, frutos com polpa amarelo-alaranjada e óleos vegetais comestíveis).

O cobre atua como cofator em várias enzimas fisiologicamente importantes e representa o terceiro elemento-traço mais abundante no organismo, atrás do ferro e do zinco. Auxilia enzimas envolvidas na síntese do colágeno, enzimas que inativam a histamina liberada nas reações alérgicas, enzimas importantes na degradação da serotonina, no metabolismo da epinefrina, norepinefrina e dpoamina e no metabolismo energético. Auxilia também no metabolismo do ferro e é fundamental na defesa antioxidante. Os sinais de deficiência de cobre incluem: neutropenia, anemia microcítica, anormalidades ósseas, lesões de pele, redução da fagocitose e piora na imunidade celular.

A anemia carencial ferropriva afeta de 40 a 80% dos lactentes brasileiros e é a carência nutricional mais prevalente em vários países do mundo. Em lactentes, os efeitos negativos da anemia e deficiência crônica de ferro não são restritos ao período da carência, como também se prolongam ao longo da vida deixando sequelas, principalmente no desenvolvimento cognitivo, mesmo quando a anemia não está mais vigente.

 

OUTROS NUTRIENTES E COMPONENTES DA ALIMENTAÇÃO COM PAPEL NA IMUNOMODULAÇÃO, NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS E NA DEFESA ANTIOXIDANTE

Os nucleosídios e os nucleotídios são essenciais para o metabolismo celular e têm papel fundamental na estrutura do DNA e do RNA. São compostos de baixo peso molecular que representam uma pequena parte da porção de nitrogênio não proteico da dieta humana. Os nucleotídios podem ser considerados condicionalmente essenciais em fases da vida nas quais o crescimento é acentuado. O leite humano contém quantidade de nucleotídios correspondente a cerca de 20% do nitrogênio não proteico. Estudos recentes demonstraram que a suplementação de fórmulas infantis com nucleotídios aumentou a resposta humoral a vacinas contra hemófilos tipo B e difteria. Outros estudos observaram que fórmulas suplementadas com ribonucleotídios foram associadas com melhor resposta vacinal contra H. influenza, toxoide diftérico e pólio oral, além de estar relacionada à queda do número de casos de diarreia. Isso supõe que haja uma interface com a microbiota intestinal. Embora os nucleotídios sejam adicionados a alguns anos em fórmulas infantis (dose sugerida de 5 mg/100 kcal), ainda existem poucos estudos disponíveis em humanos para avaliar os benefícios acarretados no sistema imune e na proteção contra infecções, assim como avaliar eventuais eventos adversos relacionados à dose.

Os prebióticos são ingredientes alimentares não digeríveis, derivados de carboidratos complexos, que estimulam o crescimento e/ou atividade de um grupo de bactérias no cólon e trazem benefícios à saúde. São resistentes a acidez gástrica, hidrólise por enzimas intestinais e não são absorvidos pelo trato gastrintestinal. Um dos principais representantes são os fruto-oligossacarídios (FOS), polissacarídio não passível de hidrólise pelo estômago e intestino delgado e que, ao atingir o intestino grosso, é metabolizado seletivamente por um número limitado de bactérias benéficas, gerando uma microflora bacteriana saudável, capaz de induzir a efeitos fisiológicos importantes para a saúde. O leite humano contém cerca de 1 g/100 mL de oligossacarídios com propriedades prebióticas, sintetizados a partir da lactose. A ação dos prebióticos tem sido descrita na prevenção e no tratamento de algumas doenças. Os resultados da suplementação de prebióticos nas enfermidades alérgicas revelam-se promissores: a utilização de mistura de prebióticos em fórmulas infantis para crianças com risco de alergia, nos primeiros 6 meses de vida, reduziu a incidência de eczema atópico aos 2 anos de idade. Entretanto, ainda há poucos estudos que avaliam a utilização de prebióticos em quadros alérgicos. Há também trabalhos que investigam a ação de prebióticos nas doenças inflamatórias intestinais, na mineralização óssea e nas dislipidemias, entretanto os achados ainda são bastante incipientes para a extrapolação para a prática clínica.

Os probióticos são micro-organismos vivos capazes de alcançar o trato gastrintestinal e alterar a composição da microbiota, produzindo efeitos benéficos à saúde quando consumidos em quantidades adequadas. Esses efeitos estão direta e exclusivamente relacionados ao tipo de cepa utilizada que deve resistir à acidez gástrica e à ação dos sais biliares, possuir efeitos benéficos ao hospedeiro (in vitro e in vivo), ter capacidade de adesão ao muco ou epitélio intestinal, apresentar segurança comprovada (baixo risco de infecção sistêmica e de produção de toxinas deletérias, não oferecer estímulo excessivo à resposta imunológica e não possibilitar a transferência de genes entre micro-organismos), além de garantir a manutenção da viabilidade até o momento do consumo. Os probióticos mais comumente utilizados são o Lactobacillus, o Bifidobacterium e o Saccharomyces boulardii, micro-organismos que promovem benefícios à saúde, especialmente a inibição das bactérias patogênicas Clostridium difficile e Salmonella ssp, redução da incidência e da duração de quadros diarreicos, síntese de vitaminas do complexo B e ainda pode ajudar a aliviar os sintomas de intolerância à lactose. Por tais propriedades, tem sido adicionado em derivados lácteos (queijos e iogurtes) e fórmulas infantis. A melhora da barreira da mucosa intestinal, diminuindo a passagem dos antígenos para a corrente sanguínea, a redução da proliferação de micro-organismos patogênicos e o aumento da produção do fator de crescimento de transformação beta e prostaglandina E2 são mecanismos locais que levam os probióticos a beneficiar a saúde do hospedeiro.

Há mais de 30 anos, existem relatos da presença de bactérias viáveis no leite materno e estudos recentes reforçam tais achados. Os estudos publicados até o momento comprovam que a suplementação com probióticos diminui o tempo de duração da diarreia aguda em crianças, sendo mais efetivos nas infecções virais, assim como a suplementação de probióticos mostra efeitos benéficos na prevenção da diarreia associada a antibióticos. Recém-nascidos pré-termo, em unidades de internação neonatais, desenvolvem flora intestinal muito diferente das crianças nascidas a termo. No lugar de bifidobactérias e dos lactobacilos, a microflora dessas crianças é composta predominantemente por estafilococos, enterobactérias e enterococos. Este seria um dos fatores de risco para o desenvolvimento de enterocolite necrosante nesses pacientes. A suplementação de probióticos por via enteral reduziu o risco de enterocolite necrosante e mortalidade nesses RN pré-termo. Os probióticos também têm importante papel na prevenção de doenças alérgicas. Estudos mostram efeitos benéficos na prevenção de dermatite atópica em lactentes de risco. Esses efeitos estão diretamente relacionados ao tipo da cepa utilizada e à idade da suplementação.

O interesse sobre probióticos e prebióticos ressurgiu com estudos que demonstram que o equilíbrio ou desequilíbrio do sistema ecológico interno (microbiota – flora intestinal) pode ter influência importante no desempenho da imunidade, bloqueando ou desencadeando doenças. Doença de Crohn, diabetes tipo I (DM1) e rinite são enfermidades sobre as quais há fortes suspeitas de que o desequilíbrio na microbiota intestinal possa ser um dos fatores desencadeantes.

Os ácidos graxos esenciais linoleico (LA) e alfalinoleico (ALA), obtidos a partir da dieta, sofrem reações enzimáticas originando os ácidos graxos poli-insaturados de cadeia muito longa (LC-PUFAS) dentre os quais se destacam o ácido araquidônico (ARA), que, além de outras funções, participa da estrutura da membrana celular e produz potentes mediadores que atuam na resposta inflamatória, como as prostaglandinas e os leucotrienos, e o ácido docosaexaenoico (DHA), que tem importante papel na estrutura da membrana celular da retina e do sistema nervoso central (SNC), além de participar do equilíbrio imunológico. O acúmulo de DHA no cérebro inicia-se intraútero e continua após o nascimento, especialmente nos 2 primeiros anos de vida. A incorporação de ARA também acontece no SNC antes e depois do nascimento, em menor proporção quando comparado ao DHA. A oferta de DHA e ARA na gestação ocorre predominantemente por via placentária, havendo importante influência da dieta materna na quantidade de ácidos graxos oferecidos ao feto. Um consenso europeu recente preconiza, para mulheres em idade fértil, gestantes e lactentes, o consumode peixes marinhos ricos em DHA (p.ex., salmão e sardinha), 2 vezes/semana, ou a suplementação de 200 mg desse ácido. Crianças nascidas a termo e pré-termo são capazes de sintetizar ARA e DHA a partir do LA e ALA, entretanto estudos mostram que a capacidade de conversão é baixa, especialmente naquelas nascidas prematuramente. O leite humano provê quantidades adequadas de LA, ALA, DHA e ARA. Os níveis de DHA no leite humano correlacionam-se de forma positiva com o desenvolvimento visual e neuropsicomotor nas crianças em aleitamento materno.

 

TÓPICOS IMPORTANTES

      Os profissionais de saúde, especialmente os pediatras, devem sensibilizar pais e cuidadores a refletir sobre os riscos à saúde que uma alimentação inadequada oferecida a lactentes pode ocasionar, mesmo em situações nas quais o crescimento ponderoestatural ocorre de maneira satisfatória. Assim, a investigação alimentar torna-se obrigatória na anamnese da consulta pediátrica.

      Especial atenção deve ser dada a alimentos como salgadinhos, embutidos, doces, refrigerantes, macarrão instantâneo etc. que, por pressão da mídia ou por hábito de consumo familiar, são introduzidos precocemente, ainda no 1º ano de vida. É importante salientar que as preferências por determinados alimentos são estabelecidas nos primeiros anos de vida e podem predizer futuros hábitos alimentares, adequados ou não.

      Da mesma forma, os adolescentes deveriam receber uma educação que os habilite a manter sua dieta equilibrada e que inclua uma variedade adequada de alimentos, como as saladas, dentre a grande variedade disponível nos estabelecimentos de refeições rápidas.

      Entre a saúde, a informação nutricional e os hábitos alimentares existem obstáculos como a falta de tempo e de disciplina, e de uma percepção adequada da urgência em se aplicar medidas preventivas cujos benefícios só serão evidentes décadas mais tarde. Outros fatores, como o amor-próprio, a relação com os amigos e com a família e a influência de companheiros, desempenham um importante papel na conduta do adolescente, inclusive quanto aos hábitos alimentares.

      As políticas de prevenção devem ajudar os adolescentes a entender como evitar doenças presentes e futuras relacionadas com a nutrição. Podem chegar a isso por meio do desenvolvimento de sua própria independência, de sua capacidade para tomar decisões acertadas e de fazer as escolhas corretas.

      Finalmente, é fundamental considerar que a prática do aleitamento materno exclusivo até os 6 meses, a introdução da alimentação complementar de forma adequada e equilibrada e a adoção de hábito alimentar e estilo de vida saudáveis são importantes não só para garantir um crescimento e desenvolvimento ideais na infância, mas também para prevenir doenças crônico-degenerativas na vida adulta.

 

BIBLIOGRAFIA

1.    Sarni ROS, Souza FIS. Novos conceitos em alimentação e nutrição: impacto na promoção da saúde e na prevenção de doenças. Temas de Pediatria n. 85.

2.    Sarni ROS. A importância da alimentação saudável nos primeiros anos de vida na prevenção de doenças do adulto. 65º Curso Nestlé de Atualização em Pediatria, setembro de 2008.

3.    Chomto S, Wells JCK, Willians JE et al. Infant growth and later body composition. Evidence for the 4-component model. Am J Clin Nutr 2008; 87:1776-84.

4.    Harder T, Bergmann R, Kallischnigg G et al. Duration of breastfeeding and risk of overwight: a meta-analysis. Am J Epidemiol 2005; 162:397-403.

5.    Owen CG, Martin RM, Whincup PH et al. Does breastfeeding influence risk of type 2 diabetes in later life? A quantitative analysis of published evidence. Am J Clin Nutr 2006; 84:1043-54.

6.    Martin RM, Gunnell D, Smith GD. Breastfeeding in infancy and blood pressure in later life: systematic review and meta-analysis. Am J Epidemiol 2005; 161:15-26.

7.    Klement E, Cohen RV, Boxman J et al. Breastfeeding and risk of inflammatory bowel disease: a systematic review with meta-analysis. Am J Clin Nutr 2004; 80:1342-52.

8.    Gdalevich M, Mimouni D, Mimouni M. Breastfeeding and the risk of bronchial asthma in childhood: a systematic review with meta-analysis of prospective studies. J Pediatr 2001; 139:261-6.

9.    Gdalevich M, Mimouni D, Mimouni M. Breastfeeding and the onset of atopic dermatitis in childhood: a systematic review with meta-analysis of prospective studies. J Am Acad Dermatol 2001;45:520-7.

10. Akobeng AK, Ramanan AV, Buchan I et al. Effect of breast feeding on risk of celiac disease: a systematic review and meta-analysis of observational studies. Arch Dis Child 2006; 91:39-43.

11. Tojo R, Leis R, Recarey MD, Pavon P. Hábitos alimentares das crianças em idade pré-escolar e escolar: riscos para a saúde e estratégias para a intervenção – 37º. Nestlé Nutrition – 1995.

12. Cavadini C. Hábitos alimentares durante a adolescência: contribuição dos lanches. 37º Nestlé Nutrition, 1995.

13. Guesry PR. Papel nutricional dos refrescos na infância e adolescência. 37º Nestlé Nutrition, 1995.

14. Oliveira FLC, Escrivão MAMS. Prevenção das doenças do adulto na infância e na adolescência. In: Lopez FA, Brasil ALD. Nutrição e dietética em clínica pediátrica. São Paulo: Atheneu, 2003. p.105-24.

15. Andrade AS. Alimentação do pré-escolar e escolar. Curso Nestlé de Atualização em Pediatria, setembro de 2009.

16. Escrivão MAMS. Alimentação saudável na adolescência. Curso Nestlé de Atualização em Pediatria, setembro de 2009.

17. Manual de Orientação – Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria.

18. World Health Organization. Complementary feeding of young children in developing countries: a review of current scientific knowledge. Geneva: WHO, 1998. p.230.

19. Günther AL, Remer T, Kroke A et al. Early protein intake an later obesity risk: which protein sources at which time points throughout infancy and childhood are important for body mass index and body fat percentage at 7 years of age? Am J Clin Nutr 2007; 86:1765-72.

Conecte-se

Feed

Sobre o MedicinaNET

O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.

Medicinanet Informações de Medicina S/A
Av. Jerônimo de Ornelas, 670, Sala 501
Porto Alegre, RS 90.040-340
Cnpj: 11.012.848/0001-57
(51) 3093-3131
info@medicinanet.com.br


MedicinaNET - Todos os direitos reservados.

Termos de Uso do Portal